fbpx

F1 – Organizações de direitos humanos pedem ajuda a Lewis Hamilton

Hamilton faz a saudação Black Power no pódio

Inúmeras organizações de direitos humanos pediram ao campeão de Fórmula 1 Lewis Hamilton para boicotar o GP da Arábia Saudita ainda este ano, ou se manifestar contra os abusos dos direitos humanos do reino.

Em uma carta enviada nesta segunda-feira, 45 grupos pediram ao piloto britânico para “reconsiderar” sua participação na corrida na Arábia Saudita, citando a guerra em curso no Iêmen, a detenção de ativistas dos direitos das mulheres e o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.

“Pela primeira vez na história da Fórmula 1, a Arábia Saudita sediará uma corrida em 2021. Achamos que essa corrida é um lugar-chave para fazer uma declaração sobre os direitos humanos”, diz a carta.

Os signatários da carta incluíram Code Pink, Americans for Democracy & Human Rights no Bahrain, Fundação de Ajuda e Reconstrução do Iêmen, Freedom Forward e Serviço Internacional para Os Direitos Humanos.

Hamilton, que detém o recorde conjunto de títulos do Campeonato Mundial de Pilotos, foi politicamente franco no passado.

No ano passado, ele usou um capacete com um punho erguido e um tributo ao movimento Black Lives Matter após a morte de George Floyd em Minneapolis. O campeão mundial é o único piloto negro na história do esporte.

Defesa corajosa
Mais tarde, em 2020, após receber cartas de vítimas de opressão no Bahrain, incluindo do filho de um homem no corredor da morte, Hamilton denunciou abusos de direitos humanos no reino antes do Grande Prêmio de lá.

Ele disse que, como um esporte que percorre o mundo, a Fórmula 1 precisava “fazer mais” para avançar nos direitos humanos globalmente.

“A questão dos direitos humanos em muitos dos lugares que vamos é um problema consistente e massivo”, disse ele. “É muito, muito importante. Este ano mostrou como é importante não só para nós, como esporte, mas para todos os esportes ao redor do mundo utilizar a plataforma que temos e pressionar por mudanças.”

Na segunda-feira, os grupos de direitos disseram que Hamilton deveria estender seu ativismo à Arábia Saudita.

“Esperamos que você escolha continuar sua corajosa defesa na Fórmula 1 e falar sobre as questões de direitos humanos que ocorrem nos países onde você corre”, diz a carta.

“Sua voz pode ser fundamental neste movimento para libertar os defensores dos direitos humanos das mulheres na Arábia Saudita e acabar com o sofrimento de milhões de pessoas no Iêmen.”

Os defensores dos direitos há muito levantam preocupação com a decisão da Fórmula 1 de organizar corridas em países com registros preocupantes de direitos humanos.

O GP do Bahrain vinha enfrentando um maior escrutínio desde 2011, quando foi cancelado em meio a uma violenta repressão das forças de segurança e de uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita contra manifestantes pró-democracia.

O GP da Arábia Saudita de 2021, que acontecerá na cidade de Jeddah, no Mar Vermelho, foi anunciado no final de 2020 e está marcado para acontecer em 12 de dezembro deste ano.

“Com 70% da população com menos de 30 anos, os sauditas querem ser como o resto do mundo – eles querem ir aos maiores eventos ao vivo, querem se divertir e estão abraçando e acolhendo novas oportunidades”, disse um comunicado da Fórmula 1 anunciando o GP em novembro passado.

“A Fórmula 1 tem trabalhado duro para ser uma força positiva em todos os lugares que corre, incluindo benefícios econômicos, sociais e culturais.”

Lavagem esportiva
Trazer eventos globais e entretenimento para o reino tem sido parte do plano declarado do príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman de transformar a sociedade saudita e afastá-la das normas ultraconservadoras.

Mas os críticos dizem que permitir que a Arábia Saudita sedie torneios esportivos internacionais ajuda seus governantes a normalizar seu comportamento, afastando a atenção das violações de direitos bem documentadas de Riade, incluindo sua repressão à dissidência e seu papel principal na guerra no Iêmen – a pior crise humanitária do mundo. O conceito é conhecido como lavagem esportiva.

Em sua carta na segunda-feira, a organização de defesa pediu a Hamilton que usasse sua plataforma para conscientizar sobre os abusos no reino, se ele decidisse participar da corrida ainda este ano.

“Sr. Hamilton, acreditamos que há muitas maneiras de você fazer uma declaração nesta corrida. Usar sua plataforma pode ser tão simples quanto tuitar a história de Loujain al-Hathloul e pedir ao governo saudita que #FreeLoujain incondicionalmente levantando sua proibição de viajar, deixando sua família viajar e retirando suas acusações”, diz a carta.

Hathloul foi libertada no início deste mês após 1.001 dias de prisão por acusações relacionadas à sua defesa feminista, incluindo o ativismo contra a proibição de mulheres dirigirem carros do reino, que foi levantada pouco antes de ser presa em 2018.

Embora não esteja mais na prisão, a ativista, que enfrentou tortura e assédio sexual na detenção, segundo sua família, ainda está sob proibição de viajar.

Autoridades sauditas negam que Hathloul foi torturado e dizem que o caso foi uma questão criminal tratada pelo que eles descrevem como o judiciário independente do reino.

Em sua carta, os grupos de direitos se ofereceram para fornecer mais recursos e informações a Hamilton sobre abusos cometidos pelo reino.

“Dado que Loujain foi punido por dirigir, você poderia colocar um adesivo de Loujain em seu carro durante a corrida. Outra sugestão é que você use uma camisa no dia da corrida pedindo ao governo saudita que #FreeLoujain e pare sua guerra contra o Iêmen”, disseram eles.

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.

!function(f,b,e,v,n,t,s){if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod?
n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};if(!f._fbq)f._fbq=n;
n.push=n;n.loaded=!0;n.version=’2.0′;n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window,
document,’script’,’https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);
fbq(‘init’, ‘1394990003897405’); // Insert your pixel ID here.
fbq(‘track’, ‘PageView’);

Fonte: R7

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais