fbpx

Mudança climática está causando doença de pele mortal em golfinhos – Meio Ambiente

Tim Morgan/Mississippi State University

Uma visão aproximada de um golfinho mostra sinais de lesões cutâneas associadas a uma doença mortal de pele conhecida como dermatite ulcerativa

Cientistas do Centro de Mamíferos Marinhos da Califórnia, EUA, identificaram uma doença mortal de pele em golfinhos
, conhecida como dermatite ulcerativa, que está ligada à mudança climática global.

Em um novo estudo, publicado na revista científica Scientific Reports, os pesquisadores descobriram que o aumento da frequência e severidade das chuvas decorrentes de eventos climáticos como inundações, tempestades e ciclones diminuiu drasticamente a salinidade das águas costeiras, causando a condição mortal
nesses mamíferos em todo o mundo.

Essa condição foi observada de forma inédita em 2005, em 40 animais da espécie golfinho-nariz-de-garrafa
perto de Nova Orleans, após o furacão Katrina, Mas esta é a primeira vez que os cientistas conseguiram encontrar uma ligação direta com a causa da doença mortal da pele.

Eles dizem que os golfinhos desenvolvem lesões irregulares em seus corpos e descoloração causada por uma variedade de espécies de fungos e bactérias – às vezes cobrindo até 70% de sua pele
.

 “Com uma temporada recorde de furacões no Golfo do México este ano e sistemas de tempestades mais intensos em todo o mundo devido à mudança climática, podemos absolutamente esperar ver mais desses surtos devastadores matando golfinhos”, disse Pádraig Duignan, patologista-chefe do Centro de Mamíferos Marinhos, em um comunicado.

Nos últimos anos, surtos significativos
da doença, também conhecida como “doença de pele de água doce”, foram identificados em Louisiana, Mississippi, Alabama, Flórida, Texas e Austrália. Os pesquisadores afirmam que em todos esses locais uma diminuição repentina e drástica da salinidade das águas foi um fator comum.

Os golfinhos costeiros estão geralmente acostumados a mudanças sazonais
em seu habitat marinho, incluindo mudanças nos níveis de salinidade, no entanto, eles não vivem em água doce. Os cientistas acreditam que o aumento da frequência e da gravidade dos eventos de tempestades como furacões e ciclones está despejando enormes volumes de chuva que estão transformando as águas costeiras em água doce.

Eles preveem que, sem intervenções drásticas
para mitigar a causa da mudança climática, tempestades extremas como essas continuarão a ocorrer com mais frequência e resultarão em um surto de doenças graves entre os golfinhos.

Fonte: Google News

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais