fbpx

Brumadinho recebe concerto em homenagem a vítimas e heróis da tragédia

BRUMADINHO – A música ecoou sobre as águas tomadas pela lama de rejeitos de minério de ferro do Rio Paraopeba. Marcada pelas mortes de, confirmadas até agora, 249 pessoas no rompimento da barragem da Vale no município, Brumadinho, cortada pelo rio, parou mais uma vez. Agora, pela arte, numa forma de agradecimento a quem de alguma maneira contribuiu para atenuar a dor e que torce pela superação da tragédia.

Em palco montado em um estacionamento exatamente à beira do Paraopeba, vítimas da mineradora, moradores, artistas, bombeiros e voluntários participaram no fim da tarde deste sábado, 31, no Centro da cidade, do Concerto da Gratidão, um tributo a quem esteve ao lado dos moradores das comunidades atingidas. Juntos, mostraram que, em tragédia desta proporção, não há quem não sofra.

Maestro João Carlos Martins participou da homenagem em Brumadinho

Foto: Tatiana Ribeiro/Divulgaçaõ / Estadão

O pianista e maestro João Carlos Martins, por si só um exemplo de superação, foi um dos regentes do concerto, que teve a participação da Orquestra Jovem Gerais e da Banda Sinfônica do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais. Conhecido em todo mundo como um dos maiores intérprete de Bach, Martins teve a carreira de pianista interrompida por problemas em um nervo do braço direito que atrofiou três dedos, ainda na juventude.

Adulto, sofreu de contratura de Dupuytren, doença que ataca a palma da mão. No seu caso, a esquerda, o que prejudicou ainda mais sua carreira de pianista. Aprendeu, então, a reger. Hoje, aos 79 anos, toca piano apenas com os polegares. Na regência, atua sem batuta. Por não conseguir virar páginas com rapidez, rege sem partitura, como fez em Brumadinho.

Questionado sobre como a arte pode ajudar a cidade a tentar superar o que vive, respondeu: “Basta dizer que a música é a prova que Deus existe”. “Corri o mundo representando o Brasil. Mas o convite mais emocionante que recebi na vida foi poder reger aqui em Brumadinho, com a banda desses homens que arriscaram a vida para salvar vidas”, disse. A apresentação foi organizada e teve a participação apenas de voluntários.

Para o maestro, o concerto tem como objetivo dar também esperança a quem perdeu parentes. “O importante é a emoção. É um evento baseado na palavra gratidão, pelo que esses herois fizeram durante a tragédia, e de esperança para aqueles que perderam entes queridos”.

Efigênia de Oliveira, de 69 anos, moradora do Córrego do Feijão, umas das comunidades atingidas pela lama que vazou no rompimento da barragem da Vale, foi das primeiras a chegar ao concerto. Dona Efigênia perdeu o neto, Robert Ruan Oliveira Teodoro, de 20 anos, funcionário terceirizado da mineradora. A barragem se rompeu em 25 de janeiro e, ainda hoje, ele está entre as 21 vítimas que continuam desaparecidas.

“A música ajuda, mas a gente nunca vai esquecer o que aconteceu. A cabeça da gente não tá boa”, afirma dona Efigênia. “O que eu quero é sair de lá”, diz. Aos fins de semana, dona Efigênia já fica na cidade, na casa em que vivia o neto. “É Um trauma muito grande”, afirma.

No concerto, as orquestras executaram músicas clássicas, como Jesus Alegria dos Homens, de Bach, e Bolero de Ravel, de Maurice Ravel. Talita Cristina Oliveira de Souza, de 16 anos, também acompanhou o concerto. A jovem foi encontrada em meio à lama pelos bombeiros. Teve traumas nos membros inferiores e terá que colocar prótese no fêmur esquerdo. Talita passou seis meses no hospital, e foi a última sobrevivente da tragédia a voltar para casa.

“A música ajuda a esquecer um pouco. Com ela, você vê o lado bom da vida”. A jovem, que foi obrigada a abandonar os estudos, toma cerca de 20 tipos de remédio por dia, entre analgésicos, anti-inflamatórios e contra a ansiedade. Anda com ajuda de muletas e tem uma profissional de enfermagem em acompanhamento constante. “Espero conseguir voltar às aulas ainda este ano.”

Integrante da primeira equipe do Corpo de Bombeiros a chegar no local da tragédia, o tenente Felipe Rocha de Almeida Costa disse que a corporação é a merecedora da homenagem deste sábado. “A atuação em situações com esta faz parte do nosso trabalho”. A equipe da qual participava o tenente retirou vivas da lama seis pessoas no dia do rompimento da barragem.

O concerto deste sábado, que foi realizado dentro da 4a edição do programa “Arte Abraça Brumadinho”, da Fundação Dom Cabral (FDC), teve ainda a participação do pianista Davi Campolongo, de 13 anos, que interpretou João Carlos Martins em filme sobre a vida do pianista e maestro.

Estadão

  • separator

Fonte: PORTAL TERRA – NOTÍCIAS

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!