fbpx

F1 – Setor 3 é crucial em Hungaroring | Autoracing | F1 | Indy | MotoGP

sexta-feira, 2 de agosto de 2019 às 19:45

Hungaroring

Hungaroring é uma das pistas mais curtas do atual calendário da F1, mas encontrar a melhor aderência para uma volta de classificação é bastante difícil em torno do desenho apertado e sinuoso da pista. Balázs Szabó, da F1Technical estava acompanhando a ação de hoje in loco de diferentes pontos da pista para observar o comportamento dos carros.

A pista de 4.381km é toda sobre curvas, a maioria lenta, e todas chegam em rápida sucessão. Há um total de quatorze curvas e somente a reta principal é uma seção longa de pé cravado. Os pilotos muitas vezes precisam aplicar o acelerador de forma agressiva nas saídas das curvas lentas e isso também coloca carga enorme nos pneus. Estas características únicas – que estão mais para de circuito de rua – significam que os pneus dificilmente têm chance de esfriar.

Para aumentar ainda mais a pressão sobre a borracha, as temperaturas médias tendem a ser altas na Hungria nessa época do ano, apesar de nem tanto esse ano. Também aumenta a degradação térmica durante períodos mais longos.

Na verdade, os pilotos não precisam apenas descobrir a melhor maneira de gerenciar os pneus da melhor maneira possível para mantê-los vivos durante a corrida, mas também devem gerenciá-los em uma única volta voadora. O primeiro setor consiste em três curvas, dos quais o primeiro é lento e ligeiramente em descida. O segundo começa em uma curva longa, onde os pilotos precisam ser pacientes por um tempo relativamente longo. A curva 4 também é crucial, pois os pilotos a fazem em alta velocidade, colocando cargas enormes nos pneus. As curvas seguintes seguem uma a outra em rápida sucessão, o que significa que o calor dentro dos pneus aumenta constantemente no setor médio do circuito.

Balázs Szabó passou a maior parte do tempo durante o TL1 entre as curvas 12 e 14. Essas curvas representam um teste real para avaliar a eficácia de um carro e um piloto para tratar os pneus em uma única volta de classificação. Embora os pilotos tenham tido problemas com o aquecimento dos pneus em alguns circuitos até agora este ano, foi relativamente fácil hoje levar a borracha até a temperatura certa. Embora não estivesse ensolarado hoje, ainda estava quente e a sucessão de curvas significava que uma volta de instalação era o suficiente para preparar os pneus para a volta voadora.

Na verdade, o composto mais macio do fim de semana da Pirelli, o C4 proporcionou aos pilotos a melhor aderência na primeira volta voadora e apenas alguns deles conseguiram um melhor tempo em uma segunda ou terceira volta rápida. Entre as voltas voadoras durante as mesmas passagens, os pilotos da Ferrari, Charles Leclerc e Sebastian Vettel e o piloto da Mercedes, Lewis Hamilton, deram aos pneus duas ou três voltas para esfriar os pneus antes de forçarem na volta seguinte.

O rápido superaquecimento dos pneus forçou os pilotos a serem pacientes no primeiro segmento de sua volta voadora para manter as temperaturas sob controle. Observando o comportamento dos carros perto das curvas finais, Lewis Hamilton e Sebastian Vettel conseguiram controlar melhor seus pneus macios. Ambos os campeões mundiais foram rápidos nos dois primeiros setores, mas conseguiram evitar derrapagens.

Isso permitiu que eles tivessem uma boa aderência no eixo traseiro do carro, o que significava que seus carros estavam razoavelmente estáveis ​​em torno da difícil curva 14 de 180 graus. O desempenho de Hamilton na última curva traz uma mudança vital em relação ao ano passado, quando ele lutava por uma traseira estável durante toda a corrida.

Contrastando com eles, Charles Leclerc alcançou um ritmo similar nos primeiros setores do circuito na primeira volta de seu segundo stint durante o TL1, mas o monegasco derrapou muito em várias curvas, produzindo muito calor nos pneus. Como consequência, Leclerc foi incapaz de manter o nível de aderência necessário para a sequência final de curvas e perdeu muito tempo na curva 14, perdendo o controle sobre a traseira de seu SF90.

Espera-se que o sol retorne no treino de classificação, o que significa que os pilotos terão que encontrar o ritmo certo para serem rápidos na primeira metade de suas voltas voadoras, sem sobrecarregar os pneus para obter o melhor desempenho.

AS – www.autoracing.com.br

Tags
f1 gp hungria 2019, f1 hungria, lewis hamilton hungria, pista da hungria, setor 3 hungaroring, vettel hungria 2019

ATENÇÃO: Comentários com textos ininteligíveis ou que faltem com respeito ao usuário não serão aprovados pelo moderador.

!function(f,b,e,v,n,t,s){if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod?
n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};if(!f._fbq)f._fbq=n;
n.push=n;n.loaded=!0;n.version=’2.0′;n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window,
document,’script’,’https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);
fbq(‘init’, ‘1394990003897405’); // Insert your pixel ID here.
fbq(‘track’, ‘PageView’);
(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “http://connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Fonte: R7

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!