Fique por dentro – Princípio da Legalidade Penal: Resumo para Carreiras Policiais

No presente resumo sobre o princípio da legalidade penal, trataremos de um tema de altíssima incidência nas provas para as carreiras policiais.

Os concursos da área de Segurança Pública prometem inúmeras vagas neste ano.

Confira aqui o levantamento realizado pela equipe do Estratégia.

Princípio da Legalidade Penal: Resumo para Carreiras Policiais

Tópicos a serem vistos:

  • Aspectos introdutórios
  • Princípio da Anterioridade(Lex Praevia)
  • Lex Scripta
  • Lex Stricta
  • Princípio da Taxatividade(Lex Certa)

Vamos lá.

ASPECTOS INTRODUTÓRIOS

O princípio da legalidade penal encontra previsão constitucional. Veja-se:

Art. 5º, XXXIX – não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação legal;

Ademais, denotando-se o grau de importância que possui para o Direito Penal, é disciplinado logo no art.1º do Código Penal.

No ordenamento jurídico pátrio, em matéria penal, a competência legislativa é privativa da União(art.22,I, da Constituição Federal.)

Somente lei em sentido estrito, emanada do Poder Legislativo, poderá criar tipos penais e cominar penas. Assim, veda-se a edição de medidas provisórias sobre matéria relativa a Direito Penal, conforme disciplina o art.62 da Constituição Federal, in verbis:

§ 1º É vedada a edição de medidas provisórias sobre matéria:                (Incluído pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)

I – relativa a:              (Incluído pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)

b) direito penal, processual penal e processual civil;           (Incluído pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)

Destaca-se, entretanto, que seguindo entendimento majoritário da doutrina, o Supremo Tribunal Federal já admitiu a existência de medidas provisórias em matéria penal, desde que mais benéficas aos acusados.

Ademais, o doutrinador Rogério Sanches Cunha acrescenta:

 “..também é inadmissível que a lei delegada verse sobre direito penal, com fundamento no artigo 68, §1º, CF/88, uma vez que a redação do dispositivo, a um só tempo, impede a delegação de atos de competência exclusiva do Congresso Nacional e veda que a lei delegada discipline sobre direitos individuais, matéria ínsita a toda norma penal. Por fim, resoluções de quaisquer espécies (TCE, CNJ, CNMP, dentre outros) não podem criar infrações penais, portanto não são lei em sentido estrito. (CUNHA, 2015, p.84)

Passaremos a expor as funções do referido princípio.

LEX PRAEVIA – PRINCÍPIO DA LEGALIDADE PENAL

Trata-se do princípio da anterioridade em matéria penal.

Assim, é proibida a aplicação da lei penal incriminadora a fatos praticados antes de sua vigência.

Com isso, veda-se que alguém seja punido por fato que, ao tempo da ação ou da omissão, era considerado um indiferente penal, ante a inexistência de lei penal incriminando-o.

Destaca-se que, de forma excepcional, admite-se a retroatividade da norma penal, desde que para beneficiar o agente.

LEX SCRIPTA – PRINCÍPIO DA LEGALIDADE PENAL

É vedado o costume incriminador.

Como somente a lei pode criar crimes e penas, é proibido o uso do direito consuetudinário para fundamentar a punição do agente.

Assim, mesmo que tratados e convenções internacionais contenham mandados de criminalização, é vedado utilizar o costume internacional para criminalizar ou agravar penas.

Somente a edição de lei formal é apta a criminalizar condutas no âmbito interno.

LEX STRICTA – PRINCÍPIO DA LEGALIDADE PENAL

Além disso, o princípio da legalidade proíbe o uso da analogia in malam partem no âmbito penal.

Assim, se o fato não tiver sido expressamente previsto pelo legislador, não cabe ao intérprete utilizar a analogia em prejuízo do agente.

Nesse sentido, posiciona-se o STJ:

A jurisprudência desta Corte não admite a imposição de multa por litigância de má-fé na seara penal, por considerar que sua aplicação constitui analogia in malam partem, sem contar que a imposição de tal multa não prevista expressamente no Processo Penal, implicaria em prejuízo para o réu na medida em que inibiria a atuação do defensor. Precedentes” (AgRg nos EDcl nos EAREsp 316.129/SC, j. 25/05/2016)

Destaca-se, entretanto, que a analogia in bonam partem é permitida no Direito Penal.

LEX CERTA – PRINCÍPIO DA LEGALIDADE PENAL

Trata-se do princípio da taxatividade em matéria penal.

O tipo penal deve ser claro e preciso, a fim de que seja de fácil entendimento pela população.

Assim, é vedada a criação de tipos penais vagos e imprecisos.

Nas lições de Paulo de Souza Queiroz(Direito Penal – Introdução crítica, p. 23-24):

“O princípio da reserva legal implica a máxima determinação e taxatividade dos tipos penais, impondo-se ao Poder Legislativo, na elaboração das leis, que redija tipos penais com a máxima precisão de seus elementos, bem como ao Judiciário que as interprete restritivamente, de modo a preservar a efetividade do princípio.”

FINALIZANDO – PRINCÍPIO DA LEGALIDADE PENAL

Chegamos ao fim do nosso resumo sobre o princípio da legalidade penal para carreiras policiais.

Caso queira ter a mais completa preparação para o seu concurso público, invista nos cursos completos do Estratégia Concursos. Lá você encontrará tudo o que precisa para atingir o cargo dos seus sonhos.

Além disso, é essencial acompanhar a evolução dos seus estudos por meio do Sistema de Questões do Estratégia, não deixe para marcar o “x” somente no dia da prova.

Grande abraço a todos.

Victor Baio

Assinatura de Concursos

Assinatura de 1 ano ou 2 anos

Sistema de Questões

Assinatura de 1 ano ou 2 anos

Créditos:

Estratégia Concursos

Acesse também o material de estudo!

Deixe uma resposta Cancelar resposta