Agachamento profundo: benefícios de praticá-lo

O agachamento profundo não é outro senão aquele em que as coxas ultrapassam o paralelo, colocando a articulação do quadril abaixo da articulação do joelho. Trata-se de um exercício que nos ajuda a desenvolver e fortalecer quase todas as fibras musculares do corpo.

Por esse motivo, será essencial entender a nossa posição corporal – biomecânica – para concluir o movimento do agachamento profundo. A seguir, descobriremos quais são os músculos que influenciam na execução do exercício.

Quais músculos estão envolvidos nos agachamentos profundos?

Como mencionamos anteriormente, conhecer a biomecânica do movimento será fundamental para uma execução correta. Os músculos envolvidos no agachamento profundo são os seguintes:

  • Quadríceps: trata-se do maior músculo do corpo. O quadríceps é formado por 4 segmentos: o reto femoral, que está inserido na coluna ilíaca, o vasto externo, o vasto interno e o vasto médio. Os três têm sua inserção no fêmur e chegam até a rótula.
  • Femoral: esse músculo é antagonista ao quadríceps. Sua função mais importante é a de compensar a extensão com a flexão. Quando falamos sobre o agachamento profundo, o femoral é responsável por controlar a velocidade de descida, e é por isso que se torna tão relevante nesses casos.
  • Outros músculos: embora menos importantes, também influenciam o agachamento do músculo semimembranoso e semitendinoso, além do tensor da fáscia lata, dos adutores, do menor e do maior. Em menor grau, também estão envolvidos o glúteo maior e os eretores da coluna espinhal.

Agachamentos profundos vs. agachamentos tradicionais

A seguir, vamos repassar as vantagens de praticar o agachamento profundo ao invés do agachamento tradicional.

  • Os ligamentos cruzados são muito importantes em várias modalidades esportivas, e o agachamento profundo é menos prejudicial para eles do que o tradicional. Esses ligamentos são, como já sabemos, fundamentais para a estabilidade do joelho. Sempre que pudermos, devemos protegê-los de lesões que exigiriam um certo tempo de repouso ou até cirurgias.
  • Obteremos maior desenvolvimento, além de maior ganho de força no quadríceps em comparação com o agachamento tradicional. Isso ocorre porque a força máxima do quadríceps ocorre a 90 graus de flexão.
  • Obteremos uma maior ativação, tanto dos músculos posteriores da coxa quanto dos glúteos. Esses últimos são a musculatura mais envolvida ao fazer sprints e corridas curtas. Com o agachamento profundo, portanto, melhoraremos o desempenho em esportes como futebol, basquete etc.

Benefícios de praticar o agachamento profundo

O agachamento profundo é, sem dúvida, o melhor exercício para trabalhar as pernas, especialmente se for feito rompendo o paralelo. Além dos benefícios mencionados acima, podemos adicionar estes outros:

  • Melhora a mobilidade das fibras musculares da parte inferior do corpo.
  • No agachamento profundo, trabalhamos o movimento completo, o que ajuda a reduzir o risco de ruptura fibrilar. Se acostumarmos a fibra a aumentar seu grau de extensão, melhoraremos as adaptações.
  • O agachamento profundo ocorre no plano sagital do joelho e do quadril e na parte alta do tornozelo. Isso permitirá que essas regiões possam suportar mais peso e também contribuirá para melhorar a rigidez do tecido.
  • Com esta prática, garantiremos que as articulações, cartilagens e meniscos sejam estimulados de maneira mais otimizada, o que serve para reduzir o risco de lesões.
  • Quanto à hipertrofia muscular – o ganho de massa muscular – estudos recentes mostraram hipertrofia superior com o agachamento profundo em relação ao agachamento tradicional.
Agachamento profundo com peso
  • Também é favorável para a estabilização lombo-pélvica, algo fundamental quando se trata de prevenir lesões tão incômodas quanto a temida pubalgia.
  • Alívio da dor: em pessoas com uma lordose importante em sua região lombo-sacral, que produz uma dor que pode ser muito intensa, ao fazer o agachamento profundo a pelve gira para trás, o que permite que a coluna se alongue e os incômodos diminuam.

Com todas essas informações, podemos erradicar os mitos sobre o agachamento profundo. Não devemos ter medo de nos lesionar com a prática deles, mas pelo contrário. Por que não começar a praticá-lo como parte de sua rotina de exercícios?

!function (f, b, e, v, n, t, s) {
if (f.fbq) return;
n = f.fbq = function () {
n.callMethod ?
n.callMethod.apply(n, arguments) : n.queue.push(arguments)
};
if (!f._fbq) f._fbq = n;
n.push = n;
n.loaded = !0;
n.version = ‘2.0’;
n.queue = [];
t = b.createElement(e);
t.async = !0;
t.src = v;
s = b.getElementsByTagName(e)[0];
s.parentNode.insertBefore(t, s)
}(window, document, ‘script’,
‘https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);
fbq(‘init’, ‘1677839712495774’);
fbq(‘track’, ‘PageView’);
fbq(“trackCustom”, “ViewMSContent”, {content_cat7: basePageAttr.category, content_tags: basePageAttr.tags})

Fonte: R7

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: