Líderes em Davos compreendem que é hora de agir pelo clima

A mudança climática esteve no centro das atenções no 50º Fórum Econômico Mundial, como nunca antes. O mundo empresarial parece ter compreendido a urgência da situação, opina Manuela Kasper-Claridge.Chega de falar, é hora de agir: nunca, nos 50 anos de história do Fórum Econômico Mundial, os problemas do mundo foram discutidos de forma tão aberta e radical quanto em 2020. “Nosso planeta está pegando fogo, apaguem as chamas, senão será tarde demais”, exigiram não só os participantes jovens.

Protestos em Davos: “Mudança de sistema, não mudança climática”

Foto: DW / Deutsche Welle

Os poderosos sentiram a pressão dos que, em seus países, sofrem com a mudança climática, desigualdade social ou falta de formação. Cidades, países, bancos, fundos de aposentadoria e a indústria precisam reconsiderar, o mais tardar, agora.

Klaus Schwab, fundador do Fórum Econômico, que realmente não é conhecido por exigências radicais, enviou uma carta pessoal e urgente às centenas de membros do fórum, entre os quais diversas multinacionais: estas deveriam se comprometer imediatamente a reduzir até 2050 suas emissões de CO2, ou, melhor ainda eliminá-las mais cedo, pois a hora é de medidas concretas.

Mesmo o presidente Donald Trump, negador contumaz da mudança climática, escutou o apelo e anunciou que os Estados Unidos participarão da iniciativa 1t.org, do Fórum Econômico, cuja meta é plantar 1 bilhão de árvores por todo o mundo, nos próximos dez anos.

Pode-se dizer que se trata de acionismo, pois essas árvores dificilmente salvarão o clima mundial. Mas elas podem ser parte de um grande pacote: trata-se de gerir de forma sustentável e poupar os recursos escassos. “Proteção climática é uma questão de sobrevivência”, postulou em Davos a chanceler federal alemã, Angela Merkel, alinhando-se assim a ativistas do clima como Greta Thunberg.

Foi surpreendente a humildade dos líderes econômicos na cidade nos Alpes Suíços, diante dessa pressão: “Sim, estamos escutando vocês! Sim, vamos agir!” Blackrock, a maior administradora de capital do mundo, anunciou uma mudança radical de sua estratégia, deixando de investir em empresas prejudiciais ao meio ambiente e ao clima.

A multinacional americana Microsoft quer passar a funcionar com neutralidade climática até 2030, assim como a alemã Siemens. Trata-se de uma empreitada cara, assim como os 2 bilhões de dólares que a fabricante de alimentos suíça Nestlé pretende investir em embalagens ecológicas.

Os líderes empresariais parecem ter compreendido que esse dinheiro é bem empregado. Pois se a Terra for destruída, se seres humanos e empresas forem privados de seus meios de subsistência, ninguém sai ganhando. Garantir o futuro implica sustentabilidade. A seriedade com que isso foi formulado pelos poderosos deste mundo foi o espantoso resultado do 50º Fórum Econômico Mundial em Davos.

Manuela Kasper-Claridge é vice-editora-chefe da DW.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube

| App | Instagram | Newsletter

Deutsche Welle
A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

  • separator

Fonte: PORTAL TERRA – NOTÍCIAS

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: