fbpx

A raiva em uma pandemia

“Cante, Deusa, a ira do filho de Aquiles Peleu, a ira ruinosa que causou inúmeras aflições aos Acaianos e jogou à Hades muitas almas fortes de heróis …” Assim começa o clássico de Homero, A Ilíada. Aquiles está com raiva. A raiva dele é útil ou prejudicial?

Eu trabalho com uma organização que treina socorristas, como policiais e bombeiros. Em uma ligação recente com eles, um bombeiro, Joel, compartilhou uma história de raiva. Ele foi às compras uma manhã, durante o tempo em que o mercado estava aberto exclusivamente para os socorristas.

Os supermercados ofereciam essa exclusividade abrindo uma hora mais cedo do que o normal para ajudar os socorristas a atender suas necessidades devido aos horários variados que tinham e para honrar o que estavam fazendo por todos nós durante esse período difícil.

Uma fila de outros clientes já havia se formado pela porta, esperando para entrar. Um homem parado na fila viu Joel passar, entrando na loja, em seu uniforme de bombeiro. O homem disse com uma voz irada: “Quem você pensa que é, podendo entrar mais cedo do que o resto de nós?”

A raiva é uma emoção que todos nós podemos estar experimentando e testemunhando agora.
Expressar raiva pelo tempo, quantidade e razão adequados pode nos proteger. É uma emoção que nos leva a agir para defender nossos limites.

Se alguém invade nosso espaço, a raiva pode nos mobilizar para lutar e nos proteger. Tais eventos tendem a ter vida curta. Um limite é ultrapassado, usamos a raiva para nos proteger e depois retornamos a um estado calmo. Esse é um uso útil da raiva.

O homem do mercado parecia que seu limite de justiça estava ultrapassado, então ele atacou com raiva. Por que um socorrista deve ter acesso privilegiado ao supermercado? Afinal, estamos todos lutando para satisfazer nossas necessidades durante esse período difícil. Talvez o homem também tivesse um trabalho difícil e equiparasse sua posição à dos bombeiros?

A raiva se torna prejudicial quando é “míope”, quando criamos limites que não levam em consideração as necessidades de outras pessoas. Os socorristas estão na linha de frente dessa pandemia, trabalhando para o resto de nós, para nos manter seguros.

Eles são como os soldados nessa guerra contra o Coronavírus. O homem do supermercado perdeu de vista os serviços que prestavam para mantê-lo seguro. Ele esqueceu que sua necessidade de segurança estava sendo atendida por Joel.

Ele precisava considerar o que poderia fazer para atender às necessidades dos socorristas. A vida é uma via de mão dupla de serviço. Honrar a exclusividade de fazer compras no supermercado, uma hora antes do que ele era capaz, seria uma maneira de fazer isso.

O lado sombrio da raiva permanece muito depois do evento. A mente se concentra nela, pensando em como fomos ofendidos ou tratados injustamente. Com o tempo, a raiva se transforma em ressentimento e começa a envenenar nossa atitude.

Provavelmente foi o que aconteceu com o homem do supermercado. O evento terminou tão rápido quanto Joel entrou no supermercado. No entanto, a raiva provavelmente permaneceu no homem esperando na fila porque o objeto de sua raiva não estava mais lá.

Ele foi deixado sozinho com sua raiva. Sua mente provavelmente se concentrou em quão injusta era a situação, o que provavelmente se transformou em ressentimento contra os socorristas.

Essa raiva míope e prejudicial demonstra um esquecimento, uma perda de entendimento de que estamos juntos nessa situação. Ao mudar nossa perspectiva para as necessidades dos outros, diminuímos o uso nocivo da raiva. Todos nós precisamos servir os outros, não apenas os socorristas.

Com essa mentalidade, podemos mudar para o antídoto contra a raiva prejudicial e curar a todos. Esse antídoto é a emoção do amor. Em vez de nos alimentarmos de versões nocivas da raiva, nos alimentamos de amor. O amor conecta e cura os relacionamentos e o nosso mundo. Passamos a amar para ajudar o todo, não apenas a nós mesmos.

O estado interno do homem no supermercado era turbulento; ele tinha emoções conflitantes dentro dele. Esse estado interno será expresso em algum momento. A raiva e o ressentimento contidos tendem a se expressar de forma explosiva, com violência.

Se nos aprofundarmos no lado sombrio da raiva, vamos acabando com nós mesmos e nosso mundo. Assim como a ira de Aquiles, a raiva pode trazer inúmeras aflições e levar nossas almas ao inferno, onde habitaremos e não encontraremos escapatória.

Precisamos desenvolver a consciência para evitar a ira com nossa raiva. Essa conscientização pode surgir simplesmente respondendo perguntas. O homem perguntou: “Quem você pensa que é, podendo entrar mais cedo do que o resto de nós?”

Se ele tivesse consciência de responder a isso, talvez entendesse por que Joel tinha acesso privilegiado à loja. “Quem você pensa que é?” teria sido respondido com: socorrista (bombeiro). “Ser capaz de entrar mais cedo do que o resto de nós?” teria sido respondido com: estamos em guerra e eles estão lutando para nos proteger. Esse tipo de consciência leva à conexão e ao amor.

Da próxima vez que o homem estiver nessa fila e vir o acesso privilegiado acontecendo, ele poderá responder com amor. Ele pode expressar sua gratidão por Joel estar fornecendo sua necessidade essencial de estar seguro.

Dica prática: Como mudar da raiva para o amor

Quando você encontra outras pessoas e se pergunta “Quem você pensa que é?”, pode ficar com raiva. Transforme a raiva respondendo à pergunta. Faça isso pensando em como estamos todos conectados e fornecendo as necessidades um do outro.

Lembre-se de que a vida é uma via de mão dupla. Então tome uma atitude. Seja amoroso.

Mude sua mente de “Quem você pensa que é?” para “Eu sei quem você é. Você é como eu e nós servimos um ao outro. ” Então diga a eles; eles vão te amar por isso.

1-WarriorsWaylogo_

O livro “The Rock Warrior Way – Mental Training for Climbing” está à venda traduzido para a língua portuguesa no Brasil em: http://www.companhiadaescalada.com.br

Arno Ilgner distinguiu-se como um escalador pioneiro nos anos 1970 e 80, quando as principais ascenções foram as primeiras fortes e perigosas. Essas façanhas pessoais são a base para Ilgner desenvolver o programa de treinamento físico e mental – Rock Warrior Way ®. Em 1995, após uma pesquisa aprofundada da literatura e prática de treinamento mental e as grandes tradições guerreiras, Ilgner formalizado seus métodos, fundou o Instituto Desiderata, e começou a ensinar seu programa de tempo integral. Desde então, ele tem ajudado centenas de estudantes aguçar a sua consciência, o foco de atenção, e entender seus desafios de atletismo (e de vida) dentro de uma filosofia coerente, baseada em aprendizado de tomada de risco inteligente. Ilgner considera a alegria e satisfação no esforço – a “viagem” – intimamente ligada à realização bem sucedida das metas.

!function(f,b,e,v,n,t,s){if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod?
n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};if(!f._fbq)f._fbq=n;
n.push=n;n.loaded=!0;n.version=’2.0′;n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window,
document,’script’,’https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);
(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “https://connect.facebook.net/en_US/all.js#xfbml=1”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Fonte: R7

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!