fbpx

Ação do IRB tem queda de quase 12% após balanço; bancos caem até 4%, Petrobras recua e Vale sobe com minério

SÃO PAULO – A última sessão do mês foi de volatilidade para o Ibovespa, com os investidores registrando uma maior aversão ao risco em meio ao coronavírus, o que ofusca dados melhores do que o esperado na China e nos EUA. Ainda em destaque, a China aprovou nesta terça-feira (30), de forma definitiva, uma controversa lei de segurança nacional que, de acordo com críticos, pode acabar com o status semiautônomo de Hong Kong.

No radar corporativo, o destaque ficou para as ações do IRB (IRBR3, R$ 11,00, -11,72%). Após três sessões seguidas de ganhos na expectativa pelos resultados, divulgados na madrugada desta terça, os ativos abriram em queda, de até 5,54%, entraram em leilão e minutos depois viraram para alta expressiva, acima de 4%.

Contudo, minutos depois, os papéis voltaram a cair, ainda que em um movimento menos expressivo que o da abertura. Já durante a tarde, as ações passaram a desabar mais de 10% (veja mais clicando aqui).

As ações da Ecorodovias (ECOR3, R$ 12,97, +0,08%), por sua vez, chegaram a subir forte após o balanço, mas também perderam força durante o pregão.

O petróleo WTI caiu em devolução do ímpeto com dado do setor imobiliário dos EUA ontem, além das preocupações com a demanda. Contudo, as ações da Petrobras (PETR3, R$ 22,34, -0,98%; PETR4, R$ 21,55, -0,51%) fecharam em queda.

Já as ações da Vale (VALE3, R$ 55,92, +0,52%) avançaram seguindo o minério de ferro, com a commodity à vista de pureza 62% negociada em Qingdao em alta de 1,4%, a US$ 101,05 a tonelada.

Considerando o desempenho do mês, três ações conseguiram registrar ganhos de mais de 40%: BTG Pactual, que saltou 56,6%; Gol, com alta de 54,2% e Azul, que teve alta de 40,8%. Já do lado negativo, apenas uma ação teve queda de dois dígitos em junho, a Braskem, que caiu 16,3%. Atrás fela ficaram BRF e CPFL Energia, com perdas de 8,1% e 4,9%, respectivamente.

Confira os destaques:

Frigoríficos

O Ministério da Agricultura informou que a China suspendeu importações de três unidades processadoras de carne do Brasil. A ação teria sido motivada pelas preocupações do governo chinês em conter um novo surto do novo coronavírus.

Segundo a agência Reuters, uma unidade operada pela Marfrig (MRFG3, R$ 12,61, +0,40%) na cidade de Várzea Grande (MT) é uma das suspensas. Além disso, segundo informações no site do Mapa, uma unidade de frangos da JBS (JBSS3, R$ 21,15, +0,28%), em Passo Fundo (RS), foi suspensa pela China na última sexta-feira e outra da Minuano, em Lajeado, também está impedida temporariamente de exportar aos chineses.

As empresas não comentaram o assunto.

Na avaliação dos analistas do Bradesco BBI, as suspensões da China são consequência da postura proativa do Ministério da Agricultura, que tenta evitar proibições por parte da China.

“Continuamos vendo essas suspensões como temporárias e esperamos que a China continue aumentando as importações de carne, já que o país ainda está se recuperando da febre suína africana”, disseram os analistas, lembrando que em 2020 a produção de carne suína na China deverá cair 20%.

Petrobras (PETR3, R$ 22,34, -0,98%; PETR4, R$ 21,55, -0,51%)

A Petrobras decidiu prorrogar até 31 de dezembro deste ano o teletrabalho (também conhecido pelo termo inglês home office), devido à pandemia do novo coronavírus. Segundo a estatal, a medida foi tomada de forma preventiva, para proteger a saúde de seus funcionários.

Parte da equipe da empresa está trabalhando a distância, ou seja, em casa ou em outro lugar fora do ambiente regular de trabalho devido à pandemia.

“A Estrutura Organizacional de Resposta (EOR), formada por representantes de diversas áreas da companhia com o objetivo de coordenar ações de prevenção ao coronavírus para proteção aos colaboradores, continuará monitorando os cenários interno e externo, com avaliação constante das decisões tomadas, tendo sempre como foco a segurança de todos. Em função de uma possível mudança de cenário da pandemia e dos locais em que a Petrobras atua, as datas de retorno poderão ser alteradas”, diz a empresa em nota.

A Petrobras também dará uma ajuda de custo de R$ 1 mil para a compra de equipamentos ergonômicos. A empresa destaca, no entanto, que algumas atividades podem voltar ao trabalho presencial antes do fim do ano, caso haja necessidade.

A companhia informou ainda, na segunda-feira à noite, que deu início ao processo de venda da totalidade de sua participação no campo de Tartaruga, localizado em águas rasas da Bacia de Sergipe-Alagoas.

A estatal possui 25% de participação no campo, do qual a Maha Energy é a operadora, com 75% de participação.

O processo de venda tem início com a etapa de divulgação de oportunidade (“teaser”), quando a empresa anuncia as principais informações sobre o ativo.

A estatal informou ainda que as quatro plataformas instaladas no campo de Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos, alcançaram no dia 27 de junho novos recordes de produção. foram 664 mil barris de óleo por dia (bpd) e 822 mil barris de óleo equivalente por dia (boed).

O campo de Búzios é o maior em águas profundas do mundo.

O recorde anunciado nesta segunda-feira supera uma marca anterior das quatro plataformas divulgada em 11 de março, que era de uma produção diária de 640 mil barris e de 790 mil barris de óleo equivalente.

IRB (IRBR3, R$ 11,00, -11,72%)

O ressegurador IRB Brasil registrou uma queda de 92% no lucro líquido no primeiro trimestre de 2020, para R$ 13,874 milhões, ante os R$ 177,9 milhões registrados em igual intervalo de 2019. Este último número já é ajustado, após a reapresentação do resultado de 2019.

O resultado positivo foi definido em março, uma vez que a companhia informou à Superintendência de Seguros Privados (Susep) um prejuízo acumulado de R$ 110,6 milhões em janeiro e fevereiro.

O prêmio emitido do ressegurador nestes três primeiros meses foi de R$ 1,996 bilhão, um crescimento de 13% em relação ao trimestre do ano anterior.

Em prêmios ganhos, o IRB obteve R$ 1,499 bilhão no período, contra R$ 1,241 bilhão entre janeiro e março de 2019. Já com referência ao pagamento de sinistros, a companhia desembolsou, em indenizações, o montante de R$ 1,147 bilhão no trimestre, montante superior aos R$ 959 milhões gastos no mesmo intervalo do ano passado. Já o patrimônio líquido do IRB, calculado em R$ R$ 3,94 bilhões no último trimestre do ano passado, recuou para R$ 3,56 bilhões em março deste ano.

“A revisão dos números e os resultados do primeiro trimestre mostram uma empresa sólida, mas que ainda necessita de ajustes na sua estrutura de atuação geográfica, linhas e tipos de negócios de forma a adequá-la ao perfil de ressegurador de classe mundial, com foco em seus clientes e resultados consistente e sustentáveis” disse o presidente do Conselho de Administração e atual diretor-presidente, Antonio Cassio dos Santos, no comunicado de resultados. Veja mais clicando aqui. 

O Credit Suisse lembrou que o lucro do IRB veio abaixo do consenso de mercado (R$ 205 milhões) e que o papel, que tem uma forte participação das pessoas físicas, sofreu forte volatilidade nas últimas semanas. “A empresa anunciou a contratação de bancos para uma potencial capitalização para o reenquadramento de reservas técnicas, que está em R$ 2,1 bilhões. O montante equivale a 21% da capitalização de mercado”, explicaram os analistas.

Ecorodovias (ECOR3, R$ 12,97, +0,08%)

A Ecorodovias anunciou nesta segunda-feira (29) que teve lucro líquido de R$ 103,3 milhões no primeiro trimestre de 2020. O valor representa uma alta de 23% sobre o mesmo período do ano passado.

Já a receita líquida pró-forma da empresa ficou em R$ 768 milhões entre janeiro e março deste ano, uma alta de 15,6% sobre o valor visto no primeiro trimestre de 2019. Analistas consultados pela Bloomberg esperavam algo em torno de R$ 925,3 milhões.

A companhia encerrou os três primeiros meses do ano com Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) pró-forma de R$ 530,4 milhões — um salto de 17,8% na comparação anual.

Assim, a margem Ebitda pró-forma da companhia (relação percentual entre a receita líquida e a geração operacional de caixa medida pelo Ebitda) foi de 69,1%, 1,3 ponto percentual acima do registrado nos três primeiros meses de 2019.

A dívida líquida da Ecorodovias também aumentou de um ano para o outro — no primeiro trimestre deste ano, foi para R$ 6,818 bilhões, 35,1% acima do valor visto em igual período de 2019.

“Diversas medidas estabelecidas pelos governos e pelo setor privado, em função da pandemia, geraram impactos relevantes nos negócios da Ecorodovias. Para minimizar os impactos, a companhia vem atuando proativamente, em coordenação com governos e órgãos reguladores”, destacou a empresa no balanço.

Na avaliação dos analistas do Credit Suisse, a Ecorodovias demonstrou que não sofreu tanto com o primeiro impacto da pandemia da Covid-19, uma vez que as medidas de distanciamento social começaram a ser adotadas em março. No trimestre, houve avanço do tráfego de veículos pesado e queda na movimentação dos carros de passeio.

“O escoamento de grãos e a safra bastante forte do Brasil estão por trás desse avanço. Importante destacar que a empresa deve se beneficiar dos rebalanceamentos de contratos (relacionados à Covid e ao eixo suspenso)”, avaliaram. O banco tem recomendação de “outperform” para a Ecorodovias, com preço-alvo de R$ 17.

Já o JP Morgan reduziu a recomendação para as ações do IRB de “neutro” para “underweight”, mas manteve o preço-alvo em R$ 8.

A reavaliação do JP Morgan leva em conta que com os ajustes feitos nas demonstrações, o IRB deve ter potencialmente atingido seu melhor ano em 2019. Além disso considera que dada a necessidade de melhorar a liquidez, a resseguradora precisaria de R$ 2 bilhões em capital.

“É improvável que o crescimento seja superior aos anos anteriores; a receita financeira não será tão favorável, dadas as baixas taxas de juros; e o fluxo de notícias (positivas) se dissipará”, avaliaram os analistas.

Tupy (TUPY3, R$ 19,10, -1,50%)

A Tupy também divulgou nesta segunda seu balanço do primeiro trimestre de 2020. A empresa teve prejuízo de R$ 207,5 milhões, comparado ao lucro de R$ 80,442 milhões visto um ano antes.

O desempenho, segundo a companhia, é decorrente do impairment de ativos intangíveis, da marcação a mercado de instrumentos derivativos utilizados no cálculo de créditos da Eletrobras e operações de hedge, e da variação cambial sobre impostos diferidos das operações no México, sem efeito caixa.

A receita da companhia ficou em R$ 1,093 bilhão, o que representa uma queda de 14,7% na comparação anual. Já o Ebitda ajustado da empresa foi de R$ 164,6 milhões no primeiro trimestre deste ano, aumento de 20,2% sobre o resultado do mesmo período do ano passado.

“Em resposta à redução de demanda e às paradas bruscas das operações de nossos clientes em todo o mundo, acionamos os nossos anéis de defesa, um conjunto amplo de ações pré-definidas para reduzir custos e preservar o caixa da companhia”, disse a Tupy, destacando, entre outras coisas, a flexibilização da produção e a redução de jornadas e salários, além da suspensão temporária de contratos de trabalho.

Restoque (LLIS3, R$ 6,90, -2,13%)

A Restoque, dona das marcas Le Lis Blanc e Dudanlina, registrou um prejuízo líquido de R$ 1,399 bilhão no primeiro trimestre do ano, ante prejuízo de R$ 13,034 milhões nos primeiros três meses do ano.

A receita líquida da empresa caiu 16,7%, para R$ 208,691 milhões.

Cielo (CIEL3, R$ 4,62, 0,00%)

A Cielo informou que está fornecendo ao Banco Central (BC) e ao Cade informações para retomar a parceria com o Whatsapp na área de pagamentos. Afirmou ainda que não há exclusividade nessa parceria, que está suspensa pelos órgãos reguladores.

Na avaliação dos analistas do Bradesco BBI, é pouco provável o fim dessa suspensão. “O BC está focado e dedicado no lançamento do PIX (plataforma de pagamentos instantâneos) e provavelmente não vai gastar muito tempo com qualquer iniciativa que possa ser vista como uma alternativa ao seu próprio sistema ou que possa ser considerada uma barreira para o desenvolvimento da competição”, avaliaram.

No entanto, lembram que a iniciativa de pagamento do Whatsapp poderia ter uma presença limitada no país mas, caso mire para o PIX, quando esse estiver disponível, pode tornar a sua ferramenta de pagamento mais viável.

Eneva (ENEV3, R$ 44,98, +2,83%) e Omega (OMGE3, R$ 37,72, +6,73%)

A Eneva estuda uma potencial incorporação da concorrente Omega, segundo informações do Valor. Segundo uma fonte, a operação pode ocorrer por meio de troca de ações e parte em dinheiro ou por aquisição efetiva, com venda do controle pela Tarpon. Apesar disso, a fonte ressaltou que a conversa é preliminar e pode não avançar.

Em nota, a assessoria da Omega disse que a “informação não procede”. “A Omega tem dedicação exclusiva à geração de energias renováveis, não fazendo parte de seu objeto, mandato ou de seu plano de negócios investimentos em térmicas a gás ou a carvão”.

Dimed (PNVL3, R$ 29,70, +0,68%)

A Distribuidora de Medicamentos Dimed anunciou na segunda-feira à noite que engajou Bradesco BBI, BTG Pactual e Itaú BBA para coordenar uma possível oferta de ações.

Em fato relevante, a companhia disse que ainda “não definiu e nem aprovou a efetiva realização da potencial oferta”, que seria feita com esforços restritos de colocação.

O grupo é formado pela rede de farmácias Panvel, pela distribuidora de medicamentos Dimed e pelo laboratório farmacêutico Lifar.

Banco do Brasil (BBAS3, R$ 32,15, -3,86%), Bradesco (BBDC3, R$ 18,96, -3,07%; BBDC4, R$ 20,70, -3,32%), Itaú (ITUB4, R$ 25,45, -3,89%) e Santander Brasil (SANB11, R$ 28,02, -3,55%)

A XP Investimentos atualizou as projeções para as ações do setor bancário. O papel preferido segue sendo o do Banco do Brasil, com preço-alvo de R$ 43 e recomendação de compra. O Bradesco também tem recomendação de compra, mas o preço-alvo foi alterado de R$ 28 para R$ 27. Para Itaú Unibanco e Santander, a recomendação é neutra, com preços indo de, respectivamente, R$ 30 para R$ 29 e R4 30 para R$ 32.

A XP vê novos entrantes como um risco para os bancos. Além disso, espera uma redução da rentabilidade e aumento da inadimplência devido à crise causada pela pandemia do novo coronavírus. No entanto, a avaliação é que mesmo com esses fatores, os bancos estão com uma cotação que pode ser considerada barata.

“Acreditamos que bancos podem estar mais baratos se conseguirem atravessar a crise (e acreditamos que eles vão)”, segundo relatório assinado pelo analista Marcel Campos.

Ele ressalta que os bancos estão bem capitalizados, com uma carteira segura e de menor participação no varejo, e com liquidez, além das provisões reforçadas.

Campos ainda vê três fatores que justificam a preferência pelo BB: avaliação das ações do BB historicamente abaixo dos concorrentes (múltiplos mais baixos); avaliação de que o banco está defendido operacionalmente pela concentração em empréstimos consignados e rurais; e o fato do banco se mostrar competitivo na esfera digital.

O analista lembra ainda que o BB perdeu participação após o término da exclusividade com funcionários públicos, mas que tem recuperado a base de clientes. “Desde 2018, o banco começou a aumentar sua base por meio da expansão orgânica, o que é positivo, pois os bancos são um negócio muito escalável”, explicou, em relatório.

Pão de Açúcar (PCAR3, R$ 70,98, -2,63%)

A Companhia Brasileira de Distribuição (CDB) anunciou que concluiu a venda de sete imóveis, em um total de R$ 312,9 milhões, para dois fundos da TRX Gestora de Recursos. Essa operação faz parte da segunda tranche de um “sale and lease back”, ou seja, a varejista de alimentos tem um contrato de uso desses imóveis vendidos.

Quatro desses imóveis são lojas da bandeira Assaí, um Extra Hiper e duas lojas da bandeira Mercado Extra.

Outras 29 lojas, em um total de R$ 706,9 milhões, serão alvo da mesma operação nas tranches seguintes, que devem ser concluídas até 31 de agosto de 2020.

Para o Itaú BBA, essa operação é positiva. “Por meio desse processo, a CBD poderá acelerar seu processo de desalavancagem, enquanto pode contribuir para a expansão orgânica das lojas de Assaí, em rápido crescimento”, avaliaram os analistas do banco.

Rumo (RAIL3, R$ 22,49, -0,84%)

A Rumo Logística vai emitir títulos no exterior com selo verde, os chamados “green bonds”. O objetivo é levantar entre US$ 500 milhões e US$ 700 milhões, com vencimento em 2028, segundo o jornal “O Estado de São Paulo”.

A remuneração inicialmente oferecida ao investidor está em torno de 5,5%. Itaú, Santander e Morgan Stanley são coordenadores líderes da emissão.

Comércio eletrônico

As vendas do comércio eletrônico registraram um crescimento de 137,35% em maio na comparação com igual mês de 2019, segundo informou o jornal “O Estado de São Paulo”.

Já o faturamento do setor registrou alta de 127,77%, conforme o índice MCC-ENET, desenvolvido pelo Comitê de Métricas da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net) em parceria com o Movimento Compre & Confie.

O levantamento mostra ainda que a comércio eletrônico no varejo chegou a 11,1%, maior patamar já registrado.

(Com Bloomberg e Agência Estado)

Fonte: Infomoney

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!