Brasil não está disposto a se adequar à “urgência climática’ – Meio Ambiente



COP 25


arrow-options
Reprodução/Twitter Ricardo Salles

Participação brasileira na COP25 foi alvo de críticas,

A preocupação com mudanças ambientais está cada vez mais evidente em todo o planeta. Impulsionado principalmente pelo interesse de jovens na questão, os governantes são pressionados a tomar decisões que colaborem com a redução da emissão de carbono na atmosfera. É sob essa pressão que aconteceu a COP 25
, a conferência da ONU sobre o clima, em Madri, encerrada na sexta-feira 13. Entre as pautas mais importantes constaram atitudes para assegurar o artigo 6 do Acordo de Paris — ele determina que a partir de 2020 o aumento da temperatura média mundial não ultrapasse 2ºC em relação ao período da Revolução Industrial. Além disso, a obtenção de recursos para o Fundo Verde do Clima, que será aplicado para atenuar os efeitos da transformação ambiental em países em desenvolvimento, foi bastante debatida. A participação brasileira na conferência esteve na contramão do planeta. Diversos países acusam o Brasil
de não estar disposto a se adequar em termos de “urgência climática”, assim como China, índia e Arábia Saudita, que tentaram estender os prazos para aderirem as reduções de emissão de carbono. Qualquer adiamento seria visto como fracasso, porque, afinal, o planeta é de todos.

Leia também: Mourão minimiza uso do AI-5 no regime militar e nega o uso da palavra ‘ditadura’ 

ESPORTE

Sem Rússia por mais quatro anos

A Agência Mundial Antidoping (WADA) baniu a Rússia de competições esportivas por quatro anos. Assim, o país não poderá participar das Olimpíadas de 2020 em Tóquio e da Copa do Mundo do Qatar, em 2022. Também não sediará eventos de grandes proporções. Atletas que provarem que não usam doping poderão competir sob uma bandeira neutra. A decisão é resultado do processo de investigação do programa estatal russo sobre esportes amadores.

ACIDENTE

Fim do mistério do avião chileno

Um avião que saiu da base militar de Chabunco, em Punta Arenas, no Chile
, com 38 pessoas a bordo e tinha como destino uma base do país na Antártida, desapareceu. A aeronave era um Hércules C-130, cargueiro militar quadrimotor, e perdeu contato com o comando aproximadamente uma hora após decolar. Tudo era mistério até a quarta-feira 11, quando então foram encontrados alguns destroços. A aeronave pertencia à Força Aérea Chilena e tinha como missão a revisão de um oleoduto flutuante que existe na base militar da Antártida. As buscas, até o momento, que contam com o apoio da Aeronáutica e Marinha Brasileira, encontraram uma parte da fuselagem. Também pedaços de corpos humanos já constam como localizados.

LAVA JATO

Agora, a vez de Lulinha

A operação “Mapa da Mina”, 69ª fase da Lava Jato, cumpriu na terça-feira 10, 47 mandatos de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Distrito Federal. A pf e o Mpf investigam repasses de R$ 132 milhões da operadora Oi para empresas de Fábio Luis Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula
. Segundo a polícia, o dinheiro pode ter sido utilizado na compra do sítio de Atibaia — que já rendeu condenação ao líder petista.

CULTURA

A morte
das livrarias

Uma pesquisa do IBGE revelou que apenas 17,7% dos municípios brasileiros possuem livrarias. O número está em franca queda e ajuda a entender o motivo pelo qual as lojas que vendem livros estão em crise, visto que o índice em 2001 era de 42,7%. No mesmo levantamento, o instituto revelou que a venda de CDs e DVDs está presente em 23,1% das cidades — esse índice já foi 59,8%, em 2006. Os dados socioeconômicos brasileiros que explicam essa queda são o baixo gasto médio das famílias brasileiras com cultura: cerca de R$ 280 mensais. Além disso, ocorre a ascensão dos serviços de streamming — 81,8% dos brasileiros afirmaram ter usado a internet com a finalidade de ver vídeos ou ouvir música em 2018.

SOCIEDADE



Gugu Liberato


arrow-options
Divulgação

Família de Gugu Liberato pretende criar uma campanha que incentive a doação de órgãos no Brasil.

A boa atitude de Gugu

Leia também:Datafolha: para 81%, Lava Jato ainda não cumpriu objetivo e deve seguir 

A família de Gugu Liberato
, falecido ao final de novembro após um acidente em sua casa, pretende criar uma campanha que incentive a doação de órgãos no Brasil junto à Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos. O projeto será conduzido pelos irmãos e pela mãe do apresentador. Eles se inspiraram no fato de Gugu sempre ter manifestado o desejo de ser doador. Cinquenta pessoas se beneficiaram de sua vontade demonstrada em vida. Os seus orgãos tiveram de ser transplantados nos EUA, onde ele estava quando morreu, porque se deteriorariam se fossem armazenados para o devido transporte até o Brasil.

Fonte: Ultimo Segundo – IG

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: