fbpx

Como a autocompaixão fortalece a força de vontade

Eu gosto de café. Não, eu amo café. Ele me traz muito conforto. Eu tomo café de manhã. Depois, no início da tarde, eu faço um pouco mais. Há muito tempo que sei que bebo muito café. No entanto, tive dificuldade em reduzir meu consumo. Minha força de vontade é fraca quando se trata de café. Eu posso me tornar autocrítico por minha falta de força de vontade.

No livro The Willpower Instinct (Os desafios à força de vontade) , Kelly McGonigal diz: “Se você acha que a chave para uma força de vontade maior está em ser mais duro consigo mesmo, você não está sozinho. Mas você está errado”. Ser autocrítico parece um motivador claro para quebrar um hábito limitante. Estamos chateados por nos entregar a um hábito e nos criticamos.

Essa crítica nos dá clareza sobre o que não fazer no futuro, para que não nos entreguemos novamente. A vida não é tão clara; muitas vezes é paradoxal. O que pensamos que funcionará frequentemente terá o efeito oposto.

Somos motivados por estresse e conforto. No entanto, somos motivados pelo estresse apenas quando estamos no luxo de nossas zonas de conforto. Somos motivados dessa maneira quando pensamos em metas inspiradoras e estressantes que queremos alcançar. Somos motivados apenas pelo conforto quando estamos ativamente envolvidos no estresse enquanto trabalhamos em direção a essas metas.

A motivação pelo conforto é natural. Podemos olhar o mundo ao nosso redor e encontrar evidências disso. Os fabricantes procuram a maneira mais fácil de fabricar produtos. Os aplicativos de tráfego nos levam ao caminho mais rápido para o nosso destino. Buscamos a maneira mais fácil quando escalamos usando nossa energia da maneira mais eficiente possível.

A autocrítica não é uma sensação agradável. É desconfortável; não é um estado que gostamos de experimentar. Em outras palavras, é estressante. Se eu sou autocrítico por me permitir tomar muito café, minha motivação natural pelo conforto me levará a algo que me dá mais conforto: beber mais café. O que quero evitar se torna exatamente o que procuro para evitar o desconforto da autocrítica.

Por que achamos que a autocrítica é uma estratégia que melhora a força de vontade? Tem a ver com a motivação por realizar conquistas e vincular nossa identidade a nossas realizações. Somos ensinados a supervalorizar conquistas. Aqueles que alcançam obtêm reconhecimento; aqueles que não, são deixados para trás. Precisamos pertencer a grupos sociais e, sem reconhecimento, tememos que não possamos permanecer nesses grupos. Começamos a nos odiar por não alcançar nossos objetivos. O ódio e a autocrítica tornam-se motivadores habituais.

É algo triste e emocionante. É triste porque somos levados a acreditar que precisamos realizar coisas para pertencer. Essa crença impulsiona nossa autocrítica, de modo que somos duros com nós mesmos quando falhamos. É emocionante porque podemos usar uma estratégia diferente. Podemos fazer exatamente o oposto do que pensamos que fortalece a força de vontade. Podemos usar a autocompaixão.

A autocompaixão é um sentimento reconfortante, não estressante. É reconfortante nos oferecer compaixão por cometer erros, reconhecendo que eles são necessários para nosso aprendizado e crescimento. A autocompaixão alimenta nossa motivação natural baseada no conforto.

Não buscamos conforto nos entregando ao hábito. A pesquisa de Kelly mostra que a autocompaixão nos torna mais propensos a assumir responsabilidade pessoal por falhas, estar mais dispostos a receber feedback de outras pessoas e mais propensos a aprender com as experiências.

Outro ponto importante que Kelly destaca é a importância de estabelecer objetivos claros e inspiradores. Sem metas, nossa motivação para o conforto continuará a nos levar a nossos hábitos limitantes. Com objetivos claros e inspiradores, sabemos para onde estamos indo e, em seguida, aplicamos nossa motivação natural de conforto nessa direção. Mantemos o objetivo em nossa consciência quando encontramos estresse e buscamos o caminho mais fácil através do estresse em direção ao objetivo.

Vemos esse exato cenário acontecer na escalada. Nós escolhemos uma via inspiradora. Em seguida, apontamos nossa motivação por conforto natural até o topo, buscando a maneira mais fácil à medida que escalamos, para que utilizemos nossa energia com eficiência.

Quebrar um hábito limitante é igual. Definimos objetivos claros e inspiradores. Em seguida, mantemos o objetivo em mente ao navegar pelo estresse de trabalhar em direção a ele. Sem a consciência e a inspiração do objetivo, seremos desviados; nós entraremos no hábito.

Estabeleci uma meta clara em março: tomar café apenas pela manhã. Tornei-a inspiradora ao observar como me sentia quando bebia muito café. Eu me sentia nervoso. Também a tornei inspiradora ao criar uma imagem: ser um mestre da minha mente, não uma vítima do café. Só fiz café adicional uma vez nos últimos três meses. Isso foi há uma semana, mais de dois meses desde que me comprometi com esse objetivo. Foi um ‘fracasso’ difícil porque eu estava indo muito bem.

Comecei a me punir bastante por esse fracasso, quando lembrei da lição de Kelly sobre autocompaixão. Então, reconheci que cometer esse erro me deu a experiência de ver o contraste entre sucesso e fracasso. Eu sabia como era falhar depois de ter sucesso por mais de dois meses.

Esse contraste me ajudou a extrair a lição de aprendizado e ajudou a me manter comprometido desde então. Eu sorri com essa percepção, relaxei minha postura e absorvi esse novo aprendizado. Eu podia sentir a compaixão que estava me dando. Isso tornou toda a experiência de me oferecer compaixão real, uma que eu conseguia lembrar para poder fazê-lo continuamente no futuro.

Agora sinto pouco desejo de tomar mais café. Sinto-me mais confortável quando tomo café de manhã, do que se tomo mais à tarde. Eu mudei o hábito de beber muito café para um hábito de beber a quantidade que me energiza. Agora, minha motivação natural para o conforto leva meu novo hábito a tomar café pela manhã.

A vida é paradoxal. O treinamento mental precisa lidar com esse paradoxo. Fazemos isto desenvolvendo um relacionamento apropriado com a mente. Observamos o que ele valoriza e o que o motiva. Em seguida, procuramos examinar outras perspectivas para não sermos vítimas da mente.

Dois truques básicos que a mente desempenha são: supervalorizar as conquistas e vincular a identidade à essas realizações. Aplicamos o pensamento paradoxal a esses truques, fazendo o oposto do que esperamos que funcione. Não supervalorizamos conquistas; nós as valorizamos apenas pela direção e inspiração.

Não vinculamos nossa identidade à conquista; nós a desengatamos para que possamos ver as situações de maneira mais objetiva. Não usamos autocrítica para nos motivar a melhorar nossa força de vontade; usamos autocompaixão.

É realmente bem engraçado. A mente é uma trapaceira. Saber isso e aplicar o pensamento paradoxal nos permite sorrir para as maquinações da mente e dar passos em melhores direções.

Dica prática: Perdão quando você falhar

Do livro de Kelly, The Willpower Instinct:

“Todo mundo comete erros e sofre reveses. A forma como você lida com esses contratempos é mais importante do que o fato de eles terem acontecido. Lembre-se de um momento específico em que você cedeu à tentação ou procrastinação e experimente adotar os três pontos de vista a seguir sobre esse fracasso:

  1. O que você está sentindo? Observe e descreva como você está se sentindo. Que emoções estão presentes? O que você sente em seu corpo? Você consegue se lembrar como se sentiu imediatamente após o fracasso? Como você descreveria isso? Observe se a autocrítica surge e, se aparecer, o que você diz para si mesmo. A perspectiva da atenção plena permite que você veja o que está sentindo sem se apressar em escapar.
  2. Você é apenas humano. Todo mundo luta com os desafios da força de vontade e todo mundo às vezes perde o controle. Considere a verdade dessas declarações. Você consegue pensar em outras pessoas que você respeita e se preocupa que sofreram lutas e contratempos semelhantes? Essa perspectiva pode suavizar a voz usual da autocrítica e da dúvida.
  3. O que você diria a um amigo? Considere como você confortaria um amigo próximo que experimentou o mesmo revés. Que palavras de apoio você ofereceria? Como você os incentivaria a continuar perseguindo seu objetivo? Essa perspectiva apontará o caminho para voltar aos trilhos.”

1-WarriorsWaylogo_

O livro “The Rock Warrior Way – Mental Training for Climbing” está à venda traduzido para a língua portuguesa no Brasil em: http://www.companhiadaescalada.com.br

Arno Ilgner distinguiu-se como um escalador pioneiro nos anos 1970 e 80, quando as principais ascenções foram as primeiras fortes e perigosas. Essas façanhas pessoais são a base para Ilgner desenvolver o programa de treinamento físico e mental – Rock Warrior Way ®. Em 1995, após uma pesquisa aprofundada da literatura e prática de treinamento mental e as grandes tradições guerreiras, Ilgner formalizado seus métodos, fundou o Instituto Desiderata, e começou a ensinar seu programa de tempo integral. Desde então, ele tem ajudado centenas de estudantes aguçar a sua consciência, o foco de atenção, e entender seus desafios de atletismo (e de vida) dentro de uma filosofia coerente, baseada em aprendizado de tomada de risco inteligente. Ilgner considera a alegria e satisfação no esforço – a “viagem” – intimamente ligada à realização bem sucedida das metas.

!function(f,b,e,v,n,t,s){if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod?
n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};if(!f._fbq)f._fbq=n;
n.push=n;n.loaded=!0;n.version=’2.0′;n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window,
document,’script’,’https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);
(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “https://connect.facebook.net/en_US/all.js#xfbml=1”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Fonte: R7

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!