fbpx

Ainda não há quem pague R$ 317 milhões por Brenner – Esportes


São Paulo, Brasil


22 gols.


Artilheiro do Brasil em 2020.


20 anos.


Atacante do time líder do Campeonato Brasileiro.


Semifinalista da Copa do Brasil.


Multa rescisória de 50 milhões de euros, cerca R$ 317 milhões.


Está em processo final para tirar o passaporte italiano.


A expectativa é que deveria haver uma fila de clubes europeus interessado em Brenner.


Mas não é esta a realidade.



Lógico que está sendo observado por empresários que negociam jogadores sul-americanos com a Europa. O conceituado site italiano Calciomercato garantiu que, durante o ano, Paris Saint-Germain, Milan, Lazio, Juventus, Arsenal e Ajax levantaram informações sobre o atacante.


Só que há dois fatores que têm trabalhado contra a empolgação sobre o jogador.


O primeiro é o terrível ano de 2020, que afetou em cheio as finanças das grandes equipes europeias.


E o segunda é a instabilidade na carreira de Brenner.



Ele foi promovido aos profissionais, em 2017, por Rogério Ceni. Foi mal. Disputou apenas quatro partidas, fez um gol.


E acabou voltando para atuar na base.


Em 2018, fez 19 jogos, apenas três gols.


Queria ter a chance de ser titular em outro clube.


Foi para o Fluminense, em 2018.


Um desastre.


Reserva absoluto, entrou em seis jogos, não marcou um gol.


Voltou para o São Paulo este ano.


E muito mais envolvido nos treinamentos, mais solidário, mais forte fisicamente, mais rápido está conseguindo sua melhor temporada.


Os grandes europeus levam em conta toda a carreira profissional de qualquer jogador, antes de comprometer muito dinheiro em uma transação.



O inseguro presidente Leco, cujo mandato termina neste mês, foi o pior presidente da história do clube. Não conseguiu um título em cinco anos. Jamais um dirigente tinha deixado esse legado no Morumbi. E também conseguiu enterrar o clube financeiramente.


As dívidas passariam dos R$ 570 milhões, de acordo com conselheiros importantes no clube, como Jaime Franco.


E na projeção de 2021, há a projeção da obrigação de vendas de jogadores. 


O clube precisa, no mínimo, chegar a R$ 160 milhões para amenizar seus problemas. Contando, lógico, com o fim da pandemia e a volta dos torcedores aos estádios.


E o novo presidente Julio Casares, sabe que Brenner é o principal trunfo para levantar dinheiro.


O dirigente espera o São Paulo campeão do Brasileiro ou da Copa do Brasil. O que valorizaria ainda mais o atacante.



O contrato de Brenner termina em dezembro de 2022.


Casares estuda prorrogar o vínculo até 2024, por exemplo, aumentando a multa do artilheiro.


Porque sabe que, se o atacante seguir tão efetivo, não terá como segurá-lo.


Por enquanto, o planejamento é que Brenner fique até junho de 2021.


E que seja vendido na reabertura da principal janela europeia, no meio do ano.


A pandemia alterou as datas de transferências no Brasil, em 2021.


A primeira, do dia 1º de março a 23 de maio.


E a segunda, de 1º a 30 de agosto.


Brenner e seus empresários seguem tranquilos.


Focados neste final de Brasileiro e Copa do Brasil.


E, com discrição, no passaporte italiano.



Sabem que o jogador precisa se mostrar realidade.


Não só outro atacante de apenas uma grande temporada.


Casares, ao contrário do inseguro Leco, está calmo.


Não há pressa para vender o atacante.


Aposta que Brenner se valorizará ainda mais em 2021…


Fred se aproxima do top 3 da artilharia da história do Brasileirão


Fonte: R7

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais