fbpx

Dormir bem antes e depois de tomar a vacina contra à Covid-19 é essencial

Dormir bem nas duas noites anteriores à imunização melhorou a resposta imune contra o vírus da gripe

Foto: Shutterstock / Saúde em Dia

Pessoas vacinadas contra à Covid-19 apresentam diferentes níveis de anticorpos. E o sono pode ter um papel relevante para explicar esta desigualdade. Trabalhos científicos realizados com indivíduos imunizados contra a gripe apontam que a restrição das horas de sono, nos dias que antecedem a vacinação, pode reduzir a produção de anticorpos.

Pesquisadores da University of California observaram que dormir bem nas duas noites anteriores à imunização melhorou a resposta imune contra o vírus da gripe. Um estudo feito pela University of North Texas com parte dos adultos que sofrem de insônia e outra não, revelou que os insones desenvolveram menos anticorpos contra o vírus da gripe um mês após a vacinação.

A constatação corrobora uma pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)3 mostrando que trabalhadores em turnos apresentavam resposta imune menor à vacina contra meningite C do que seus colegas do período diurno.

De acordo com a Dra. Daniela Santora Rosa, biomédica e pesquisadora do Instituto do Sono para evitar que o sono tenha um impacto negativo sobre a produção de anticorpos, é importante  dormir bem nas noites antes da imunização e na noite da vacinação. “Além disso, é fundamental manter a qualidade de sono nas noites após ser imunizado para permitir que o organismo consiga produzir os anticorpos de forma satisfatória”, explica.

Um estudo da Universidade de Lübeck, na Alemanha, apontou que os indivíduos que não dormiram na noite após a vacinação contra hepatite A apresentavam quase metade dos anticorpos quando comparados com aqueles que dormiram bem. “É fundamental ressaltar que esses efeitos ainda estavam presentes após o acompanhamento de um ano, com resultados que o sono participa da resposta imunológica inicial e a mantém a longo prazo”, ressalta a biomédica.

Ou seja dormir bem antes e depois da imunização, para aqueles com sistema imunológico mais frágil, como idosos e indivíduos com comorbidades. Segundo a publicação, estender a duração de sono na noite da imunização pode “ajudar a garantir uma resposta adequada às vacinas e contribuir para reduzir a incidência de doença grave nessas pessoas”.

O impacto da qualidade de sono sobre a resposta imunológica já ficou bastante evidente nos estudos envolvendo vírus como o influenza. Entretanto, o reflexo do sono sobre a imunização contra a Covid-19 ainda não está muito claro. Para começar a desvendar esta questão, o Instituto do Sono está prestes a realizar um estudo envolvendo idosos acima de 60 anos imunizados contra a Covid-19 e com apneia de sono. A ideia é mensurar a produção de anticorpos nesses indivíduos e fazer uma comparação com outros sem apneia do sono.

A especialista ressalta ainda que dormir bem é essencial para o sistema imune, porque durante o sono profundo ou sono de ondas lentas ocorre o pico de produção do hormônio do crescimento, a elevação dos níveis do hormônio associado à resposta imunológica e a queda na secreção do hormônio induzido pelo estresse (cortisol).  

Para quem vai se vacinar contra à Covid-19, a Dra. Daniela Santoro Rosa dá algumas dicas que ajudam superar a ansiedade da véspera da imunização e melhorar a qualidade de sono e consequentemente o sistema imunológico:

Fonte: Terra

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais