fbpx

Entregadores realizam ato tímido nas ruas de São Paulo

Sem a adesão dos líderes do “Breque dos Apps” – paralisação que reuniu, em 1º de julho, milhares de trabalhadores de várias partes do País -, os motoboys fizeram ontem uma segunda e tímida mobilização em São Paulo, dessa vez convocada pela União Geral dos Trabalhadores (UGT) e pelo sindicato dos motoboys de São Paulo (Sindimoto).

Dessa vez, o evento contou com não mais do que 400 participantes, que saíram de moto da sede do sindicato da categoria, no bairro do Brooklin, e terminaram em frente ao Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, na Rua da Consolação, no Centro da cidade.

Lá, fizeram uma concentração simbólica enquanto o desembargador Rafael Pugliese conduzia, pela internet, uma reunião de conciliação entre entregadores e empresas de aplicativos. A reunião, no fim das contas, precisou ser interrompida por problemas de conexão no computador do magistrado. Uma nova data será anunciada pela Justiça.

Essa seria a primeira rodada de negociações entre os motoboys e as cinco principais plataformas de entrega por aplicativo, Uber Eats, iFood, Rappi, Loggi e Lalamove. Do lado dos manifestantes, estiveram o presidente da UGT, Ricardo Patah, e o presidente em exercício do Sindimoto, Gerson Silva Cunha.

“As empresas começaram apresentando o posicionamento padrão delas, de que não reconhecem a necessidade de uma negociação na Justiça Trabalhista por não haver vínculo empregatício entre elas e os motoboys. Mas a conexão falhou e os trabalhadores não conseguiram falar”, diz Ricardo Patah. Procurados, os aplicativos não se pronunciaram.

Dia 25 de julho

Entre as reivindicações dos motoboys estão a definição de uma tabela mínima de cobrança pelo serviço e o aumento do porcentual repassado aos entregadores por serviço.

Ontem, os sindicalistas incluíram na pauta o reconhecimento de vínculo trabalhista, tema que não é consenso entre os motoboys e explica por que já há uma terceira paralisação agendada para o próximo dia 25, convocada por líderes como Paulo Lima, dos Entregadores Antifacistas, e Diógenes Souza, que lidera os grupos de WhatsApp em São Paulo.

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:

Fonte: Infomoney

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!