Não perca tempo! Prova Comentada EsSA 2019

PROVA COMENTADA EsSA – Vamos conversar sobre a prova?

13. (Exército / Escola de Sargentos das Armas 2019)

Na oração: “Conheci, pois, Ari Ferreira, quando comecei a trabalhar em Clínica Médica, portanto em 1924”, os termos sublinhados, ambos têm função morfológica de:

a) conjunções conclusivas.

b) conjunções adversativas.

c) conjunções explicativas.

d) conjunções alternativas.

e) conjunções aditivas.

Comentário:
Quando a conjunção “pois” aparece entre vírgulas e após o verbo, ela tem valor
conclusivo, assim como a conjunção conclusiva “portanto”.

            Dessa forma, a alternativa (A) é a
correta.

Gabarito: A

14. (Exército / Escola de Sargentos
das Armas 2019)

Leia os versos a
seguir, e assinale a alternativa que os analisa corretamente.

Vozes veladas, veludosas vozes, 

Volúpias dos violões, vozes veladas,

Vagam nos velhos vórtices de vozes

Dos ventos vivas, vãs, vulcanizada.

a) a combinação
vocabular provoca a ênfase na sonoridade típica do Simbolismo. 

b) a linguagem dos
versos materializa no texto a visão bucólica do Arcadismo.

c) os versos
decassílabos apresentam os paradoxos característicos do Barroco.

d) as metáforas
insólitas traduzem a crítica social própria do Modernismo.

e) a expressão
objetiva aponta para a racionalidade dos poetas do Realismo.

Comentário: Note que a
repetição da consoante “v” caracteriza a aliteração e a repetição das vogais
“o” e “a” caracteriza a assonância. Tais características pertencem ao
Simbolismo, escola literária que procurava estimular os sentidos humanos por
meio das figuras de linguagem, valorizando a linguagem e a forma como maneiras de
provocar experiências sensoriais nos leitores.

            Portanto, a alternativa
(A) é a correta.

Gabarito: A

TEXTOPara
que ninguém a quisesse

Marina Colasanti

Porque os homens olhavam demais para a sua
mulher, mandou que descesse a bainha dos vestidos e parasse de se pintar. Antes
disso, sua beleza chamava a atenção, e ele foi obrigado a exigir que eliminasse
os decotes, jogasse fora os sapatos altos. Dos armários tirou as roupas de
seda, das gavetas tirou todas as joias. E vendo que, ainda assim, um ou outro
olhar viril se acendia à passagem dela, pegou a tesoura e tosquiou-lhe os
longos cabelos.

Agora podia viver descansado. Ninguém a
olhava duas vezes, homem nenhum se interessava por ela. Esquivava-se como um
gato, não mais atravessava praças. E evitava sair.

Tão esquiva se fez, que ele foi deixando de
ocupar-se dela, permitindo que fluísse em silêncio pelos cômodos, mimetizada
com os móveis e as sombras.

Uma fina saudade, porém, começou a
alinhavar-se em seus dias. Não saudade da mulher. Mas do desejo inflamado que
tivera por ela.

Então lhe trouxe um batom. No outro dia um
corte de seda. À noite tirou do bolso uma rosa de cetim para enfeitar-lhe o que
restava dos cabelos.

Mas ela tinha desaprendido a gostar dessas
coisas, nem pensava mais em lhe agradar. Largou o tecido numa gaveta, esqueceu
o batom. E continuou andando pela casa de vestido de chita, enquanto a rosa
desbotava sobre a cômoda.

15. (Exército /
Escola de Sargentos das Armas 2019)

Assinale o
item em que a explicação que corresponde ao excerto citado:

a) “Uma fina
saudade, porém, começou a alinhavar-se em seus dias.”/ A esposa perde a matéria
que a torna ser. 

b) “E
continuou andando pela casa de vestido de chita.” / Reforça a ideia de que o
homem não se importava com a esposa.

c) “Largou o
tecido em uma gaveta, esqueceu o batom.” / Ela não tem mais atitudes humanas
por causa da anulação de sua identidade.   

d)
“…permitindo que fluísse em silêncio pelos cômodos…”/ A esposa silencia
para agradar o marido.

e) “Ninguém a
olhava duas vezes.” / Sua aparência não mais chamava a atenção.

Comentário: A
alternativa (A) está errada, pois o trecho em destaque na alternativa é sobre a saudade
que o homem começou a sentir do desejo que sentia pela esposa antes das
transformações que ele a obrigou a fazer. Confirme:

Uma fina saudade, porém, começou a alinhavar-se em seus dias. Não
saudade da mulher. Mas do desejo inflamado que tivera por ela
.

            A alternativa (B) está
errada, pois o trecho em destaque na alternativa reforça que a mudança da
mulher foi profunda e que aquilo que a interessava antes não a interessa mais.
Assim, ela continuou a andar como o marido impôs a ela. Confirme:

Mas ela tinha
desaprendido a gostar dessas coisas, nem pensava mais em lhe agradar. Largou o
tecido numa gaveta, esqueceu o batom
. E continuou
andando pela casa de vestido de chita, enquanto a rosa desbotava sobre a
cômoda
.

            A alternativa (C) está
errada, pois o trecho em destaque na alternativa mostra a anulação da
identidade da mulher que não se interessa mais por aquilo que a interessava. Entretanto,
isso não quer dizer que ela não tem mais atitudes humanas, mas sim que não liga
mais para sua aparência. Confirme:

Mas ela tinha
desaprendido a gostar dessas coisas, nem pensava mais em lhe agradar. Largou o
tecido numa gaveta, esqueceu o batom
.

            A alternativa (D) está
errada, pois o trecho em destaque na alternativa mostra a anulação da mulher
perante o homem, que, a partir do momento em que ela perdeu a identidade,
passou a andar em silêncio, sem demonstrar seus sentimentos, confundindo-se com
os móveis, a tal ponto que o homem foi perdendo o interesse. Confirme:

Tão esquiva se
fez, que ele foi deixando de ocupar-se dela, permitindo que fluísse em silêncio
pelos cômodos, mimetizada com os móveis e as sombras
.

            A alternativa (E) é a
correta, pois o fato de ninguém olhar para a mulher duas vezes demonstra que
ela parou de chamar a atenção. Nenhum homem interessava-se por ela. Confirme:

Ninguém
a olhava duas vezes, homem nenhum se interessava por ela
.

Gabarito: E

16. (Exército /
Escola de Sargentos das Armas 2019)

Assinale a alternativa em que todas as palavras são
consideradas paroxítonas na escrita:

a) publica – astronauta – viajaram – história.

b) Paris – Brasil – Londres – Munique.

c) Brasília – Amazônia – Califórnia – Júpiter.

d) universidade – significado – Singapura – país.

e) rubrica – satélites – fenômeno – planetário.

Comentário: A
alternativa (A) é a correta, pois todas as palavras apresentam a tonicidade na
penúltima sílaba, sendo consideradas paroxítonas. Confirme:

pu-bli-ca (verbo) – as-tro-nau-ta – vi-a-ja-ram – his--ria.

            A
alternativa (B) está erada, pois “Pa-ris
e “Bra-sil” são oxítonas e “Lon-dres” e “Mu-ni-que” são paroxítonas.

            A
alternativa (C) está errada, pois “Bra--lia”,
“A-ma--nia” e “Ca-li-fór-nia” são paroxítonas e “-pi-ter” é proparoxítona.

            A
alternativa (D) está errada, pois “u-ni-ver-si-da-de”, “sig-ni-fi-ca-do”,
“Sin-ga-pu-ra” são
paroxítonas e “pa-ís” é
oxítona.

            A
alternativa (E) está errada, pois “ru-bri-ca”
e “pla-ne--rio” são
paroxítonas e “sa--li-tes”
e “fe--me-no” são
proparoxítonas.

Gabarito: A

17. (Exército /
Escola de Sargentos das Armas 2019)

Marina Colasanti ressalta tanto a violência física quanto a
violência simbólica praticada contra a mulher. Assinale o item em que há um
exemplo de violência física:

a) “…pegou a tesoura e tosquiou-lhe os longos cabelos.”

b) “…foi obrigado a exigir que eliminasse os decotes,
jogasse fora os sapatos de saltos altos.”

c) “Dois armários tirou as roupas de seda, da gaveta tirou
todas as joias.”

d) “…um ou outro olhar viril se acendia à passagem
dela…”

e) “…mandou que descesse a bainha dos vestidos e parasse
de se pintar.”

Comentário: A
alternativa (A) é a correta, pois o homem encostou na mulher para cortar-lhe os
cabelos.

            As demais alternativas estão
erradas, pois não configuram agressões físicas, mas morais, como impor modo de
a mulher se vestir e os olhares dos homens para ela na rua.         

Gabarito: A

18. (Exército /
Escola de Sargentos das Armas 2019)

Assinale a alternativa em que todas as palavras possuam
encontros consonantais:

a) samba, clima, apto. 

b) exceção, mundo, sonda.

c) mnemônico, obturar, subdelegado.

d) jejum, aquilo, chave 

e) sucção, istmo, chave.

Comentário: A
alternativa (A) está errada, pois há encontro consonantal em “clima”
e “apto”. Já em “samba” há dígrafo vocálico.

            A alternativa (B) está errada, pois
há dígrafo consonantal em “exceção” e dígrafos vocálicos em “mundo”,
“sonda”.

            A
alternativa (C) é a correta, pois há encontro consonantal em todas as palavras.
Confirme: mnemônico, obturar, subdelegado.

            A alternativa (D) está errada, pois
há dígrafo vocálico em “je-jum” e dígrafo consonantal em “aquilo”
e “chave”.

            A
alternativa (E) está errada, pois há encontro consonantal em “suão” e “istmo” e há dígrafo consonantal em “chave”.

Gabarito: C

19. (Exército /
Escola de Sargentos das Armas 2019)

Assinale a alternativa em que a figura de linguagem
corresponde à frase relacionada:

a) “Preferimos o desconforto no estômago vazio.” (catacrese)

b) “Aquele o surpreendeu e foi morar longe.” (antítese)

c) “Família é prato difícil de preparar.” (metáfora)

d) “Reunir todos é um problema, principalmente no Natal e no
Ano Novo.” (ironia)

e) “Às vezes, dá até vontade de desistir” (metonímia)

Comentário: A
alternativa (C) é a correta, pois há uma comparação implícita da família com um
prato difícil de preparar.

Gabarito: C

20. (Exército /
Escola de Sargentos das Armas 2019)

Assinale a alternativa que explica o sentido do trecho
“enquanto a rosa desbotava sobre a cômoda” (última linha);

a) A imagem da rosa desbotada traduz a anulação da
identidade da personagem.

b) O desbotamento da rosa simboliza a perda do estereótipo
de fragilidade imputado à mulher.

c) A perda de cor da rosa equivale ao comportamento da
resistência e força da mulher.

d) A rosa, tanto no conto como a literatura universal,
simboliza a autonomia da mulher.

e) O desbotamento sugere raiva e desleixo da personagem que
não cuidou da rosa. 

Comentário: A
alternativa (A) é a correta, pois a imagem da rosa desbotando pode ser
associada à mulher que foi perdendo sua identidade, ficando sem cor, sem vida,
sem beleza.

            A alternativa (B) está errada, pois
a rosa está associada à beleza da mulher e não a sua fragilidade.

            A alternativa (C) está errada, pois a
perda de cor da rosa equivale ao comportamento de submissão da mulher.

            A
alternativa (D) está errada, pois a rosa simboliza a beleza da mulher.

            A
alternativa (E) está errada, pois o desbotamento sugere o desleixo da
personagem que não cuidava de si.

Gabarito: A

21. (Exército /
Escola de Sargentos das Armas 2019)

Assinale a alternativa que apresenta a correta análise dos
termos respectivamente destacados na frase: “Beltrano veio no ponto, é o
mais brincalhão e comunicativo, unanimidade.”

a) adjunto adverbial e predicativo do objeto.

b) adjunto adnominal e aposto.

c) objeto direto e aposto.

d) adjunto adverbial e predicativo do sujeito.

e) objeto indireto e predicativo do sujeito. 

Comentário: A
questão aborda a função sintática de “no ponto”, dentro de uma estrutura
sintática da linguagem informal, haja vista que o verbo “veio” rege a
preposição “a”, e não “em”.

Assim, o verbo “veio” é intransitivo e “no ponto” é o adjunto adverbial
de lugar. Assim, eliminamos as alternativas (B), (C) e (E).

             Como “unanimidade” se refere ao sujeito
“Beltrano”, e não há objeto direto na oração, eliminamos a alternativa (A),
pois não cabe predicativo do objeto direto, restando a alternativa (D) como a
correta.

Gabarito: D

22. (Exército /
Escola de Sargentos das Armas 2019)

Assinale a alternativa em que as regras de acentuação, nos
conjuntos de palavras, foram empregadas de acordo com a norma padrão:

a) taínha, juiz e juízes

b) panacéia, apto, décadas

c) taxímetro, pangeia, baú.

d) imã, apto, bíceps

e) herói, jaú, geléia.

Comentário: A
alternativa (A) está errada, pois hiato não é acentuado quando nasalizado.
Logo, o certo é “tainha”. A palavra “ju-iz” não recebe acento,
mesmo havendo hiato, pois a vogal “i” tônica é seguida de “z” na mesma sílaba.

            A alternativa (B) está errada, pois a
palavra “panaceia” não recebe acento, pois é paroxítona com ditongo
aberto tônico “-ei”. Permaneceu o acento somente nas oxítonas (“anéis”) e
monossílabos tônicos (“méis”). A palavra “apto” não recebe acento, pois é
paroxítona terminada em “o”. A palavra “-ca-das” recebe acento,
pois é proparoxítona.

            A alternativa (C) é a correta, “ta--me-tro” é proparoxítona, por
isso é acentuada, “pan-gei-a” é paroxítona com ditongo aberto tônico “-ei”, por isso não é acentuada e “ba-ú” é acentuada, uma vez que
segue as regras do hiato.

            A
alternativa (D) está errada, pois “í-mã
deve receber acento por ser paroxítona terminada em “ã”. A palavra “-ceps” é acentuada por ser paroxítona terminada em “-ps”. A palavra
“apto” não recebe acento, pois é paroxítona, terminada em “o”.

            A alternativa (E) está errada, pois
“he-rói” é acentuada
por ser oxítona terminada em ditongo aberto tônico “ói”, “ja-ú” segue a regra do hiato e “ge-lei-a” não recebe acento, pois é paroxítona com ditongo aberto tônico “-ei”.

Gabarito: C

23. (Exército /
Escola de Sargentos das Armas 2019)

Com relação ao plural dos adjetivos compostos, assinale a
alternativa que apresenta uma forma INCORRETA:

a) letras anglo-germânicas

b) consultórios médico-cirúrgicos.

c) uniformes verdes-olivas.

d) canários amarelo-ouro

e) institutos afro-asiáticos.

Comentário: Quando o adjetivo composto apresenta a
última palavra como adjetivo, a primeira palavra não se flexiona e a última
deve se flexionar:  anglo-germânicas,
médico-cirúrgicos, afro-asiáticos.

            Quando a
última palavra não for adjetivo, a primeira palavra não se flexiona e a última
também não:  verde-oliva,
amarelo-ouro.

            Como na
alternativa (C) houve a flexão errada “verdes-olivas”, deve-se marcar esta
alternativa.

Gabarito: C

24. (Exército /
Escola de Sargentos das Armas 2019)

A respeito da regência verbal dos verbos nocionais na língua
portuguesa, sabe-se que alguns possuem dupla regência. Assinale aquele que
admite apenas uma regência:

a) chamar

b) aspirar

c) esquecer

d) assistir

e) carecer

Comentário: Na
alternativa (A), o verbo “chamar” apresenta duas regências: pode ser transitivo direto com o sentido de
“convocar” (“Chamei-o aqui”) ou transitivo direto e indireto, com o sentido de “qualificar”, “apelidar” (Chamei-o de
louco)
.

            Na alternativa (B), o verbo
“aspirar” pode ser transitivo
direto quando significa “sorver”, “inspirar”, “levar o ar aos pulmões” (Aspiramos
o ar frio da manhã
)
ou transitivo indireto, com a preposição a, quando significa “desejar”,
“almejar”: Ele aspira ao cargo.

            A alternativa (C) está errada, pois
o verbo “esquecer” pode ser transitivo direto, sem os pronomes oblíquos átonos
(me, te, se, nos, vos) (Ele esqueceu o livro) ou
transitivo indireto com pronomes oblíquos átonos, exigindo preposição de:
Ele se esqueceu do livro.

            A alternativa (D) está errada, pois
o verbo “assistir” poder ser transitivo
direto no sentido de “dar assistência”, “amparar” (O médico assistiu o
paciente
); transitivo indireto, com a preposição a, com o
sentido de “ver”, “presenciar” (meu filho assistiu ao jogo);transitivo indireto, com a
preposição a, com o sentido de “caber”, “competir” (Esse direito
assiste ao réu
); intransitivo,
com a preposição em, com o sentido de “morar” (Seu tio assistia em
um sítio
) (o termo
grifado é o adjunto adverbial de lugar).

            A alternativa (E) é a correta, pois
o verbo “carecer” é apenas transitivo indireto e rege a preposição de: Toda criança carece de
atenção
.

Gabarito: E

Deixe aqui nos comentários o que você achou da prova e não se esqueça de ler os artigos anteriores.

Grande abraço!

Décio Terror

Créditos:

Estratégia Concursos

Acesse o material completo!

Deixe uma resposta