fbpx

Avaliação: já aceleramos o incrível Jeep Renegade híbrido 4xe, que faz 45 km/l (mas será viável no Brasil?)

O Jeep Renegade híbrido, na verdade batizado Renegade 4xe (quatro por e), acaba de ser lançado na Europa. E nossa parceira, a Quattroruote, já fez um primeiro teste, na Itália, do modelo que faz médias de incríveis 45 km/l e pode rodar mais de 40 km sem gastar uma única gota de combustível.

Mas um Jeep que se liga na tomada? Estranho. Porque, desde o início do mundo, os veículos off-road estão intimamente ligados à mecânica. Motores térmicos com torque avassalador, diferenciais bloqueáveis, marchas reduzidas: praticamente tudo que você precisa para passar sem dificuldade pelas situações mais difíceis.

Jeep Renegade híbrido 4xe

E você não acreditaria que, a bordo de um Jeep Renegade híbrido recarregável, obstáculos como os espalhados no percurso off-road do campo de provas da FCA em Balocco, Itália, poderiam ser superados. Pelo contrário: quando as coisas se complicam, o Renegade 4xe Trailhawk não demonstra que pesa 200 kg a mais do que o 2.0 Multijet vendido atualmente no Brasil. 

+Toyota Corolla Cross e mais 40 SUVs que chegam no próximo ano
+Avaliação: vale a pena pagar quase R$ 80.000 na Fiat Strada Volcano?
+Comparativo: Volkswagen T-Cross x Chevrolet Tracker

+Juntos, VW Gol e Polo batem dupla Chevrolet Onix e Joy e ajudam a manter a Volkswagen na liderança

O Jeep Renegade híbrido escala quase qualquer lugar, passa por alagamentos (no máximo com 40 cm de profundidade) e é capaz de enfrentar enormes desafios mostrando a mesma naturalidade do seu irmão a diesel.

INTEGRAL À SUA MANEIRA

O sistema do Jeep Renegade híbrido, compartilhado com o Compass 4xe, consiste em um motor-gerador que dá partida no motor térmico – o motor turbo a gasolina FireFly de quatro cilindros e 180 cv  com distribuição MultiAir, que movimenta as rodas dianteiras –, dá uma mão na aceleração e ainda ajuda a recarregar a bateria.

 Sob o assoalho da parte do porta-malas do Jeep Renegade híbrido, há também uma unidade elétrica de 44 kW (60 cv) (da GKN) com diferencial integrado, que transfere o movimento para o eixo traseiro. Desta forma, é possível ajustar o torque traseiro com grande precisão: uma ajuda importante para superar as partes mais difíceis da pista.

A bateria de íons de lítio de 11,4 kWh é dividida em duas partes: uma ocupa o lugar tradicionalmente reservado para o eixo de transmissão, que não é necessário aqui, e a outra é colocada sob o assento traseiro. Esta configuração única, no entanto, rouba quase 19 litros do tanque e cerca de vinte litros da capacidade do porta-malas.

MUDANDO O CARÁTER

Três modos de condução podem ser selecionados a partir dos botões no painel: ao partir, o Jeep Renegade híbrido, ou 4xe, é ajustado como Hybrid, com os motores sendo gerenciados com total autonomia.

Ao apertar o botão elétrico, por outro lado, o SUV esquece o quatro cilindros e viaja apenas com a energia da bateria, andando a até 130 km/h,  e por um máximo de cerca de 40 km.

A terceira possibilidade chama-se E-Save, e é útil se, depois de uma longa viagem, você que fazer um percurso urbano: pode optar por rodar só com gasolina, “congelando” assim o nível de carga da bateria, ou reabastecer o acumulador até 80% de sua capacidade, usando a térmica como gerador (exatamente como faz o Volvo XC40 híbrido; leia aqui).

Jeep Renegade híbrido 4xe

Finalmente, há um quarto modo de condução, esse sem precedentes, selecionável pelo botão Selec-Terrain: o Sport, que aumenta a carga na direção e torna a resposta do trem de força ainda mais robusta.

Nada revolucionário no cenário de plug-ins, porém. A beleza, no entanto, é que, apesar da abundância de configurações e da possibilidade de escolher entre dois níveis de carregamento regenerativo na frenagem, o Jeep Renegade 4xe não mostra nenhum tipo de deficiência: parece muito com um Renegade movido a gasolina com transmissão automática de dupla embreagem (o 1.3 turbo europeu, não nosso arcaico 1.8).

Se o  motorista quiser, pode sentir todos os 240 cv de potência disponíveis: a mecânica híbrida responde de forma brilhante às demandas do motorista, acelerando de 0-100 em 7s1, embora com um certo ronco do quatro cilindros em aceleração total. Além disso, o acabamento e a direção mantêm um sabor turístico, do qual não dá para reclamar.

Até porque o Renegade híbrido é muito atraente, também por outras qualidades. Um exemplo? O consumo médio (declarado) é de mais de 45 km/l. Para chegar perto desses resultados, entretanto, a bateria deve ser recarregada com frequência.

Voltando à direção, fui convencido pela modulação da frenagem, clássico calcanhar de Aquiles dos híbridos: neste Jeep, você pode dosar a força no pedal com muita precisão. A transmissão automática de seis marchas, por sua vez, poderia ser mais suave em ação, mesmo que, no geral, não cometa erros gritantes quando chamada a escolher marchas. E, no modo manual ele se defende, apesar da ausência dos remos você não joga a seu favor.

O advento da eletrificação, que se espalhará por toda a linha da marca dentro de alguns anos, não trouxe mudança significativa para o Renegade do ponto de vista estético. A marca se limitou a dar a ele leves toques azuis nos logotipos 4xe, nos emblemas da Jeep e nas inscrições com o nome do modelo, localizados na parte inferior das portas dianteiras.

ENCONTRE AS DIFERENÇAS

O Jeep Renegade 4xe não tem grandes mudanças no habitáculo: as formas do painel continuam as mesmas de sempre (e o peso dos anos, para ser sincero, começa a ser sentido), bem como o espaço, adequado para quatro pessoas. 

Jeep Renegade híbrido 4xe

Atrás do volante, porém, aparece uma nova instrumentação, com um inédito display colorido de 7″, cheio de informações. Além do sistema multimídia Uconnect, com Android Auto e Apple CarPlay apenas via cabo, há uma série de menus relativos ao funcionamento do sistema híbrido e à gestão de energia, que podem ser visualizados de forma bastante clara no tela tátil de 8,4 polegadas.

Na Europa, o Jeep Renegade híbrido tem ajudas eletrônicas de segurança como o sistema que detecta o cansaço do motorista, que estreia agora na linha Jeep. Por fim, uma nota sobre o local de produção: tal como o Compass 4xe, este Renegade nasceu nas linhas da fábrica de Melfi, que foi recentemente remodelada.

NO BRASIL?

É de lá que ele deve vir, importado para o Brasil, ainda este ano ou no próximo. Preço? Na Europa, este Trailhawk 4xe avaliado, com incentivos do governo, custa menos de 10% a mais que a mesma versão a diesel – são € 41.500, o que, em conversão direta, dá assustadores R$ 260.000.

Resultado da desvalorização do real. Um Trailhawk a diesel, que aqui custa R$ 158.290, enquanto lá sai pelo equivalente a R$ 236 mil. Ou seja: ou a marca vai perder dinheiro, ou terá que produzir o modelo aqui, ou desistir de sua importação. Se conseguissem, como na Itália, ter um preço 10% acima do modelo Trailhawk a diesel, poderia partir de R$ 180 mil — um valor que dá para considerar. Mas nem é preciso dizer vender o Jeep Renegade híbrido aqui por R$ 260 mil seria totalmente inviável.

FICHA TÉCNICA – JEEP RENEGADE HÍBRIDO (4xe)

Preço (Trailhawk): € 41.500
Motor: 4 cilindros em linha 1.3, 16V, turbo, injeção direta, comando variável com comando hidráulico (MultiAir) + elétrico síncrono
Cilindrada: 1332 cm3
Combustível: gasolina + baterias
Potência: 180 cv a 5.750 rpm + 60 cv = 240 cv
Torque: 27,7 kgfm a 1.850 rpm = 25,5 kgfm
Câmbio: automático, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensão: MacPherson (d/t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: integral elétrica
Dimensões: 4,232 m (c), 1,805 m (l), 1,714 m (a)
Entre-eixos: 2,570 m
Pneus: 215/60 R17
Porta-malas: 253 litros
Tanque: 41 litros
Peso: 1.770 kg
0-100 km/h: 7s1
Velocidade máxima: 199 km/h
Consumo médio: 45,5 km/l

Veja também

+ A biblioteca básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Homem compra Lamborghini após fraude em auxílio emergencial

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar

!function(f,b,e,v,n,t,s)
{if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod?
n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};
if(!f._fbq)f._fbq=n;n.push=n;n.loaded=!0;n.version=’2.0′;
n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];
s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window, document,’script’,
‘https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);
fbq(‘init’, ‘2641197072803735’);
fbq(‘track’, ‘PageView’);
(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js#xfbml=1&version=v2.9&appId=205286206664408”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Fonte: Motorshow

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!