Cai pela metade número de partos sem acompanhantes

Uma pesquisa feita pela BabyCenter Brasil revelou um importante avanço no direito a acompanhante no momento do trabalho de parto. Em 2012, 26,5% das mulheres entrevistadas disseram ter ficado sozinhas no parto. Já em 2018, esse número caiu para 12%.

Foto: Shutterstock

Foto: Getty Images / Minha Vida

No entanto, mesmo o direito ao acompanhante sendo garantido e regulamentado pela lei lei 11.108 desde 2005, no sistema público de saúde, essa melhora está sendo mais lenta. Em 2012, 48% das mulheres deram à luz sozinhas no SUS. Em 2018, o número passou para 20%.

Segundo a pesquisa, 89% das mães declararam que a presença do acompanhante foi essencial para a experiência do trabalho de parto. Desses acompanhantes, 71% eram os parceiros, enquanto somente 2% eram doulas.

Foram entrevistadas aproximadamente 3.500 mulheres, através de formulário online, sobre nascimentos ocorridos ao longo de 2018. O mesmo questionário já havia sido aplicado a 2.700 mulheres em 2013, referentes a nascimentos ocorridos em 2012.

Importância de um acompanhante no trabalho de parto

Para mães que nunca passaram pela experiência do parto, uma companhia no nascimento do bebê é muito importante. De acordo com o obstetra Marcelo Burlá, por mais que a paciente crie um vínculo com seu médico, o foco do profissional será o resultado do parto. Portanto, o acompanhante tem um papel maior no conforto da parturiente.

O ideal é que essa pessoa esteja preparada para ajudar e acompanhar o pré-natal da mulher de perto pelos nove meses. “Isso serve para que ela entenda as fases do trabalho de parto, qual a interação com médico, quais os exames que serão feitos antes”, explica a ginecologista e obstetra Telma Regina Mariotto.

Saiba mais sobre parto

Parto humanizado: o que é, benefícios e depoimento
6 fatos sobre o parto normal
8 jeitos de reduzir a dor do parto

Minha Vida

  • separator

Fonte: PORTAL TERRA – VIDA E ESTILO

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: