fbpx

99% dos deputados fora da oposição consideram necessário reformar a Previdência, diz pesquisa XP

(Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

SÃO PAULO – Apesar de tropeços no calendário preliminar de tramitação no Congresso Nacional, a pauta da reforma da Previdência alimenta cada vez mais consenso entre deputados fora do bloco de oposição ao governo Jair Bolsonaro (PSL). É o que mostra quarta rodada da pesquisa XP Investimentos com deputados.

Segundo o levantamento, feito entre os dias 18 e 26 de junho, considerando apenas os deputados que não podem ser classificados como de oposição, o entendimento de que é necessário reformar o atual sistema de aposentadorias encontra apoio de 99% dos entrevistados.

O resultado representa um salto de 9 pontos percentuais em comparação com os números de abril. Em fevereiro, 92% dos parlamentares governistas ou independentes concordavam com a necessidade de se aprovar uma reforma previdenciária.

xpcongresso2806c

Considerando todos os parlamentares no exercício do mandato, sem recorte por posições políticas, o levantamento mostrou que o apoio à necessidade de se reformar a Previdência chegou a 80%, o que corresponde a um salto de 4 pontos percentuais na comparação com abril. Outros 19% discordam.

A pesquisa da XP Investimentos ouviu 236 dos 513 deputados federais no exercício do mandato, entre os dias 18 e 26 de abril. A amostra de entrevistados respeitou a proporcionalidade das bancadas partidárias na casa legislativa.

xpcongresso2806a

Entre os deputados de oposição, contudo, depois que o deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) apresentou relatório sobre a Proposta de Emenda à Constituição de autoria do governo sobre o assunto, a resistência à ideia de se reformar o atual sistema de aposentadorias cresceu.

Agora, 59% dos deputados de partidos identificados como contrários ao governo Bolsonaro se opõem à necessidade de aprovação de uma reforma previdenciária. Em fevereiro, eram 55%. Já o grupo dos que apoiam a ideia mesmo sendo de oposição foi de 42% para 38% no período.

xpcongresso2806b

Com relação ao parecer apresentado pelo relator, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), em comissão especial, 56% dos deputados ouvidos concorda em partes com o texto, mas defende alterações. Em abril, quando o assunto ainda era a proposta original encaminhada pelo governo ao parlamento o mesmo grupo correspondia a 42% dos assentos na casa legislativa.

Lembrando que, por se tratar de PEC, o texto precisa contar com o apoio de 3/5 dos deputados (308) em dois turnos de votações em plenário para avançar para o Senado Federal.

xpcongresso2806d

O ambiente melhorou até entre os opositores ao governo, o que pode ser um reflexo dos esforços de negociação do governo e do deputado Samuel Moreira, a partir das alterações que promoveu na PEC recebida. Segundo o levantamento, no grupo de parlamentares contrários à atual administração, o percentual dos que discordam totalmente com a proposta caiu de 70% (quando o texto analisado era o do ministro Paulo Guedes) para atuais 45%. Já os que concordam parcialmente com algumas alterações subiu de 8% para 18%.

xpcongresso2806e

Entre os demais parlamentares a melhora é ainda mais expressiva. O grupo dos que concordam parcialmente com o texto e que pedem algumas alterações subiu de 56% para 73%. Já o dos que discordam totalmente com a proposta foi de 6% para 1%. Uma boa notícia para o relator.

xpcongresso2806f

Entre os principais pontos criticados pelos parlamentares no relatório apresentado em comissão especial estão as regras de aposentadorias para professores e as regras de transição para agentes de segurança e para o regime geral. Do lado dos deputados governistas ou independentes, os dois primeiros itens são os maiores focos de resistência.

xpcongresso2806g

xpcongresso2806h

xpcongresso2806i

Receba com exclusividade todas as edições do Barômetro do Poder e fique por dentro do que os maiores especialistas da política estão esperando para o futuro do país. É grátis!

Fonte: INFOMONEY

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!