fbpx

10 dicas para começar a praticar

Yoga em casa

Foto: Pixabay / Sport Life

Ela garante bem-estar físico e mental, desenvolvendo até a parte mental para aliviar o estresse. Além de proporcionar flexibilidade, força e condicionamento físico a quem pratica. Por todos esses benefícios e outros mais dá até vontade de começar a yoga em casa, não é mesmo?

De acordo com a professora Thais Dalla Zanna, é preciso prestar atenção em alguns pontos para realizar a atividade em segurança. “Os asanas são posturas que trabalham a parte física, fazendo com que o corpo saia da zona de conforto”, aponta um dos elementos que se deve estar atento. Esse elemento torneia, alonga e até causa o emagrecimento, quando feito corretamente.

Se é sua primeira primeira vez fazendo yoga, Thais dá outra dica muito importante. “Se a postura está desconfortável a ponto de criar agitação, o praticante deve desfazer o asana e fazer uma versão mais simples da mesma”, explica a professora.

Outro elemento que a profissional dá atenção são os pranayamas – técnicas de respiração para oxigenar o organismo e trazer concentração para a meditação. “A união dos Asanas com respirações tornam os exercícios ritmados e dinâmicos, fazendo o praticante ‘suar a camisa’ e esquecer os problemas da vida corrida”, diz Thais.

Com tantos benefícios, muitas pessoas pensam em iniciar a yoga em casa por conta própria. Mas, existem alguns aspectos, como os apontados acima, que precisam ser levados em conta para começar a prática sozinho. Veja a seguir quais são!

Confira 10 dicas de Thais Dalla para começar a yoga em casa:

1. Crie um ritual para a prática: estabeleça um horário para se dedicar aos exercícios e introduza na sua rotina. O importante nesse início é a constância na prática para que comece a fazer parte do seu dia a dia.

2. Encontre um lugar tranquilo e amplo: pode ser um espaço interno ou externo, porém lembre-se de verificar móveis e objetos antes de iniciar a atividade. O chão deve ser plano e liso para seu conforto e segurança.

3. Use roupas confortáveis que permitam a livre movimentação do seu corpo.

4. Evite se alimentar antes da prática: é possível comer algo leve uma hora antes da atividade, ou caso não esteja sem energia, tome apenas um suco de frutas ou uma colher de mel pelo menos 30 minutos antes. Porém, o ideal é realizar a prática com o estômago vazio para evitar refluxo e mal-estar durante o exercício.

5. Providencie um MAT – o famoso tapetinho de yoga. Ele deve ser antiderrapante e ter aderência ao seu corpo. É possível utilizar substituições, mas com alguns cuidados. Pode utilizar um cobertor, toalha ou almofada nas posturas sentadas e deitadas. Porém, estas substituições não são antiderrapantes e, por isso, não devemos usá-las para a prática de posturas em pé.

Vale lembrar que são alternativas paliativas até que você adquira o seu MAT. Existem diversas marcas de MAT no mercado, inclusive com ofertas online. Sugiro que procure em lojas de artigos esportivos e entenda as opções, além de testar os MATs antes da compra, sempre lembrando das regras de aderência.

6. Analise a necessidade de acessórios complementares que podem favorecer a prática para alunos com menos flexibilidade. Os blocos de EVA são uma ótima opção para quem não alcança o chão em uma postura de flexão, por exemplo, pois é leve, firme e aderente ao solo. No início, caso não tenha o bloco, substitua por um livro de capa dura com uma grande espessura, porém com uma ressalva: o livro é pesado e isso pode atrapalhar na hora de deslocá-lo.

Então, utilize-o apenas até você adquirir o bloco de EVA. As faixas ou cintos são uma ótima opção também para pessoas que não alcançam os pés ou as mãos em algumas posturas. Existem faixas e cintos no mercado, mas opções caseiras são muito bem-vindas, desde que sejam firmes e resistentes.

7. Tenha almofadas firmes e volumosas – elas são essenciais para seu conforto em algumas posturas sentadas, pois a força e flexibilidade nas costas, pernas e abdômen ainda não são suficientes para manter a coluna ereta. Com a almofada, é possível evitar dores na coluna, lombar, virilha e pernas. É possível fazer substituições com o cobertor dobrado e dois blocos de EVA.

8. Faça um momento de meditação para entrar em concentração plena na hora da prática. Permaneça com a coluna reta e o pescoço no prolongamento da coluna, como se as vértebras se deslocassem, abrindo espaço entre elas e entre os órgãos abdominais. As pernas ficam enraizadas no chão, confortavelmente. Ombros, braços e musculatura da face ficam relaxados.

9. Respeite seus limites. Inicie com asanas mais simples e vá gradualmente aumentando a complexidade dos exercícios. A evolução na prática requer tempo e dedicação.

10. Busque orientação de profissionais especializados. É muito importante adquirir conhecimento e experiência para ter segurança na prática.

Fonte: Terra

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais