Mourão faz posicionamento firme sobre contratação dos oficiais » FDR.com.br

Em meio às dificuldades enfrentadas para a concessão de benefícios da Previdência Social. A estratégia do governo pra reduzir a fila de espera, inclui a convocação de sete mil oficiais para auxiliar no atendimento. E não mais a sugestão da ideia, como havia sido previsto. A atuação dos militares no INSS foi confirmada pelo presidente em exercício, Hamilton Mourão, nesta quinta-feira (23).

Militares no INSS: Mourão faz posicionamento firme sobre contratação dos oficiais

Segundo o presidente, a ideia do governo não é convidar, como anteriormente era cogitado, mas, sim, realizar a convocação.

Os militares no INSS vão atuar nos guichês de atendimento, recebimento, triagem e etc. E surge para contornar o entendimento do TCU de que contratar apenas militares iria romper o princípio de impessoalidade.

Leia também: INSS: como o Instituto tentou combater os atrasos antes da crise? Saiba 

Em entrevista a jornalistas, Mourão detalha ao TCU  que “está rompendo princípio da impessoalidade ao você direcionar a contratação exclusivamente para o grupo militar. Direciona porque é mais barato”. O mesmo ainda destaca que há outras formas de realizar o procedimento sem colocar um rompimento da impessoalidade, como ele mesmo destaca.

Segundo ele, a ideia está sendo ajustada pelo secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho. “Estou aguardando qual vai ser a decisão. Quando chegar, a gente analisa e vê o que vai fazer”, disse Mourão.

Mourão justifica que contratar civis para a função é mais burocrático e saí mais caro, observando também a realização de concursos públicos. “Se você for contratar civil, é contrato temporário. É mais caro. Aí tem que olhar a questão orçamentária.”

O ponto observado pelo presidente diz respeito ao planejamento dos custos de abertura de processo seletivo, mão de obra contratual e questões ligadas a adaptação e benefícios.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

Vale ressaltar que antes de embarcar para Índia, Bolsonaro afirmou que deixou um decreto pronto para ser publicado, mas para que seja promulgada é necessário o aval do TCU.

Juan Gouveia é graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). É redator do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças diariamente.

!function(f,b,e,v,n,t,s){if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod?
n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};if(!f._fbq)f._fbq=n;
n.push=n;n.loaded=!0;n.version=’2.0′;n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window,
document,’script’,’https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);

Fonte: Google News

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: