fbpx

Fiocruz detecta alta prevalência de variantes de Covid-19 dispersas pelo país

Um estudo da Fundação Oswaldo Cruz divulgado nesta quinta-feira detectou uma alta prevalência de variantes da Covid-19 dispersas nas três regiões brasileiras analisadas –Sul, Sudeste e Nordeste–, ao citar a alta circulação de pessoas e o aumento da propagação do vírus como motivos para essa ocorrência.

O levantamento, do Observatório Covid-19 Fiocruz, que contou com o apoio do Ministério da Saúde, apontou que, de oito Estados analisados, somente em dois não houve uma prevalência da mutação associada às variantes do vírus da Amazônia, do Reino Unido e da África do Sul superior a 50%.

Isso ocorreu, segundo comunicado do órgão, em Minas Gerais, com 30,3% das amostras testadas como positivo para a mutação e, Alagoas, com 42,6%.

Em outros seis estados pesquisados essa prevalência superou a metade da população analisada: Ceará, 71,1%; Pernambuco, 50,8%; Rio de Janeiro, 62,7%; Paraná, 70,4%; Santa Catarina, 63,7%; e Rio Grande do Sul, 62,5%.

No comunicado, a Fiocruz defende que se adote medidas para reduzir a circulação de pessoas, com medidas mais rigorosas de restrição de atividades, e a necessidade de um pacto nacional para enfrentamento da pandemia no país.

“Até o momento, não têm sido observada uma clara associação dessas variantes com uma evolução clínica mais grave, mas estudos adicionais estão em andamento para esclarecer aspectos relacionados com o sequenciamento genético dessas variantes, bem com sua transmissibilidade e o real impacto dessas variantes na dinâmica de ocorrência da Covid-19”, disse o estudo.

Veja também:

Hospital Universitário recebe mais 22 leitos para ala Covid


Reuters – Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

  • separator

Fonte: Terra

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais