fbpx

Estas duas perguntas podem dizer o quanto você é feliz

Não existe receita que garanta a felicidade, mas nossas escolhas podem apontar a direção para uma vida mais satisfatória

access_time

16 jul 2018, 13h20 – Publicado em 16 jul 2018, 13h16

São Paulo – No último ranking divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU), que mede o quão os países são felizes, o Brasil passou de 22º mais feliz do mundo para 28º, caindo seis posições. Sim, o povo brasileiro está mais triste e as razões são as mais diversas possíveis: as incertezas políticas e econômicas, a violência – principalmente nas grandes cidades, a falta do básico para grande parte da população estão entre os motivos que mais entristecem as pessoas por aqui.

Embora existam razões de sobra para sermos um povo triste e pessimista, o brasileiro ainda consegue, diante de cenários controversos e desafiadores, encarar a vida com certa leveza e otimismo. Não à toa, o país sempre esteve entre os primeiros no levantamento do Instituto Gallup World Poll que mede o otimismo das pessoas em todo o mundo.

Rankings e pesquisas à parte, o conceito felicidade pode ser diferente para cada indivíduo. A verdade é que não existe uma fórmula para ser feliz, mas existem escolhas que podem levar a uma vida plena, satisfatória e, consequentemente, mais feliz.

Dan Buettner, pesquisador, autor de diversos livros sobre felicidade e idealizador do projeto Blue Zones, que tem como objetivo melhorar a qualidade de vida das pessoas, tem feito duas perguntas simples que podem direcionar e até medir o quanto as pessoas são felizes:

Você acha que a vida é curta ou longa?

Você acha que a vida é fácil ou difícil?

Segundo Buettner, pessoas que respondem que a vida é longa e fácil estão no topo da escala da felicidade. “Alguns estudos mostram que pessoas que pensam que a vida é longa e fácil são mais felizes do que aquelas que pensam que a vida é curta e difícil, curta e fácil ou até mesmo longa e difícil”, afirmou.

Além dessas duas perguntas, Buettner acredita que as pessoas devem fazer outros tipos de questionamentos todos os dias, como, por exemplo, “o que me anima todas as manhãs?”, a fim de medir e monitorar o grau de satisfação com as próprias escolhas, pois são elas as responsáveis por nossa felicidade.

(function(d){var id=”facebook-jssdk”;if(!d.getElementById(id)){var js=d.createElement(“script”),ref=d.getElementsByTagName(“script”)[0];js.id=id,js.async=true,js.src=”https://connect.facebook.net/pt_BR/all.js”,ref.parentNode.insertBefore(js,ref)}})(document)

Fonte: Exame

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!