Jorge Sampaoli minimiza sequência ruim do Santos: ‘Nós trabalhamos para ganhar’ – Esportes

Desde que goleou o Goiás por 6 a 1, no dia 4 de agosto, pela 13.ª rodada, o Santos não sabe o que é passar por uma boa fase no Campeonato Brasileiro. Da liderança isolada naquela época, o time caiu de produção nas sete partidas seguintes e agora está em terceiro lugar, oito pontos do agora líder Flamengo. Nesse período, venceu apenas uma vez – a Chapecoense, fora de casa – empatou outras duas e colecionou, com o 3 a 0 para o Grêmio no sábado, a quarta derrota.

Com o time em má fase surgem as críticas e os protestos da torcida. Na Vila Belmiro, após o segundo revés seguido no Brasileirão, não foi diferente e quem procurou defender o elenco foi o técnico argentino Jorge Sampaoli, que procurou minimizar o ocorrido.

“Nós trabalhamos para ganhar. Vou repetir, vocês analisam resultados. As pessoas, o mundo analisam resultados. Hoje nos convertem em perdedores. Temos de corrigir o que passou, melhorar as situações nunca mudando o estilo. Se a equipe não tivesse resposta com estilo aí me preocuparia. A torcida ficará perto na vitória e protestará na derrota. Não me gera incomodo porque é parte do jogo. Estamos relacionados em ganhar ou perder, vocês também. Se não ganha você vira inútil. Se não separarmos como profissionais de verdade somos cúmplices na realidade que se vive cotidianamente”, afirmou.

Com seu estilo nervoso de comandar o time à beira do campo, Sampaoli tem sofrido com a arbitragem. Por conta de seu destempero, o argentino coleciona cartões amarelos – já são seis no total – e agora terá de cumprir mais uma suspensão automática. Será contra o Fluminense, na próxima quinta-feira, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

Para esse jogo, o treinador pensará no que fazer com tantos estrangeiros no elenco – são seis ao todo. Ele só pode escalar cinco na súmula em uma partida e o escolhido para ficar de fora contra o Grêmio foi o atacante paraguaio Derlis González. “Cada partida tem uma característica. Hoje (sábado) pensamos por Derlis pela característica que poderíamos precisar. Foi uma decisão tática. Contar com seis estrangeiros acaba sendo mais inconveniente que solução. E escolhemos o Cueva”, explicou.

Sobre a derrota, Sampaoli lamentou que o Santos não concretizou a sua superioridade que teve na primeira metade da partida. “Podemos analisar os 45 minutos finais ou os iniciais, quando fomos superiores. O Grêmio teve uma finalização no primeiro tempo. No segundo tempo encontraram um gol de bola parada. E lamentavelmente o esforço que fizemos a equipe seguiu buscando contra uma equipe com muito potencial. Seguimos buscando no segundo tempo. Não pudemos concretizar tanto domínio”, afirmou.

Fonte: R7

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: