fbpx

Mourão REVELA que prorrogaria auxílio emergencial NESTAS condições

Hamilton Mourão, vice-presidente da República, afirmou que o governo prorrogaria o auxílio emergencial se tivesse verba para isso. O vice-presidente apoiou Paulo Guedes, ministro da Economia, que negou que o programa irá ser prorrogado depois de dezembro de 2020.

“Aquela história, né? Mais uma vez, temos dinheiro para pagar? Se tivesse dinheiro para pagar, a gente prorroga, melhora, faz qualquer coisa. Mas, se não tem dinheiro para pagar…e o ministro Guedes é o dono do cofre e o cara que sabe a situação que nós vivemos”, afirmou Mourão.

Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, também se manifestou sobre o assunto. Em sua conta no Twitter, ele compartilhou matéria sobre Guedes negar a prorrogação para além de dezembro e concordou. “A posição da presidência da Câmara é a mesma”, escreveu.

Maia apoia Guedes após “jantar da paz”, que aconteceu na última segunda-feira (05). A pacificação dos dois aconteceu após o jantar articulado por ministros que tentam aproximá-los. A aproximação é visada para que não haja travas nas pautas que o governo tem interesse em passar no Parlamento.

Inicialmente, o auxílio emergencial pagaria três parcelas de R$ 600. Ele foi prorrogado para mais duas parcelas de R$ 600. E mais recentemente teve nova prorrogação, agora para mais parcelas de R$ 300, que terminam o pagamento em dezembro. Nesta última prorrogação, os beneficiários passarão por reanálise e terão que cumprir aos novos requisitos.

Você Pode Gostar Também:

‘Acabou tudo isso’, diz Paulo Guedes sobre auxílio emergencial

Paulo Guedes, ministro da Economia, negou que haja possibilidade de prorrogar o auxílio emergencial novamente. O programa foi prorrogado recentemente para mais quatro parcelas de R$ 300. Agora, Guedes garantiu que o auxílio não se estenderá para depois de dezembro de 2020.

“O plano de auxílio e o estado de calamidade se encerram em dezembro. Não há prorrogação da calamidade. Essa articulação pela prorrogação do auxílio não existe. O ministro descredencia qualquer informação nesse sentido”, explicou Paulo Guedes durante evento para jornalistas.

O Orçamento de Guerra e o decreto de calamidade pública foram os responsáveis por permitir que o governo pudesse adotar várias ações emergenciais e aumentar os gastos públicos até dezembro de 2020, mês em que o decreto chega ao fim. Essa elevação nos gastos deve ser responsável por “rombo” nas contas do governo em R$ 900 bilhões neste ano.

Guedes não comentou sobre o Renda Cidadã, programa do governo que deve começar a valer ano que vem e que irá substituir o Bolsa Família. Os detalhes sobre o novo programa ainda estão indefinidos. A forma de financiamento, por exemplo, ainda não foi definida.

Sem citar o Renda Cidadã, Guedes se limitou a falar sobre o programa que agora está em vigor e sobre o estado de calamidade pública. “Tem um plano emergencial e o decreto de calamidade que vão até o fim do ano. E no fim de dezembro acabou tudo isso”, finalizou. O vice-presidente afirmou que, se tivesse verbas, o governo prorrogaria o programa.

Fonte: Google News

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!