fbpx

BofA revisa projeções e vê novo corte da Selic em outubro, levando juros para 1,75% em 2020

(Shutterstock)

SÃO PAULO – A sinalização de uma postura favorável à manutenção da taxa de juros baixa por um período prolongado, com menor preocupação com a inflação, conhecida no mercado como “dovish”, e apontada pelo Banco Central na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada nesta terça-feira (11), levou o Bank of America a revisar sua projeção para a Selic este ano.

O banco, que esperava uma manutenção da taxa em 2,00% ao ano, vê agora uma pausa nos cortes, até outubro, quando a autoridade monetária deverá, segundo os economistas do BofA, novamente cortar a Selic em 0,25 ponto percentual, para 1,75% a.a..

A avaliação, segundo os economistas David Beker e Ana Madeira, que assinam o relatório do BofA, é a de que o BC precisa de mais tempo para analisar os riscos fiscais antes de voltar a reduzir juros, priorizando, desta forma, cortes espaçados.

Com um cenário incerto de crescimento pela frente e inflação baixa, compatível com a meta, eles afirmam que cortes adicionais na taxa de juros vão depender do debate acerca do teto de gastos, que já está começando a “esquentar”.

Também em relatório divulgado nesta terça-feira (11), o UBS concorda com o BofA em relação a uma postura mais “dovish” e cautelosa do Banco Central nos próximos meses.

Leia também:
• SPX: “Em tempos de inundação de liquidez, é impossível saber o tamanho dos buracos”

Os economistas do banco suíço, Tony Volpon e Fabio Ramos, escrevem em relatório que, apesar da maior força do consumo e dos investimentos, o setor de serviços, que representa cerca de 60% da economia, continua muito deprimido.

Além disso, a redução “necessária” do apoio governamental no final do ano aumenta a incerteza sobre a velocidade da recuperação (o risco de “abismo fiscal”), dizem eles no documento, no qual afirmam ainda que a pressão desinflacionária provocada pela recessão de 2020 deve ter uma duração maior do que na recessão anterior do país, no intervalo entre 2014 e 2016.

Diante dos riscos que o BC sinalizou existirem em caso de reduções adicionais da Selic, como de instabilidade nos preços dos ativos, novos cortes devem ser precedidos pelos últimos dados econômicos, e podem ser espaçados ao longo do tempo, apontam os economistas do UBS.

Curso gratuito do InfoMoney ensina como lucrar na Bolsa fazendo operações que podem durar poucos minutos ou até segundos: inscreva-se!

Fonte: Infomoney

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!