Crianças de 6 meses a 1 ano devem ser vacinadas antes de viajar para cidades com surto

SÃO PAULO – Crianças de 6 meses a 1 ano que vão viajar para cidades com surto de sarampo devem ser vacinadas contra a doença 15 dias antes do deslocamento. O orientação aos pais foi dada nesta terça-feira, 6, pelo Ministério da Saúde. Segundo a pasta, a indicação é para 39 municípios dos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e do Pará. Em São Paulo, a recomendação vale para 32 municípios, incluindo a capital, que já está imunizando crianças dessa faixa etária.

A vacina tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil / Estadão

O objetivo da ação é interromper a circulação do vírus pelo País. Os municípios escolhidos estão com surto ativo da doença, quando há registro de crescimento do número de casos.

De acordo com balanço do ministério, entre 5 de maio e 3 de agosto deste ano, foram registrados 907 casos confirmados de sarampo no Brasil, dos quais 901 foram no Estado de São Paulo. Rio de Janeiro (5) e Bahia (1) também tiveram registros.

“A recomendação do Ministério da Saúde em vacinar as crianças de 6 meses a menores de 1 ano de idade, que irão se deslocar para municípios que apresentam surto ativo de sarampo, deve ser mantida até 90 dias após o último caso confirmado de sarampo. O ministério informará aos Estados oportunamente o momento em que a vacinação de crianças menores de um ano de idade deverá ser descontinuada.”

Em São Paulo, a Prefeitura anunciou, em 25 de julho, que crianças dessa faixa etária deveriam ser imunizadas contra a doença. A vacinação também será realizada em creches públicas e privadas.

A dose que será aplicada nesse público é chamada de “dose zero” e não substitui as doses que devem ser dadas aos 12 meses da tríplice viral e aos 15 meses da tetraviral, que integram o Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Nesta segunda-feira, 5, o ministério aumentou o nível de alerta para sarampo e colocou em operação o Comitê Operativo de Emergência em Saúde (COE). O grupo, com representantes de vigilância, vacinação, atendimento hospitalar, atenção básica e assistência farmacêutica, é encarregado de fazer um acompanhamento diário da evolução da doença. Antes dessa medida, o monitoramento da pasta era semanal.

Sarampo no Brasil

Em 2016, o Brasil recebeu o Certificado de Eliminação do Sarampo, emitido pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), mas perdeu o certificado em fevereiro deste ano, após surtos da doença, principalmente na Região Norte, a partir de dezembro de 2017.

“O Ministério da Saúde enviou aos Estados, neste ano, 12,1 milhões de doses da vacina tríplice viral para atender à demanda.” Segundo a pasta, a ação tem como foco regiões com circulação do vírus e não estão previstas campanhas em outras localidades.

Veja a lista de municípios com recomendação para vacina

No Estado de São Paulo

  • São Paulo
  • Santos
  • Fernandópolis
  • Santo André
  • Guarulhos
  • São Bernardo do Campo
  • São Caetano do Sul
  • Mauá
  • Ribeirão Pires
  • Mairiporã
  • Pindamonhangaba
  • Sorocaba
  • Diadema
  • Indaiatuba
  • Osasco
  • Barueri
  • Caçapava
  • Caieiras
  • Embu
  • Estrela D’Oeste
  • Francisco Morato
  • Hortolândia
  • Itapetininga
  • Itaquaquecetuba
  • Jales
  • Mogi das Cruzes
  • Peruíbe
  • Praia Grande
  • Ribeirão Preto
  • São José dos Campos
  • Taboão da Serra
  • Taubaté

No Rio de Janeiro

  • Paraty
  • Rio de Janeiro
  • Nilópolis

No Pará

  • Monte Alegre
  • Santarém
  • Porto do Moz
  • Prainha

Imunização

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, que pode levar à morte. A prevenção é feita com a vacina tríplice viral. As equipes também devem atuar em faculdades como parte da ação para vacinar os jovens. A faixa etária de 15 a 29 anos é alvo de uma campanha desde junho.

O sarampo pode ser evitado com a vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba. Ela integra o Programa Nacional de Imunizações (PNI) e é aplicada aos 12 meses, com reforço aos 15 meses com a tetraviral (sarampo, rubéola, caxumba e varicela). Até os 29 anos, a recomendação é tomar duas doses do imunizante. Entre 30 e 59 anos, a pessoa deve ser vacinada uma vez. Para quem não sabe se já tomou o número adequado de doses, a orientação é se imunizar.

Calendário de vacinação

  • Criança com 1 ano: deve tomar a 1ª dose regular (se tiver vacinado em bloqueio ou campanha deve observar intervalo de um mês);
  • Criança de 15 meses: deve tomar a 2ª dose regular;
  • Criança de 1 a 4 anos: atualizar a caderneta de vacinação;
  • População de 1 ano a 14 anos: deve ter tomado duas doses de vacina;
  • Adulto de 30 a 59 anos: deve ter tomado uma dose.

Estadão

  • separator

Fonte: PORTAL TERRA – VIDA E ESTILO

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: