fbpx

Mãe e filha são resgatadas após seis anos em condição de escravidão no Piauí | Brasil

PRF-PI/Divulgação

Após seis anos no local, as vítimas tiveram coragem para fugir

Mãe
e filha
de, respectivamente, 44 e 21 anos, foram  resgatadas
após ficarem presas em um cárcere privado
por seis anos no
Piauí

. As duas mulheres estavam vivendo em uma propriedade, na zona rural de Floriano, cidade ao sul do estado. Elas foram encontradas pelos agentes da Polícia Rodoviária Federal. 

De acordo com o agente Alexsandro Lima, uma equipe da PRF patrulhava pela BR-343 quando uma pessoa acenou à margem da rodovia. “Uma mulher acionou os policiais. Ela é amiga das vítimas e informou aos policiais que mãe e filha estavam precisando de ajuda”, disse em entrevista ao UOL
.

Segundo as informações do portal, as mulheres conseguiram escapar da casa onde eram obrigadas a realizar trabalhos domésticos
. No local, elas não tinham nenhuma remuneração e nem permissão para sair. “Nessa fuga, elas se esconderam em um colégio às margens da via. Quando os policiais chegaram, elas contaram toda a situação a qual foram submetidas. Os policiais, então, realizaram a acolhida inicial”, explicou o agente.

As vítimas disseram aos policiais que foram enganadas. Seis anos atrás elas teriam sido convidadas para trabalhar no local pelo proprietário do sítio e, na época, segundo a PRF, o homem prometeu salário mínimo e cestas básicas, o que nunca foi cumprido.

Além disso, as mulheres afirmaram receber um tratamento desumano. Diversas vezes elas ouviram dos moradores do sítio que banho era só para os patrões. Apesar disso, só tomaram coragem para fugir quando tiveram os documentos recolhidos. O dono da propriedade tomou as identidades das vítimas após elas falarem que dariam entrada ao auxílio emergencial cedido pelo Governo Federal durante a pandemia da Covid-19.

“Somente foram devolvidos após finalizar o período de recebimento do recurso. Com medo de represálias do seu patrão, elas pediram auxílio a uma amiga”, explicou o policial rodoviário federal. O proprietário do sítio foi identificado e denunciado. De acordo com a polícia, ele pode responder por sequestro, cárcere privado e redução à condição análoga à escravidão.

Fonte: Google News

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais