fbpx

Avaliação: Citroën C4 Cactus THP ainda empolga ao volante

Foto: Roberto Assunção

Atualmente, o Citroën C4 Cactus é o único carro do fabricante à venda em nosso mercado após a saída do C3, do Aircross e do C4 Lounge. O SUV custa entre R$ 89.990 e R$ 127.990 nesta versão topo de linha 1.6 THP Pack Automático. Este último, tem um valor inicial maior frente a dos rivais Nissan Kicks 1.6 Exclusive (R$ 119.890), Chevrolet Tracker 1.0 turbo Premier (R$ 122.730) e posicionado abaixo do Volkswagen T-Cross Highline 250 TSI (R$ 136.890) e do Jeep Renegade 1.8 Limited (R$ 133.798).

+ Rodízio noturno de SP terá novo horário a partir de segunda (10)
+ Citroën C5 X é apresentado e mescla sedã, perua e SUV
+ Câmara aprova projeto que prevê pagamento proporcional em pedágios
+ Carros autônomos: conheça os seis níveis de automação

Mesmo assim, o Citroën C4 Cactus oferta bons atributos. Além do visual “diferentão”, o grande atrativo está sob o capô trazendo o motor 1.6 16V THP atrelado ao câmbio automático de seis marchas. Estão disponíveis empolgantes 173 cv de potência e 24,5 kgfm de torque (etanol). Isso somado a relação peso-potência de 7 kg/cv permite ir da imobilidade aos 100 km/h em breves 7,3 segundos.

O comportamento nos baixos e nos médios giros arranca sorrisos pela capacidade de acelerar. Embora a proposta não seja de transmitir esportividade. as respostas ao pedal do acelerador são rápidas e o desempenho cooperado pelo trabalho da caixa automática. As trocas sequenciais podem ser realizadas apenas pela alavanca e não há as borboletas atrás do volante. 

Estão disponíveis os modos de condução ECO e Sport. O primeiro deixa o SUV mais moroso em prol da eficiência, enquanto o Sport as marchas são passadas em regime mais alto para aproveitar o fôlego do bloco THP (sigla para Turbo High Pressure).

Nas situações de “pé embaixo” o carro puxa para os lados e a frente mostra a tendência de subir, como ocorre no Peugeot 2008 THP ou no antigo 208 GT. A direção é leve ao esterço em baixas velocidades, além do raio de giro de 11,2 m ajudar na hora de manobrar em locais apertados.

As suspensões filtram e absorvem as irregularidades do piso de forma agradável e são macias, porém, não ao ponto de deixar a carroceria rolar além da contra. O desenho das rodas de 17″ deixam aparentes os freios a discos nas quatro rodas. Eles são uma exclusividade desta opção – as demais utilizam tambores no eixo traseiro. Os ângulos de entrada de 22º, de saída (32º) junto da altura em relação ao solo de 22,5 cm possibilitam transpor lombadas ou valetas sem dificuldades.

Cabine minimalista
Citroën C4 Cactus
A cabine do Citroën C4 Cactus é minimalista (Foto: Roberto Assunção)

Feito sobre a plataforma PSA PF1, a mesma dos Citroën C3 e Aircoss, do antigo Peugeot 208 e 2008 (vendido a partir de R$ 118.900), só para citar, o acabamento interno do Citroën C4 Cactus é bom e o habitáculo minimalista. Os plásticos empregados são duros, mas de boa qualidade ao passo que os bancos revestidos em couro exibem um detalhe em tecido, que se repete no painel do lado do carona.

A ergonomia traz a coluna de direção regulável em altura/profundidade, enquanto o quadro de instrumentos é digital e o multimídia de 7” possui conectividade Android Auto/Apple CarPlay. Aliás, pela mesma tela é possível ajustar o ar-condicionado.

Uma crítica vai para os assentos frontais curtos, que acabam cansando em trajetos mais longos e não acomodam muito bem as pernas. Além disso, o controlador de velocidade é manuseado por um antiquado comando satélite. 

Uma diferença do nosso Citroën C4 Cactus para o comercializado na Europa aparece nos vidros traseiros, que ao invés de serem basculantes descem de maneira convencional.

As dimensões de 4,170 m de comprimento e 2,600 m de entre-eixos são similares a do Nissan Kicks (4,310 m e 2,610 m), do Chevrolet Tracker (4,270 m e 2,570 m), do Volkswagen T-Cross (4,199 m e 2,651 m) e do Jeep Renegade (4,232 m e 2,570 m).

Já o porta-malas do Citroën C4 Cactus é de 320 litros (mesma capacidade do oponente da Jeep) e é menor comparado aos SUVs da Nissan (432), da Chevrolet (393), da Volkswagen (373) – o compartimento de bagagens do “irmão” Peugeot 2008 é de 355 litros.

Grip Control e segurança
Citroën C4 Cactus
Foto: Roberto Assunção

Embora não seja um 4×4, pois a tração é dianteira o Citroën C4 Cactus oferta o Grip Control. O sistema debutou no Peugeot 2008 THP e possui os programas padrão, lama, areia, terra e ESP Off. Ele atua nos parâmetros do motor/transmissão e dos controles eletrônicos de tração/estabilidade para vencer eventuais adversidades.

Em segurança, esta opção do Citroën C4 Cactus possui um pacote bem completo. Entre os itens, destaque para o sistema de frenagem automática, os alertas de colisão, de saída involuntária de faixa e de atenção do condutor, além dos seis airbags (frontais, laterais e de cortina) e o indicador de descanso do condutor.

Verdade é que o Citroën C4 Cactus não é mais tão novidade assim, porém, ele seduz quem deseja uma boa dose de desempenho. Se você deseja um carro rápido no gatilho ele é uma alternativa acertada.


Ficha Técnica

Citroën C4 Cactus Shine 1.6 THP Pack Automático
Preço básico: R$ 89.990 (versão Live Auto AT)
Carro avaliado: R$ 130.790 
Citroën C4 Cactus Shine 1.6 THP Pack Automático
Motor: quatro cilindros em linha 1.6, 16V, turbo, injeção direta
Cilindrada: 1598 cm³
Combustível: flex
Potência: 166 cv a 6.000 rpm (g) e 173 cv a 6.000 rpm (e)
Torque: 24,5 kgfm a 1.400 rpm (g/e)
Câmbio: automático sequencial, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,170 m (c), 1,714 m (l), 1,563 m (a)
Entre-eixos: 2,600 m
Pneus: 205/55 R17
Porta-malas: 320 litros
Tanque: 55 litros
Peso: 1.617 kg
0-100 km/h: 7s5 (g) e 7s3 (e)
Velocidade máxima: 212 km/h (g/e)
Consumo cidade: 10,4 km/l (g) e 7,2 km/l (e)
Consumo estrada: 12,6 km/l (g) e 8,9 km/l (e)
Emissão de CO²: 119 g/km
Nota do Inmetro: C
Classificação na categoria: C (Utilitário Esportivo Compacto)

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ MasterChef: Fogaça compara prato com comida de cachorro
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Baleia jubarte quase engole duas mulheres em caiaque; veja o vídeo
+ Conheça o phloeodes diabolicus “o besouro indestrutível”
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel

!function(f,b,e,v,n,t,s)
{if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod?
n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};
if(!f._fbq)f._fbq=n;n.push=n;n.loaded=!0;n.version=’2.0′;
n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];
s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window, document,’script’,
‘https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);
fbq(‘init’, ‘2641197072803735’);
fbq(‘track’, ‘PageView’);
(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js#xfbml=1&version=v2.9&appId=205286206664408”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Fonte: Motorshow

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais