fbpx

Astronautas voltam à Terra após seis meses na Estação Espacial Internacional

Três membros da tripulação da Estação Espacial Internacional – dois cosmonautas russos e uma astronauta americana da Nasa – voltaram à Terra neste sábado, 17, na espaçonave russa Soyuz, de acordo com a agência Roscosmos. A microbiologista Kate Rubins e os russos Sergei Ryzhikov e Sergei Kud-Sverchkov aterrissaram às 4h55 a cerca de 150 quilômetros ao sudeste da cidade de Zhezkazgan, no Cazaquistão, após viagem na Soyuz MS-17.

Eles estavam na estação espacial desde meados de outubro de 2020. Foram 185 dias no espaço. Kate Rubins, de 42 anos, e o ex-piloto militar Ryzhikov, de 46, realizaram sua segunda missão no espaço. Já estiveram na ISS em julho e outubro de 2016, respectivamente. Kud-Sverchkov, de 38, outro ex-piloto militar fez sua primeira missão espacial. A americana foi a primeira pessoa a sequenciar DNA no espaço, em 2016.

As redes sociais da Nasa, a agência espacial americana, registraram o momento em que Rubins cumprimentou os colegas após a aterrissagem ao respirar o ar da Terra após seis meses. Por conta do longo período no espaço, ela precisou ser carregada pelos companheiros.

Após os exames médicos, a tripulação vai se separar. Rubins volta para sua casa em Houston, enquanto os cosmonautas voam para sua base de treinamento em Star City, Rússia.

No final do mês, mais quatro astronautas, da Nasa e Agência Espacial Europeia, devem se juntar à tripulação da Estação Espacial Internacional. São eles os astronautas da Nasa Shane Kimbrough e Megan McArthur, o japonês Akihiko Hoshide e o francês Thomas Pesquet, que devem chegar à ISS na próxima sexta-feira para iniciar uma nova pesquisa de longa duração no espaço.

Em novembro de 2020, a Estação Espacial Internacional completou 20 anos com presença humana contínua. As pesquisas permitem a preparação para missões na Lua e em Marte. Até o momento, 243 pessoas de 19 países visitaram o laboratório orbital.

Volta à Lua

A missão encerrrada neste sábado foi o último voo russo transportando um membro da tripulação americana, o que marca o fim de uma longa dependência do país da América do Norte. A Nasa selecionou nesta sexta-feira, 16, a SpaceX para levar os primeiros astronautas americanos à Lua desde 1972. A empresa de Elon Musk venceu a concorrência com a Blue Origin, de Jeff Bezos, e a empreiteira de defesa Dynetics, assinando um contrato de US$ 2,9 bilhões e se tornando a única fornecedora da agência para o desenvolvimento de pouso integrado.

O acordo entre a Nasa e a SpaceX inclui o protótipo da nave espacial Starship, que está sendo testado em instalações no sul do Texas pela empresa de Musk. No ano passado, a SpaceX se tornou a primeira empresa privada a enviar com sucesso uma tripulação à Estação Espacial Internacional, restabelecendo a capacidade norte-americana de realizar o feito pela primeira vez desde o fim do programa de ônibus espaciais.

A humanidade pôs os pés na Lua pela última vez em 1972, durante o programa Apollo. A Nasa quer retornar e estabelecer uma presença sustentável, com uma estação espacial lunar, para testar novas tecnologias que abram o caminho para uma missão tripulada a Marte.

Veja também:

Como era ser uma criança negra na Alemanha pós-guerra

  • separator

Fonte: Terra

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais