Confira! – As 8 funções da partícula SE; como analisar?

Olá, caros leitores! Desta vez, eu escrevo sobre um dos assuntos mais importantes da Língua Português: as funções da palavra SE. Na aula do programa Gramática Básica para Concursos, eu expliquei primeiro as funções do “se” como pronome, para na sequência explicar as funções do “se” como conjunção. Seguiremos da mesma forma novamente!

Então, vamos ao que interessa!

  1. PRONOME APASSIVADOR ou PARTÍCULA APASSIVADORA:

Apresenta-se na formação da voz passiva sintética, com verbos transitivos diretos ou transitivos diretos e indiretos; com verbos transitivos indiretos, intransitivos ou de ligação, não há possibilidade de caracterizar a partícula apassivadora. Na prática, a frase pode ser transposta para a voz passiva analítica (com locução verbal).

Ex.: Esconderam-se muitas notas. (= Muitas notas foram escondidas)

Entregou-se o prêmio ao aluno que obteve a melhor nota. (= O prêmio foi entregue ao aluno que obteve a melhor nota)

 

  1. ÍNDICE DE INDETERMINAÇÃO DO SUJEITO:

Conhecido também como pronome impessoalizador, símbolo de indeterminação do sujeito, ou ainda como pronome indeterminador do sujeito, sempre aparece junto ao verbo intransitivo, transitivo indireto ou de ligação. Pode até aparecer junto ao verbo transitivo direto, contanto que o objeto direto venha preposicionado. Como o próprio nome já diz, quando exerce essa função, a palavra SE indetermina ou não indica o sujeito da oração. Esse tipo de oração não admite a transposição para a voz passiva analítica, e o verbo ficará sempre na 3ª pessoa do singular.

Ex.: Vive-se bem naquele país. (V.I.)

Precisava-se de novas fontes de riquezas. (V.T.I.)

É-se responsável por todas as coisas erradas. (V.L.)

Respeitou-se às normas. (V.T.D. + O.D. preposicionado)

 

  1. PRONOME REFLEXIVO (função morfológica):

Indica que a ação praticada pelo sujeito recai sobre o próprio sujeito (voz reflexiva). É substituível por a si mesmo, a si próprio.

Ex.: O rapaz machucou-se com a foice. (= machucou a si mesmo)

Localize-se no mapa. (= localize a si mesmo)

 

a) OBJETO DIRETO REFLEXIVO (função sintática):

Acompanha verbo transitivo direto que tenha sujeito animado.

Ex.: Ergueu-se, passou a toalha no rosto.

Vestiu-se rapidamente, telefonou pedindo um táxi, saiu.

 

b) OBJETO INDIRETO REFLEXIVO (função sintática):

Aparece quando o verbo é transitivo direto e indireto.

Ex.: Ele arroga-se a liberdade de sair a qualquer hora.

Ele impôs-se uma disciplina rigorosa.

 

c) SUJEITO ACUSATIVO ou DE INFINITIVO (função sintática):

Trata-se das estruturas formadas pelos verbos causativos (deixar, mandar e fazer – e sinônimos) e sensitivos (ver, ouvir, sentir – e sinônimos), quando seguidos de objeto direto na forma de oração reduzida. Nesses casos, o pronome SE atuará sintaticamente como sujeito.

Ex.: Deixou-se ficar à janela durante toda a tarde.

O deputado sentiu-se fraquejar.

 

  1. PRONOME REFLEXIVO RECÍPROCO (função morfológica):

Indica que a ação praticada por um dos elementos do sujeito recai sobre o outro elemento do sujeito e vice-versa. Na prática, é substituível por um ao outro, uns aos outros.

Ex.: Pai e filho abraçaram-se emocionados. (= abraçaram um ao outro)

 

  1. PARTE INTEGRANTE DO VERBO:

Existem verbos que são essencialmente pronominais, ou seja, são sempre apresentados e conjugados com o pronome. Não deve confundi-los com os verbos reflexivos, que são acidentalmente pronominais. Os verbos pronominais geralmente se referem a sentimentos e fenômenos mentais: lembrar-se, queixar-se, admirar-se, orgulhar-se, arrepende-se, torna-se etc.

Ex.: Os atletas queixaram-se do tratamento recebido.

Ele não se dignou de reler o processo.

 

  1. PARTÍCULA EXPLETIVA ou DE REALCE:

Pode ser eliminada do texto sem prejuízo para a correção ou para as ideias originais. Trata-se de um recurso estilístico, reforço de expressão.

Ex.: Acabou-se a confiança nos políticos brasileiros.

Lá se vai mais um caminhão de verduras.

 

  1. CONJUNÇÃO SUBORDINATIVA INTEGRANTE:

Inicia orações subordinadas substantivas (subjetiva, objetiva direta, objetiva indireta, completiva nominal, predicativa e apositiva).

Ex.: Ninguém sabe se ele venceu a partida.

Não sabemos se Lula será candidato nas próximas eleições.

 

  1. CONJUNÇÃO SUBORDINATIVA CONDICIONAL:

Introduz as orações subordinadas adverbiais condicionais. Essas orações exprimem a condição necessária para que se realize ou deixe de realizar o fato expresso na oração principal. Essa relação também se pode dar um nível hipotético.

Ex.: Se não chover, partiremos à tarde.

Os dólares serão devolvidos se você quiser.

Agora, eu recomendo a você que realize diversas questões sobre a partícula “se”. Também sugiro que reveja a aula sobre este assunto que está no canal do Gran Cursos Online. 

Até a próxima!

 

 


Lucas Gonçalves

Graduado em Letras – Português pela Universidade Católica de Brasília – UCB. O professor Lucas Gonçalves ministra aulas de gramática aplicada a textos, desde 2009, em tradicionais cursos preparatórios para concursos no DF e em outros estados. Como também é autor de dois livros de questões comentadas.Com sua metodologia prática e dinâmica, tem guiado seus alunos à reflexão e ao desenvolvimento da argumentação lógica dos aspectos linguísticos da língua portuguesa, o que, segundo eles, torna o aprendizado fácil, simples e objetivo.




Crédito:

Gran Cursos Online

Pdf e Videoaulas disponíveis!

Deixe uma resposta