fbpx

China diz que detectou coronavírus em frango importado do Brasil

(Envato)

SÃO PAULO – A China informou que uma amostra de frango congelado importado do Brasil testou positivo para o novo coronavírus. O vírus teria sido detectado na quarta-feira (12), na superfície de um lote de asas de frango durante um triagem de alimentos congelados em Shenzhen, no sudeste chinês.

Autoridades de saúde do governo local rastrearam e testaram as pessoas que podem ter entrado em contato com o produto, e todos os resultados deram negativos. Segundo o comunicado, todos os produtos em estoque foram lacrados e também tiveram resultados negativos.

Segundo informações do jornal Valor Econômico, o frango foi exportado pela marca Aurora via unidade de Xaxim, Santa Catarina. Embora a empresa não tenha confirmado a informação, fontes contatadas pelo jornal explicaram que a contaminação pode ter ocorrido durante o trajeto ou até mesmo já na China e que o vírus não foi identificado na carne em si, mas na embalagem.

Agora, o governo chinês está rastreando produtos da mesma marca que já foram vendidos, e desinfetaram a área onde as asas de frango contaminadas estavam armazenadas.

No Brasil, são mais de 3,1 milhões de casos de coronavírus, o segundo maior número de infectados do mundo depois dos Estados Unidos, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins.

A notícia das asas de frango contaminadas chega um dia depois que o coronavírus foi encontrado na embalagem de camarões importados de outro país sul-americano, o Equador, em um restaurante na província de Anhui, leste da China, durante uma inspeção de rotina, de acordo com a emissora estatal chinesa CCTV.

Desde julho, houve sete casos em que o vírus foi detectado nas embalagens de produtos importados em todo o país, que geraram preocupações sobre a segurança dos alimentos.

As autoridades sanitárias chinesas pediram para a população ser cautelosa ao comprar carnes e frutos do mar importados. Nas redes sociais chinesas, usuários pediram a suspensão de todas as importações de alimentos congelados, segundo informações do jornal local The Beijing News.

Em nota, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) informou que ainda não foi notificado oficialmente pelas autoridades chinesas sobre a ocorrência.

O Mapa também ressaltou a “inocuidade dos produtos produzidos nos estabelecimentos sob Serviço de Inspeção Federal (SIF), visto que obedecem protocolos rígidos para garantir a saúde pública”.

Não há evidência de transmissão via alimentos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos já afirmaram que a possibilidade de contrair o vírus pela comida é baixa.

A OMS afirma que é “altamente improvável que as pessoas contraiam a Covid-19 em alimentos ou embalagens de alimentos”. De acordo com o CDC, o risco de infecção pelo vírus em produtos alimentícios, embalagens de alimentos ou sacolas é “considerado muito baixo”.

Ambas as organizações apontam que o coronavírus se espalha principalmente de pessoa para pessoa através de gotículas respiratórias quando uma pessoa infectada tosse, espirra ou fala.

Embora seja possível pegar Covid-19 tocando em uma superfície ou objeto – incluindo alimentos ou embalagens de alimentos que contenham o vírus – e, em seguida, tocando sua boca, nariz ou olhos, não se acredita que é a principal maneira como o vírus se espalha.

“Não há evidências até o momento de que os vírus que causam doenças respiratórias sejam transmitidos por alimentos ou suas embalagens. O coronavírus não pode se multiplicar nos alimentos; eles precisam de um hospedeiro animal ou humano”, explica a OMS.

Liang Zong, diretor do Departamento de Medicina Respiratória do Hospital da China Ocidental da Universidade de Sichuan, disse que esta situação na China “está relacionada principalmente à grave situação da pandemia no exterior e à contaminação relativamente fácil do processamento de frutos do mar congelados.”

Segundo Zong, os produtos de frutos do mar congelados são geralmente armazenados em um ambiente de baixa temperatura. Quanto menor a temperatura do ambiente for, mais tempo o vírus fica armazenado, por isso é mais fácil detectar o novo coronavírus em alimentos congelados ou em suas embalagens, segundo informações do The Beijing News. 

Por enquanto, o mundo aguarda a esperada vacina na expectativa de uma retomada mais segura. As atualizações sobre as vacinas são diárias: a recente vacina russa, as promissoras vacinas nos Estados Unidos, e até três candidatas em fase final de testes no Brasil se destacam como possíveis soluções para combater o coronavírus.

Mas a resposta para quando seremos vacinados ainda segue sendo uma incógnita. E o caminho para chegar até você é longo – para saber mais clique aqui. 

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:

Fonte: Infomoney

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!