fbpx

Modo sobrevivência ativado

Quando o modo sobrevivência em um videogame é ativado, não é permitido pausas ao jogador, que deve continuar jogando em uma sessão ininterrupta tentando não morrer. Do contrário, “the game is over”! 

Nessa modalidade, o jogo apresenta obstáculos cada vez mais difíceis. Ao tempo em que coloca o jogador contra a parede, o modo sobrevivência funciona como um bônus, dando a ele uma última oportunidade de lambuja para que possa se redimir e aprender com erros antes cometidos e oferecer melhores respostas aos problemas e desafios. Indica, portanto, que nem tudo ainda está perdido, mas as condições de sobrevivência são precárias. 

As recentes e radicais inflexões do presidente Bolsonaro sugerem que foi ativado o modo sobrevivência em seu governo. Ora vejamos: até muito pouco tempo atrás, Bolsonaro demonizava o presidencialismo de coalizão argumentando que este era baseado em um jogo sujo de “toma lá, dá cá”. 

Queria distância dos partidos políticos e ignorava as lideranças do Congresso Nacional, rotulando-as de representantes da “velha política” e preferindo constrangê-las por meio de conexões diretas com a sociedade. Ao invés de negociar, assumiu uma postura de confronto polarizado com todos aqueles que ofereceram resistência às suas iniciativas. 

Entretanto, de uma hora para outra e contrariando tudo aquilo que havia prometido em sua campanha e durante quase 500 dias de seu mandato presidencial, se aproximou de alguns partidos políticos na tentativa tardia de montagem de uma coalizão com o Centrão (bloco informal e heterogêneo de partidos ideologicamente amorfos e não programáticos). 

Governar por meio de coalizões majoritárias e estáveis é condição sine qua non em um ambiente institucional multipartidário, especialmente hiperfragmentado como o brasileiro. 

Presidentes minoritários tendem a ser malsucedidos no Legislativo e a enfrentar problemas crescentes de governabilidade. Contudo, governar não é o único propósito de se montar coalizões multipartidárias e, em certas ocasiões, nem é o principal objetivo. 

Coalizões também são fundamentais para resguardar o presidente de iniciativas que venham a fragilizá-lo. Ou seja, funcionam como um escudo protetor e, quando bem gerenciadas, coalizões ajudam na própria sobrevivência do governo. 

Diante de fragilidades crescentes enfrentadas pelo presidente Bolsonaro com a má gerência da pandemia, com os escândalos das tentativas de interferência na Polícia Federal, possivelmente para encobertar possíveis malfeitos de seus filhos, e com a saída de Sérgio Moro do governo, ameaças de impeachment de Bolsonaro se tornaram cada vez mais críveis. 

A coalizão com o Centrão, portanto, talvez tenha se tornado o “1-up” do governo Bolsonaro. Ou seja, aquela última chance ou “vida extra” que um jogador recebe quando o modo sobrevivência é ativado. Como se trata de uma coalizão que gera apenas uma “maior minoria”, não deve ser o bastante para proporcionar governabilidade e aprovação de agendas ambiciosas. 

Entretanto, pode ser suficiente para proporcionar sobrevivência ao governo, pois impeachments no Brasil necessitam de quórum qualificado de 342 votos e, portanto, uma minoria de 172 deputados pode barrar o processo na Câmara dos Deputados. 

A vida extra dada a Bolsonaro pelo Centrão não significa a eliminação completa das dificuldades por ele enfrentadas, mas apenas uma promessa de que, por enquanto, o jogo não acabou.

Veja também:

Coronavírus: casa de repouso na Holanda reúne moradores com familiares em cabines de vidro

  • separator

Fonte: Terra

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!