fbpx

BlackRock teme por cultura corporativa com trabalho em casa

(Bloomberg) — O CEO da BlackRock, Larry Fink, disse que teme que trabalhar remotamente resulte em falta de produtividade e colaboração.

“A questão mais difícil para todos nós é a retenção de uma cultura”, disse Fink na quinta-feira durante uma conferência virtual organizada pela Morningstar. “Culturas não foram feitas para serem praticadas de maneira remota.”

Fink disse que, embora esteja orgulhoso do desempenho da empresa sediada em Nova York durante a pandemia de Covid-19, está preocupado com 400 novos contratados que ingressaram em julho, mas que nunca foram ao escritório.

A BlackRock, a maior gestora de ativos do mundo, disse no mês passado que iria permitir aos funcionários trabalharem remotamente durante o resto do ano.

Confira ainda:
• Participe do maior evento de fundos imobiliários do país, de 22 a 24 de setembro – online e gratuito

Embora algumas grandes empresas de Wall Street estejam tentando trazer seus funcionários de volta ao escritório, já há sinais de como isso pode ser desafiador. O JPMorgan Chase enviou alguns trabalhadores para casa esta semana depois que um funcionário de negociação de ações testou positivo para Covid-19.

O CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, disse esta semana que vê o trabalho remoto prolongado causando sérios danos sociais e econômicos.

“Voltar ao trabalho é uma coisa boa”, disse Dimon em um painel de discussão na terça-feira.

‘Momentos de descontração’

Nos escritórios da BlackRock em Nova York, São Francisco e Londres, o medo de usar o transporte público pode ser um “fator limitante” para fazer os funcionários voltarem ao trabalho, disse Fink. Quase um terço dos executivos seniores da empresa foi ao escritório na semana passada, e Fink pretende ir ao local pelo menos três dias por semana a partir de agora, disse ele.

Durante teleconferência com clientes em março, Fink disse que inicialmente estava cético quanto à sua capacidade de trabalhar em casa, mas achava que isso o tornava mais produtivo.

Agora, enquanto pensa sobre estratégia, Fink disse temer que grandes ideias e momentos descontraídos de conversas sejam perdidos, já que as empresas operam remotamente por meio de videoconferências.

Ainda assim, ele disse que não espera que todos os funcionários da BlackRock retornem ao escritório após o fim da pandemia.

“Na verdade, acredito que talvez 60 ou 70%”, disse ele, “e talvez façamos uma rotação de pessoas”.

Saiba tudo sobre a profissão mais promissora do próximos 10 anos: assista à série gratuita A Carreira do Futuro

The post BlackRock teme por cultura corporativa com trabalho em casa appeared first on InfoMoney.

Fonte: Infomoney

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!