fbpx

Homossexuais morrem de Aids na África por leis homofóbicas

Milhares de homens homossexuais na África provavelmente estão morrendo de doenças relacionadas ao HIV todos os anos devido a leis homofóbicas que abafam suas chances de serem testados e tratados, disseram pesquisadores de um estudo publicado nesta segunda-feira na revista The Lancet HIV.

Um estudo dos dados de 45.000 homossexuais em 28 países africanos, incluindo Quênia, Malawi e Nigéria, mostrou que apenas um em cada quatro com HIV estava tomando medicação.

Metade fez teste de HIV/Aids nos últimos 12 meses, e os pesquisadores disseram que as baixas taxas se devem a leis anti-LGBT+ em muitos países africanos que promoveram estigma e discriminação e negligenciaram programas de HIV/Aids direcionados a homens gays.

Caixa de medicamento contra o HIV antes de ser entregue a paciente soropositivo em Nairóbi 29/11./2018 REUTERS/Baz Ratner

Foto: Reuters

“Descobrimos que países que tinham leis anti-LGBT mais repressivas ou penas mais severas para relações entre pessoas do mesmo sexo tinham níveis mais baixos de tests para HIV”, disse Kate Mitchell, uma das pesquisadoras do Imperial College de Londres que participou do estudo.

“Alguns estudos sugeriram que isso se devia ao estigma. Mais pesquisas são necessárias para verificar se, caso essas leis sejam revogadas, mais homens gays serão testados e tratados.”

Segundo a Organização das Nações Unidas, cerca de 470.000 pessoas com HIV na África ainda morrem todos os anos porque não podem ou não conseguem testes e acesso ao tratamento, representando mais de 60% de todas as mortes relacionadas ao HIV no mundo.

Embora não haja dados oficiais sobre o número de mortes de homens que fazem sexo com homens, Mitchell disse que seria justo estimar que milhares de homossexuais que desconheciam ou não podiam obter medicação morrem todos os anos.

Veja mais:

Startup “gamifica” o aprendizado de alunos de medicina

 

Reuters
Reuters – Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

  • separator

Fonte: PORTAL TERRA – VIDA E ESTILO

Jornais Virtuais