fbpx

Bacia Platina: onde fica, principais rios e hidrelétricas

Uma bacia hidrográfica é uma área formada por um rio principal e seus afluentes e subafluentes. A bacia hidrográfica é limitada pelo relevo a partir dos locais chamadas de divisores de águas.

A Bacia Platina é uma das bacias hidrográficas brasileiras, formada pelas bacias dos rios Paraná, Paraguai e Uruguai. Estes rios nascem em território brasileiro e banham os países platinos – Paraguai, Uruguai e Argentina.

A Bacia Platina é o segundo maior conjunto fluvial da América do Sul, ficando atrás apenas da Bacia Amazônia. É também um dos maiores do mundo. Essa bacia hidrográfica ocupa cerca de 20% do território sul-americano.

Mapa da Bacia Platina

Mapa da Bacia Platina (Imagem: Reprodução | Wikimedia Commons)

Os rios da Bacia Platina são importantes recursos para navegação, onde se encontram hidrovias como a do Tietê-Paraná. São também destaque pela produção energética, especialmente pela presença da Usina Hidrelétrica de Itaipu.

Características da Bacia Platina

A Bacia Platina é uma das bacias hidrográficas brasileiras. Esta bacia hidrográfica é drenada pelos rios Paraná, Paraguai e Uruguai. É uma das maiores bacias hidrográficas do mundo, e a segunda maior da América do Sul.

A Bacia Platina tem mais de 2,5 milhões de km² de extensão, ocupando uma área de cerca de 20% de toda a América do Sul. A Bacia Platina está presente no território brasileiro, mas também na Argentina, Paraguai e Uruguai.

Estes últimos três são chamados de “países platinos” ou “América Platina”. Além disso, a Bacia Platina compreende uma pequena parte da Bolívia, a qual não é considerada como um país platino, mas sim “andino”, pois fica na região da Cordilheira dos Andes.

Rio da PrataRio da Prata

Foz do Rio da Prata em estuário (Imagem: Reprodução | Wikimedia Commons)

Todos os rios que formam a Bacia Platina nascem em território brasileiro. As águas deste conjunto fluvial deságuam no Oceano Atlântico, mais precisamente em um local chamado “Estuário do Prata”, junto das cidades de Buenos Aires (Argentina) e Montevidéu (Uruguai).

Esta bacia hidrográfica é chamada de Bacia Platina pelo fato de que suas águas se direcionam ao Estuário do Prata. Um estuário é um ambiente de transição entre as águas dos rios e o mar, ou seja, é onde o rio acaba se fundindo com o mar. É a sua foz.

Uma foz de um rio pode ser normalmente em delta ou estuário. No Brasil predomina a foz em estuário, que é quando há apenas um canal de drenagem ligando o rio ao mar. A foz em delta é quando há deposição de detritos, formando vários canais.

A Bacia Platina tem uma importância muito grande para os países da região, servindo como meio de deslocamento através das hidrovias, mas também destacando-se na produção energética, com presença de pequenas hidrelétricas e também a gigante Itaipu.

Localização

A Bacia Platina se estende pelos territórios do Brasil, Uruguai, Bolívia, Paraguai e Argentina. Ela está, portanto, localizada na América do Sul.

Brasil e Bolívia não são considerados como parte da América Platina, região da América do Sul constituída apenas por Argentina, Paraguai e Uruguai. Estes países fazem fronteira com o estado do Rio Grande do Sul, no Brasil. São também banhados pelos rios formadores da Bacia do Rio Prata – Paraná, Paraguai e Uruguai.

Principal rio da Bacia Platina

Tríplice FronteiraTríplice Fronteira

O rio Paraná forma a Tríplice Fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina (Foto: Reprodução | Wikimedia Commons)

São rios importantes da Bacia Platina: Paraná, Uruguai, Paraguai, Iguaçu, Tietê, Paranapanema, Grande, Paranaíba, Taquari, Sepotuba. Destes rios, o de maior destaque é o rio Paraná, segundo maior da América do Sul, ficando atrás apenas do Amazonas.

O rio Paraná nasce da confluência entre os rios Grande e rio Paranaíba, os quais são muito importantes para o território brasileiro. Seu comprimento é de cerca de 4.880 km. Seu percurso em direção ao sul, forma a divisa natural entre os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, e do Mato Grosso do Sul com o Paraná.

Ele representa ainda a fronteira entre Brasil e Paraguai até chegar ao rio Iguaçu, onde formam a Tríplice Fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

A partir da foz do rio Iguaçu, o rio Paraná passa a ser o limite natural entre Argentina e Paraguai. Ao encontrar com o rio Paraguai, passa a banhar exclusivamente terras argentinas, desaguando no chamado rio da Prata, de onde se origina o nome da bacia hidrográfica Platina.

Com as águas do rio Uruguai, forma uma das maiores bacias hidrográficas do mundo, a Bacia do Prata. O rio Paraná é fonte de recursos pesqueiros. Parte de seu leito é navegável, como entre os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, e também entre o Paraguai e a Argentina.

Bacias que formam a Bacia Platina

São três as bacias hidrográficas que constituem a Bacia Platina:

Bacia do rio Paraná

O principal rio desta bacia é o rio Paraná. A maior extensão dela se encontra na região Sudeste do Brasil. Existem muitas usinas hidrelétricas em suas águas, como a Itaipu, Furnas, Porto Primavera e Marimbondo.

Há também várias centrais hidrelétricas menores instaladas. Dentre as bacias hidrelétricas brasileiras, é a que tem a maior produção energética. Os relevos planálticos acidentados são a base para o bom aproveitamento hidrelétrico.

Bacia do rio Paraguai

Tem como rio principal o rio Paraguai. Sua formação é típica de relevo com planícies. Sua maior extensão está no chamado Complexo do Pantanal. O Pantanal funciona como grande reservatório de águas, regularizando a vazão do rio Paraguai.

Seu principal rio nasce no Brasil, mas a bacia drena os territórios da Argentina, da Bolívia e do Paraguai. No Brasil, suas águas destacam-se no Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Bacia do rio Uruguai

O rio principal desta bacia é o rio Uruguai. Passa por áreas de planalto e relativamente planas. Nasce da confluência dos rios Canoas e Pelotas, e é limite natural entre Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Marca parte da fronteira entre Brasil e Argentina, e toda fronteira entre Argentina e Uruguai. Seu curso é amplamente utilizado para produção energética. Juntamente com as bacias do Paraná e do Paraguai forma a Bacia do Prata.

Maior bacia

Dentre as bacias hidrográficas que formam a Bacia Platina a maior é a Bacia Hidrográfica do Paraná. Esta bacia tem uma área de 2.583.000 km², abrangendo os estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e o Distrito Federal.

É esta bacia hidrográfica que abastece o reservatório da Itaipu Binacional, constituindo a maior capacidade instalada de energia elétrica do Brasil.

Os principais afluentes da Bacia do Paraná são os rios Grande, Paranaíba, Tietê, Paranapanema e Iguaçu.

Como esta bacia hidrográfica abrange áreas muito urbanizadas e industrializadas do país, acaba sofrendo uma maior pressão sobre seus recursos naturais.

Originalmente as áreas abrangidas pela Bacia do Paraná apresentavam os biomas da Mata Atlântica e Cerrado, constituídos a partir das coberturas vegetais do Cerrado, da Mata Atlântica, Mata de Araucária, Floresta Estacional Decídua e Floresta Estacional Semidecidual.

No entanto, estas áreas já estão amplamente devastadas, restando muito pouco da cobertura original.

Nascente do rio da Prata

Embora seja comumente chamado de rio, o Prata é um estuário. Ou seja, é onde o rio encontra com o mar. É a foz de um rio. O Prata é o estuário dos rios Paraná e Uruguai. É o local onde estes rios deságuam no oceano Atlântico. Como é uma foz em estuário, significa que há apenas um canal de desague no oceano.

É neste estuário que estão duas importantes cidades da América do Sul, Montevidéu e Buenos Aires. Enquanto Montevidéu (capital do Uruguai) está localizada na margem norte do rio da Prata. Buenos Aires (capital da Argentina) está localizada na costa sudoeste do estuário.

  • A nascente do rio Paraná fica na confluência entre os rios Paranaíba e rio Grande, especificamente na região que forma a divisa entre os estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.
  • A nascente do rio Uruguai fica na Serra Geral, originada a partir dos rios Canoas e Pelotas, na divisa entre os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina.

Estes dois rios desembocam no estuário do Prata, quando encontram o Oceano Atlântico.

Hidrelétricas na Bacia Platina

Usina de ItaipuUsina de Itaipu

A Usina Hidrelétrica de Itaipu é a maior do Brasil e fica situada no rio Paraná (Foto: Freepik)

Os rios da Bacia Platina são utilizados para produção energética. Algumas das mais importantes usinas hidrelétricas localizadas nos rios da Bacia Platina são:

  • Bacia do Paraná: Usina Hidrelétrica Binacional de Itaipu, Usina Hidrelétrica Porto Primavera, Usina Hidrelétrica de Barra Bonita e Usina Hidrelétrica de Furnas.
  • Bacia do Paraguai: Usina Hidrelétrica de Manso, Usina Hidrelétrica Ponte De Pedra, Usina Hidrelétrica Jauru.
  • Bacia do Uruguai: Usina Hidrelétrica de Itá, Usina Hidrelétrica de Machadinho, Usina Hidrelétrica Foz do Chapecó, Usina Hidrelétrica Binacional de Salto Grande.

A maior usina do Brasil está no rio Paraná, que é a Usina Hidrelétrica de Itaipu. São comuns as Pequena Central Hidrelétrica (PCH) nas três bacias hidrográficas, as quais conseguem um bom aproveitamento das potencialidades locais dos cursos de água.

Problemas ambientais da Bacia Platina

ItaipuItaipu

A construção da Usina Hidrelétrica de Itaipu causou degradação ambiental e social (Foto: Wikimedia Commons)

Todas as bacias hidrográficas brasileiras apresentam problemas próprios que derivam de sua ocupação e atividades humanas desenvolvidas nela.

No final da década de 1960 foi criado o Comitê Intergovernamental da Bacia do Prata, o qual é composto por cinco países: Brasil, Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai.

Este tem a finalidade de discutir ações para cuidados com a Bacia Platina, já que as águas são interesse destes países.

A Bacia Platina tem problemas ambientais diversos, como:

  • Erosão: ocasionada principalmente pelas atividades agropecuárias. Há uma sedimentação dos reservatórios, destruição dos solos, desflorestamento. A expansão da fronteira agrícola e suas consequências levam a alterações dos sistemas aquáticos.
  • Contaminação e poluição: as atividades humanas contaminam os cursos de água, bem como os solos da Bacia Platina. Especialmente o uso de agrotóxicos leva contaminação para estes recursos naturais, alterando os ecossistemas. A urbanização também intensificou a poluição, causando falta de oxigenação nas águas e diminuindo as espécies aquáticas.
  • Construção das usinas hidrelétricas: ocasionam problemas nas áreas que são alagadas, como a perda da biodiversidade local, derrubada de árvores, alteração no curso dos rios. Além das atividades humanas do campo que causam degradação na Bacia Platina, a intensa urbanização e industrialização também são causadoras de impactos ambientais. São os vários tipos de poluição, a substituição dos solos por concreto, o uso inadequado dos recursos naturais.

Os problemas na Bacia Platina causam consequências para qualidade de vida da população. Os problemas ambientais também são sociais.

Um dos exemplos mais expressivos de degradação ambiental na Bacia Platina foi a construção da Itaipu, quando muitas pessoas foram expropriadas de suas terras, houve um grande alagamento de áreas onde havia cobertura vegetal original, grande perda de espécies de plantas e animais.

Bacia Hidrográfica e Região Hidrográfica

Exemplo de um centro de dispersor de águas

Uma bacia hidrográfica é uma área formada por um rio principal, seus afluentes e subafluentes. As bacias hidrográficas são limitadas pelo relevo, sendo que um ponto mais elevado em altitude atua como divisor de águas.

Por exemplo: uma serra divide as águas entre aquelas que correm para o interior e aquelas que correm para o litoral. São reconhecidas como principais bacias hidrográficas brasileiras: Amazônica, Tocantins-Araguaia, Parnaíba, Paraná, Paraguai, Uruguai e São Francisco.

Há ainda bacias menores em extensão e vazão, as quais foram classificadas em regiões hidrográficas.

São elas: Atlântico Nordeste Ocidental, Atlântico Nordeste Oriental, Atlântico Leste, Atlântico Sudeste e Atlântico Sul. Os grandes dispersores de águas do Brasil são o Planalto das Guianas (Norte), Planalto Brasileiro (Centro) e a Cordilheira dos Andes (Oeste).

Dica!
Para conhecer cada uma das 12 regiões hidrográficas brasileiras em detalhes, acesse o site da Agência Nacional de Águas (ANA).

Resumo do Conteúdo

Nesse texto você aprendeu que:

  • A Bacia Platina é formada pelas Bacias: do Paraná, do Paraguai e do Uruguai.
  • Os rios da Bacia Platina desembocam no Oceano Atlântico através do estuário do Prata.
  • Os principais rios da Bacia Platina nascem no território brasileiro, que são o Paraná, Paraguai e Uruguai.
  • Os rios da Bacia Platina apresentam grande potencial de produção energética.
  • Há hidrovias nos rios da Bacia Platina, e as eclusas ajudam no deslocamento pelos rios.
  • A Bacia Platina é a segunda maior bacia hidrográfica do Brasil, ficando apenas atrás da Amazônica.
  • A Bacia Platina é também chamada de Bacia do Rio da Prata, por conta do estuário do Prata.

Exercícios resolvidos

1- Qual a maior bacia hidrográfica da Bacia Platina?

R: A Bacia do Paraná.

2- Qual o maior rio da Bacia Platina?

R: O Rio Paraná.

3- Quais são os países platinos?

R: Paraguai, Uruguai e Argentina.

4- Os rios da Bacia Platina sofrem risco ambiental?

R: Sim, eles estão na região que apresenta o maior desenvolvimento econômico e a maior densidade demográfica do Brasil, que abrange a região Sudeste, Centro-Oeste e Sul do país.

5- Cite os principais rios da Bacia Platina.

R: Rio Grande, Rio Iguaçu, Rio Paraguai, Rio Paraná, Rio Paranaíba, Rio Paranapanema, Rio Sepotuba, Rio Taquari, Rio Tietê e o Rio Uruguai.

Referências

» BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Cuidando da Bacia do Prata. Disponível em: https://mma.gov.br/informma/item/8709-cuidando-da-bacia-do-prata. Acesso em: 25 de novembro de 2019.

» LUCCI, Elian Alabi (Org.). Território e Sociedade no mundo globalizado. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

» SILVA, Angela Corrêa da (Org.). Geografia: contextos e redes. São Paulo: Moderna, 2013.

» VIEIRA, Bianca Carvalho. Ser protagonista: Geografia. 3 ed. São Paulo: Edições SM, 2016.

!function(f,b,e,v,n,t,s)
{if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod?
n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};
if(!f._fbq)f._fbq=n;n.push=n;n.loaded=!0;n.version=’2.0′;
n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];
s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window, document,’script’,
‘https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);
fbq(‘init’, ‘1694031694069354’);
fbq(‘track’, ‘PageView’);

Fonte: Terra Estudos

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!