fbpx

Falta de gasolina nos postos gera pânico, cria ‘caçada’ por produtos e já ameaça serviços essenciais no Reino Unido

A escassez de combustíveis no Reino Unido já vem causando temor em relação à possível paralisia de serviços essenciais, como saúde e educação. Há apelos para que os profissionais dessas áreas tenham prioridade nos abastecimentos de seus carros para não ficarem longe de hospitais, escolas e redes de assistência social, por exemplo.

A Associação de Varejistas de Petróleo do país estimou, nesta segunda-feira (27), que ao menos 90% dos postos de combustíveis do Reino Unido já estavam secos.

A falta de combustíveis já causa pânico e longa filas nos postos há dias. Moradores do país têm feito vigílias nos locais de venda, mas têm saído deles com o tanque dos carros sem nenhuma gota de gasolina.

A crise que atinge os britânicos remonta ao déficit de motoristas de caminhões pesados —um cálculo do governo estima que o país necessitaria de até 100 mil profissionais dessa área.

Com um número de motoristas bem abaixo do necessário, o fornecimento de combustível e mercadorias foi drasticamente afetado. Imagens de supermercados lotados de clientes, que têm feito uma caçada por produtos fundamentais nas refeições, também têm sido a tônica da crise que atinge em cheio a administração do primeiro-ministro Boris Johnson.

Chaand Nagpaul, presidente da Associação Médica Britânica, disse à imprensa local que exigiu do governo apoio aos profissionais essenciais, para que eles consigam ter combustível em seus veículos durante a crise.

“Na medida em que as bombas secam, há um risco real de que os funcionários do NHS [o equivalente ao SUS] não sejam capazes de fazer seu trabalho, e fornecer serviços vitais e cuidados às pessoas que precisam urgentemente”, afirmou Nagpaul, em comunicado divulgado nesta segunda.

Patrick Roach, secretário-geral do sindicato dos professores, também afirmou que a escassez contínua de combustível pode causar “sérias dificuldades para a oferta de educação”.

“Para muitos professores, o uso do transporte público simplesmente não é uma opção”, disse ele, também por meio de um comunicado, na segunda.

“O governo deve considerar urgentemente tornar os professores um grupo prioritário para o acesso ao abastecimento de gasolina e diesel disponíveis localmente. Sem essa intervenção, muitos docentes lutarão para chegar aos seus locais de trabalho a tempo”, complementou.

No entanto, nem todos estão convencidos de que reservar combustível para certas categorias é uma boa ideia.

Joe Armitage, analista-chefe de política britânica, disse que o governo precisava garantir que as pessoas possam comprar o combustível necessário, “mas sem limites draconianos ou reservando postos de combustível específicos para trabalhadores-chave”.

“Isso cria mais complexidade e, muitas vezes, você tem apenas um membro do pessoal em cada posto de gasolina —não acho que a praticidade seja viável para isso”, disse ele, à CNBC, nesta terça (28).

Governo e a crise

Apesar da luta dos motoristas para acessar o gás, ministros do governo têm insistido que o Reino Unido tem fortes suprimentos de combustível e instou os consumidores a comprá-lo normalmente.

Mas, na segunda, o Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial do Reino Unido confirmou que um número limitado de motoristas de petroleiros militares seria utilizado para ajudar a estabilizar a cadeia de suprimentos.

“Embora a indústria de combustíveis espere que a demanda volte aos seus níveis normais nos próximos dias, é certo que tomemos essa medida sensata e preventiva”, disse o ministro dos Negócios Kwasi Kwarteng em um comunicado.

“Se necessário, a implantação de militares fornecerá à cadeia de suprimentos capacidade adicional como medida temporária para ajudar a aliviar as pressões causadas por picos na demanda localizada por combustível.”

O governo também anunciou, na segunda, que os motoristas com licenças que os autorizam a transportar mercadorias perigosas como combustível poderão estendê-las até janeiro, se expirarem antes do final do ano.

Brexit

Em uma pesquisa de junho realizada pela Associação de Transporte Rodoviário do Reino Unido, o Brexit foi apontado como a maior causa da escassez de motoristas por mais de 600 participantes, com 58% dos entrevistados citando a saída da Grã-Bretanha da UE como uma razão para os números esgotados.

Já um relatório de maio do “Thinktank Driver Require” disse que o setor “dependia fortemente dos motoristas da UE para evitar uma crise de oferta no caso de um rápido aumento da demanda”, e afirmou que o Brexit havia “alienado os trabalhadores da UE”.

O Brexit, porém, não é a única causa da crise. A pandemia Covid-19 levou muitos trabalhadores estrangeiros a deixar o Reino Unido, muitos dos quais não retornaram. As mudanças nas regulamentações trabalhistas também assumiram parte da culpa por exacerbar a escassez de profissionais da área.

(Com informações de agências)

Analista TOP 3 em rentabilidade de curto prazo compartilha seu método exclusivo na Bolsa

Fonte: Infomoney

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais