Como mudanças no estilo de vida podem ajudar a evitar a demência

É possível reduzir a probabilidade de se ter demência ao levar um estilo de vida saudável, aponta uma nova pesquisa.

Estudo aponta que um terço das pessoas não acredita que podem alterar risco de ter demência, mas estudo aponta no sentido contrário

Foto: Getty Images / BBC News Brasil

O estudo feito por uma equipe da Universidade de Exeter, na Inglaterra, com quase 200 mil pessoas indicou que o risco caiu em até um terço quando isso ocorreu, de acordo com resultados apresentados na Conferência Associação Internacional de Alzheimer.

Segundo os pesquisadores, isso é animador por apontar que pessoas que têm propensão a ter a doença não estão necessariamente condenadas a sofrer de demência, como é chamada a piora das funções cognitivas que uma pessoa pode desenvolver.

Os cientistas deram às pessoas uma pontuação de estilo de vida saudável com base em uma combinação de exercícios, dieta, álcool e tabagismo.

Assim, uma das pessoas bem pontuadas no estudo tinha a seguintes características: não fuma atualmente, pedala em ritmo normal por duas horas e meia por semana, tem uma dieta balanceada que inclui mais de três porções de frutas e vegetais por dia, peixe duas vezes por semana e carne processada raramente, beba até 560 ml de cerveja por dia.

E o que foi um estilo de vida considerado insalubre? Alguém que fuma regularmente, não faz exercício de forma rotineira, tem uma dieta com menos de três porções de frutas e vegetais por semana e duas ou mais de carne processada e carne vermelha por semana e bebe pelo menos 1,5 litro de cerveja por dia.

'É preciso muito esforço, você tem que pensar sobre como encaixar essas atividades em sua vida', diz Sue Taylor, que tem histórico de demência na família

‘É preciso muito esforço, você tem que pensar sobre como encaixar essas atividades em sua vida’, diz Sue Taylor, que tem histórico de demência na família

Foto: Arquivo Pessoal / BBC News Brasil

Sue Taylor, de 62 anos, viu o impacto da demência em sua família – tanto sua mãe quanto sua avó tiveram a doença. Por isso, hoje, ela faz aulas de ginástica no parque três vezes por semana – mesmo no inverno – e caminha 45 minutos para ir ao trabalho. “É preciso muito esforço, você tem que pensar sobre como encaixar essas atividades em sua vida”, diz ela.

Mas Taylor afirma diz que vale a pena, especialmente pelos netos. “Só quero manter meu cérebro na melhor condição possível pelo maior tempo possível. Não quero que meus netos deixem de ter uma avó, tanto fisicamente quanto mentalmente.”

Como foi feita a pesquisa

O estudo acompanhou 196.383 pessoas a partir dos 64 anos de idade por cerca de oito anos e analisou seu DNA para avaliar o risco genético de desenvolver a doença.

O estudo mostrou que havia 18 casos de demência a cada mil pessoas se eles nasceram com genes de alto risco e tinham um estilo de vida pouco saudável. Mas este índice caiu para 11 para cada mil pessoas durante o estudo, se as pessoas de alto risco tivessem adotado um estilo de vida saudável.

Os números podem parecer pequenos, mas isso é porque pessoas em torno dos 60 anos são relativamente jovens em termos de demência. Os pesquisadores dizem que a redução das taxas de demência em um terço teria um impacto profundo nos grupos etários mais velhos, em que a doença é mais comum. “Isso pode equivaler a centenas de milhares de pessoas”, diz o cientista David Llewellyn.

“Mesmo que você esteja preocupado com a demência, talvez tenha um histórico familiar, o que nossa pesquisa sugere é que isso não importa. É provável que você reduza substancialmente o risco de adotar para um estilo de vida saudável.”

Apesar disso, esse tipo de pesquisa não pode provar definitivamente que o estilo de vida gera riscos diferentes de demência, simplesmente identifica um padrão nos dados. Mas os resultados, publicados no periódico Journal of American Medical Association se encaixam com pesquisas anteriores e recomendações da Organização Mundial de Saúde.

Posso evitar completamente a demência?

Infelizmente, é possível que uma pessoa leve uma totalmente saudável e ainda assim tenha demência. O estilo de vida apenas afeta as chances de isso acontecer.

Ainda não existem medicamentos para alterar o curso desta doença, então, reduzir suas chances é o melhor que qualquer pode fazer no momento.

Mas isso se aplica a todos? As descobertas podem não ser válidas para pessoas com demência muito precoce, que começa quando se está na faixa dos 40 e 50 anos, dizem os pesquisadores. Mas eles acham que os resultados se aplicam a pessoas em grupos de idade avançada, quando a demência se torna mais comum.

Os cientistas dizem ainda que o estudo se aplica à demência em geral e não a formas específicas da doença, como a doença de Alzheimer ou a demência vascular.

No entanto, o pesquisador Elzbieta Kuzma, que participou do estudo, diz que esta foi a primeira vez que se demonstrou que é possível alterar um risco hereditário de demência.

Fiona Carragher, da Alzheimer’s Society, uma organização de caridade dedica à pesquisa sobre esta doença, avalia que, com 10 milhões de pessoas desenvolvendo demência por ano no mundo, saber como reduzir esse risco pode ser vital. “Então, encha o prato de salada, troque um coquetel por um drink sem álcool e vá fazer exercícios!”

Carol Routledge, da Alzheimer’s Research UK, a principal instituição dedicada à demência no Reino Unido, diz que as descobertas são “importantes”.

“Esta é mais uma evidência de que há coisas que todos podemos fazer para reduzir nosso risco de desenvolver demência, mas a pesquisa sugere que apenas 34% dos adultos acham que isso é possível. Embora não possamos mudar os genes que herdamos, este estudo mostra que mudar nosso estilo de vida ainda pode ajudar a fazer com que as chances estejam a nosso favor.”

BBC News Brasil
BBC News Brasil – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.

  • separator

Fonte: PORTAL TERRA – NOTÍCIAS

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: