fbpx

F1 – FIA bane modo de classificação das UPs a partir de Monza | Autoracing | F1 | Indy | MotoGP

UP Mercedes

A Fórmula 1 vai proibir as equipes de alterar os níveis de desempenho do motor durante um fim de semana inteiro de corrida. A mudança, que entrará em vigor para o GP da Itália entre 4 a 6 de setembro, impedirá o uso de modos de alta potência usados na classificação.

A FIA diz que está fazendo a mudança para que os complexos motores V6 turbo-híbridos modernos sejam mais fáceis de policiar.

A FIA também alega que trata-se de uma medida de confiabilidade das UPs, mas a verdade é que os rivais acreditam que a Mercedes tem uma vantagem nessa área e que a mudança pode aproximar o grid.

Usar um único modo de motor efetivamente banirá os aumentos de potência usados na classificação e por breves períodos nas corridas, porque as equipes não podem se dar ao luxo de operar seus motores no nível de desempenho máximo o tempo todo sem causar sérios problemas de confiabilidade.

Por que isso está acontecendo?
A FIA disse que o uso de vários modos de motor durante um fim de semana estava abrindo uma área cinzenta onde não podia ter certeza de que todas as UPs estavam em conformidade com o regulamento em todos os momentos.

A multiplicidade de modos significa que, de fato, a FIA está tendo que contar com uma média de pontos de dados para monitorar como cada motor está funcionando.

Isso significa que há momentos potencialmente em que um motor pode estar operando fora das regras e a FIA não é capaz de saber.

Ao restringir as equipes a um modo, a FIA diz que será capaz de monitorar os motores o tempo todo, removendo essa “área cinzenta”.

Uma preocupação secundária é que a FIA acha que ter muitos de modos de motor corria o risco de transgredir uma regra que exige que os pilotos atuem “sozinhos e sem ajuda”.

A FIA sentiu que os modos estavam sendo alterados com tanta frequência, por instrução dos engenheiros, que os pilotos não sabiam como cada modo estava afetando o desempenho e a confiabilidade do carro.

Como vai funcionar na prática?
As equipes mudam os modos do motor ao longo dos finais de semana desde os anos 90 e continuaram fazendo isso desde que os motores V6 turbo híbridos de 1,6 litros foram introduzidos em 2014.

Na década de 80 a maioria das equipes tinham motores específicos de classificação, que podiam chegar a 1.400 hp. A FIA então proibiu motores de classificação e obrigou as equipes a usarem o mesmo motor na corrida e classificação. Desde então, com a ajuda da eletrônica, que tomou conta dos carros no fim da década de 80 e início da de 90, as equipes foram capazes de introduzir modos de motor usando potência máxima na classificação e depois em alguns momentos das corridas, como para ultrapassar ou se defender de uma ultrapassagem.

Atualmente, com a severa restrição de número de UPs por temporada, as equipes operam o motor com potência mais baixa nos treinos livres e, em seguida, aumentam a potência progressivamente durante a classificação até que esteja em seu modo de potência máxima quando a classificação atinge seu clímax no Q3.

Na corrida, a potência é reduzida novamente para um modo que proporcione o melhor compromisso de desempenho e confiabilidade, mas os pilotos ainda têm acesso aos modos de potência mais alta por períodos limitados, por exemplo, para realizar uma ultrapassagem ou se defender dela, depende de quão cheias as baterias estão naquele momento.

Agora, os motores terão que funcionar com o mesmo nível de desempenho que usam na classificação o tempo todo durante o fim de semana de corrida.

As únicas exceções serão as voltas imediatamente após deixar os boxes ou retornar aos boxes, durante um período de safety car, ou qualquer volta que seja pelo menos 20% mais lenta do que a volta mais rápida daquela sessão em pista.

Essas exceções significam que as equipes ainda poderão usar voltas lentas para recarregar as baterias no sistema híbrido.

Isso mudará a competitividade?
A Mercedes tem sido dominante na classificação deste ano, com um carro que em uma única volta é quase um segundo mais rápido em média do que seu rival mais próximo.

Esta vantagem de desempenho não é tão acentuada nas corridas, e rivais de equipes que usam outros motores dizem que a Mercedes deu um passo à frente notável com o modo de potência máxima usado na classificação em comparação com qualquer outro fabricante este ano.

Como resultado, eles acreditam que esta nova regra pode permitir que outras equipes diminuam muito a diferença para a Mercedes na classificação.

No entanto, é altamente improvável que restringir os modos do motor remova toda, ou mesmo a maioria da vantagem de classificação da Mercedes.

E embora alguns acreditem que a mudança pode aproximar o grid na classificação, o chefe da Mercedes F1, Toto Wolff, disse que a equipe pode usar a mudança a seu favor, pois permitirá que eles usem o motor com maior potência nas corridas do que antes.

Wolff disse: “Acho que vai realmente nos ajudar na corrida porque se você puder evitar danificar sua UP nessas poucas voltas de classificação que você tem disponível no Q3 e em algumas voltas ímpares na corrida, as métricas de danos caem drasticamente.

“Portanto, cinco voltas do modo de classificação não feitas nos dão 25 voltas de mais desempenho na corrida.”

“Isso é algo que acreditamos que nos dará mais desempenho. Se nos machucar na classificação, e não temos certeza disso, irá machucar todos os outros da mesma forma.”

Se favorecer qualquer equipe, provavelmente será a Ferrari, que se acredita ter a menor potência na classificação, como resultado da forma como uma série de mudanças nas regras desde a temporada passada afetaram o desempenho de sua UP.

E as equipes mais susceptíveis de serem prejudicadas são as equipes de clientes da Mercedes, Racing Point e Williams, que estão em batalhas acirradas com rivais e podem ter sua competitividade na classificação afetada.

No entanto, se Wolff estiver certo, sua equipe e as clientes terão vantagem nas corridas.

Clique AQUI para fazer suas apostas esportivas

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.

!function(f,b,e,v,n,t,s){if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod?
n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};if(!f._fbq)f._fbq=n;
n.push=n;n.loaded=!0;n.version=’2.0′;n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window,
document,’script’,’https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);
fbq(‘init’, ‘1394990003897405’); // Insert your pixel ID here.
fbq(‘track’, ‘PageView’);

Fonte: R7

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais