fbpx

Como fluir com a escalada e a vida?

A vida não seria melhor se soubéssemos fluir com seus desafios? Não seríamos mais eficazes se soubéssemos nos alinhar com seu fluxo? Eu acho que a resposta para essas duas perguntas é “sim”, mas precisamos entender como fazer isso em um nível prático. Precisamos ter consciência de como sabotamos esse fluxo e começar a viver a vida alinhada com ele.

Fluir com a vida e alinhar-se a ela exige que entendamos como os ciclos funcionam, porque a vida é composta por ciclos. Primeiro, eles incluem duas partes: dois opostos, que se equilibram. Os ciclos demonstram que a verdadeira realidade é uma relação do tipo ambos/e. Precisamos de ambas partes.

Foto: Fionn Claydon | Unsplash (@fclaydon)

Não escolhemos ou valorizamos uma parte por cima da outra. Esta não é apenas uma boa ideia; é essencial, além da questão de discussão ou escolha. É assim que o mundo funciona. Cada parte precisa cumprir seu propósito de estar em equilíbrio com a outra.

Por exemplo, no ciclo de ação/descanso, precisamos de ambos: da ação e das partes restantes do ciclo. Nós aplicamos nossa energia com atividade; recuperamos nossa energia com descanso. Precisamos cumprir o propósito de ambas as partes, atividade e descanso, para estar em equilíbrio.

Segundo, dentro de um ciclo específico, nos comprometemos a uma parte ou outra. Não seremos eficazes se nos comprometermos com as duas simultaneamente. Cada parte do ciclo tem propósitos diferentes. Dividir nossa atenção entre elas não apenas nos impede de fazer qualquer um deles com eficiência, mas também interrompe nosso fluxo com a vida. Nossa atenção se divide, nos puxando entre as duas partes, e assim ficamos congelados no meio.

Por exemplo, no ciclo de ação / descanso, nos comprometemos com a ação ou o descanso. Se nos comprometermos com os dois ao mesmo tempo, nossa ação será letárgica e nosso descanso será interrompido. Podemos não fluir bem com o ciclo de ação / descanso porque não aplicamos totalmente nossa energia nem recuperamos totalmente nossa energia.

Terceiro, a vida é dinâmica, não estática. A natureza dinâmica da vida é gerada pelos ciclos entre opostos. Fluímos com a vida comprometendo-nos completamente a uma parte do ciclo ou a outra parte, entendendo que precisamos de ambas as partes. A dinâmica não é criada tendo apenas uma parte ou supervalorizando ou subvalorizando uma das partes.

Foto: Fionn Claydon | Unsplash (@fclaydon)

À medida que uma parte do ciclo avança, a necessidade de mudar para o oposto aumenta até que se torne inevitável. O essencial para fluir com a natureza dinâmica dos ciclos é se sintonizar para que possamos saber quando mudar em tempo hábil entre as partes.

À medida que a ação progride, usamos nossa energia até que a necessidade de mudar para o repouso se torne inevitável. Da mesma forma, à medida que o descanso avança, recuperamos nossa energia até que a necessidade de mudar para a ação se torne inevitável. Estamos atentos e sintonizamos nosso nível de energia para nos alinharmos ao fluxo natural desse ciclo dinâmico.

O ciclo respiratório é um exemplo simples para investigar isso. Precisamos de ambos: inspirar e expirar para um ciclo respiratório eficaz. No entanto, dentro deste tipo de ciclo (ambos/e), nos comprometemos totalmente a: inspirar ou expirar.

Por fim, sabemos que é um ciclo dinâmico. Realizamos o ciclo de forma constante, prestando atenção em quando inspiramos o suficiente – quando a necessidade de expirar se torna inevitável – para que possamos mudar para a expiração e vice-versa. Fluímos com o ciclo da respiração quando nos alinhamos com esses três princípios. Portanto, é importante se render ao ciclo da respiração, em vez de combatê-lo.

Vamos considerar como isso funciona na escalada. Primeiro, o ciclo de escalada consiste em parar e se mover. Realizamos ambos: paramos para descansar para recuperar energia e nos movemos para ativar nossos corpos para aplicar nossa energia. Assim, valorizamos as duas partes. Segundo, nos comprometemos a parar ou avançar dentro desse ciclo de escalada.

Foto: Cade Prior | Unsplash (@medicadetion)

Comprometemo-nos a parar para descansar ou a nos mover para escalar. Quando descansar, descanse; quando escalar, escale. Terceiro, realizamos ciclos constantemente entre as duas partes. À medida que recuperamos mais e mais energia enquanto descansamos, torna-se inevitável começar a se mover para aplicar nossa energia. Da mesma forma, à medida que escalamos, usamos nossa energia até que se torne inevitável parar para descansar.

Nós sintonizamos nossos corpos para saber quanto tempo permanecer nos pontos de parada para descansar e quanto tempo continuar subindo para não cair. Se não nos comprometemos com esses princípios, nossa atenção será dividida entre parar e se mover, entre descansar e escalar. Estaremos congelados, parados no meio de uma escalada difícil, nem descansando nem escalando bem.

A vida tem uma certa intenção. Ela avança para frente. Mas como ela avança está dentro desses princípios. Fluir com a vida é alinhar-se com sua intenção. Fazemos isso nos rendendo. Entregamos a nossa ideia do que precisa acontecer com a maneira como a vida nos direciona.

Podemos ser intencionais ao nos rendermos às intenções da vida. Intenção é atenção focada na direção de uma escolha. Vivemos intencionalmente – dentro da intenção da vida – concentrando nossa atenção em processos, que mantêm nossa atenção no momento. A vida nos dá processos básicos. Nossa intenção pode ser firme e alinhada com a intenção da vida, concentrando-se nos processos inerentes à ela.

Na escalada, temos processos que nos ajudam a manter o foco no ciclo de escalada de parada / movimentação. Nos pontos de parada, temos processos para descansar, pensar e tomar decisões. Quando escalamos, temos um processo de movimentação e um de queda. Cada processo contém elementos específicos que requerem nossa atenção.

Por exemplo, o processo de pensamento consiste em coletar três informações: o objetivo final, a conseqüência e o plano. Nem mais, nem menos. O processo de movimentação consiste em respirar, mover, relaxar e manter o contato visual. Nem mais, nem menos. Nossa intenção é inflexível, porque escolhemos concentrar totalmente nossa atenção nos elementos específicos desses processos. Ao nos rendermos a esses processos – em vez de nos fixarmos no objetivo -, usamos nossa atenção de maneira eficaz, o que nos liberta para fazer o melhor possível.

A vida é difícil e podemos inconscientemente nos sabotar lutando contra essa realidade. Uma grande parte do que dificulta a vida é a nossa resistência a ela, à verdade que é difícil. Fluímos com a vida nos rendendo a essa verdade e nos alinhando com a natureza cíclica da realidade.

Dica prática: Atendendo às suas necessidades básicas

Você tem duas necessidades básicas: conforto/segurança/proteção e estresse/aprendizado/crescimento. Você precisa de ambos: conforto/proteção/segurança e estresse/aprendizado/crescimento, não apenas um deles. É importante viver uma vida equilibrada para atender às duas necessidades. Portanto, lembre-se de valorizar as duas partes do ciclo.

  • Aplicação na vida: você precisa de descanso e atividade. O descanso atende à sua necessidade de recuperar energia (conforto/segurança/proteção); A atividade atende à sua necessidade de aplicar sua energia (estresse/aprendizado/crescimento).
  • Aplicação na escalada: você precisa parar para descansar e mover-se para escalar.

Dentro do ciclo de necessidades básicas, você se compromete com um ou outro, com conforto/segurança/proteção ou estresse/aprendizado/crescimento.

  • Aplicação na vida: você se compromete com o descanso ou a ação.
  • Aplicação na escalada: você se compromete a parar para descansar ou a se mover para escalar.

O tipo de ciclo ambos/e é dinâmico. Sintonize-se – seu corpo e mente – para saber quando é hora de entrar na parte oposta do ciclo.

  • Aplicação na vida: Sintonize como você se sente descansado ao acordar. Sintonize como você se sente cansado durante as atividades durante o dia. Você está cronicamente cansado? O que você pode fazer para voltar ao equilíbrio?
  • Aplicação na escalada: sintonize seu nível de energia para saber quando você se recuperou o suficiente para começar a se mover; sintonize quanta energia resta enquanto escala para saber quando deve voltar a descansar.

1-WarriorsWaylogo_

O livro “The Rock Warrior Way – Mental Training for Climbing” está à venda traduzido para a língua portuguesa no Brasil em: http://www.companhiadaescalada.com.br

Arno Ilgner distinguiu-se como um escalador pioneiro nos anos 1970 e 80, quando as principais ascenções foram as primeiras fortes e perigosas. Essas façanhas pessoais são a base para Ilgner desenvolver o programa de treinamento físico e mental – Rock Warrior Way ®. Em 1995, após uma pesquisa aprofundada da literatura e prática de treinamento mental e as grandes tradições guerreiras, Ilgner formalizado seus métodos, fundou o Instituto Desiderata, e começou a ensinar seu programa de tempo integral. Desde então, ele tem ajudado centenas de estudantes aguçar a sua consciência, o foco de atenção, e entender seus desafios de atletismo (e de vida) dentro de uma filosofia coerente, baseada em aprendizado de tomada de risco inteligente. Ilgner considera a alegria e satisfação no esforço – a “viagem” – intimamente ligada à realização bem sucedida das metas.

!function(f,b,e,v,n,t,s){if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod?
n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};if(!f._fbq)f._fbq=n;
n.push=n;n.loaded=!0;n.version=’2.0′;n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window,
document,’script’,’https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);
(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “https://connect.facebook.net/en_US/all.js#xfbml=1”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Fonte: R7

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!