O distúrbio que pode fazer alguém cansar (ou enjoar) do esporte que pratica

A Síndrome de Burnout, também chamada de “síndrome do esgotamento profissional”, foi assim denominada pelo psicanalista alemão Freudenberger, após constatá-la em si mesmo. A síndrome é um distúrbio psíquico.

A síndrome de Burnout começou a aparecer na literatura científica esportiva nos anos 1980 a partir de um estudo intitulado “Burnout in Sport and Performance”, assinado pelos médicos Robert C. Eklund e J.D. Defreese. O estudo definiu o Burnout em atletas como uma síndrome cognitivo-afetiva, caracterizada por percepções de exaustão emocional e física. Usando um termo popularesco, é quando a pessoa fica “de saco cheio” do esporte que pratica sem ter nenhum motivo aparente.

De acordo com essa definição, o burnout é uma síndrome, ou seja, um conjunto de sintomas e está fundamentado em três dimensões:

  • Exaustão emocional (caracterizada por sentimentos de extrema fadiga)
  • Despersonalização (sentimentos negativos com respeito aos colegas, sendo ilustrada por um comportamento impessoal, desligado e descuidado em relação aos mesmos)
  • Reduzida satisfação profissional (avaliações negativas sobre si mesmo, particularmente com referência à habilidade de obter sucesso no trabalho com clientes)

No esporte é bastante comum escutar histórias de desistências de praticantes ou mesmo quedas bruscas de rendimento. Muitos explicaram este tipo de comportamento como um simples “fulano cansou” ou “cicrano se encheu”. Mas muito pouco, ou quase nada, se ouviu dizer a respeito dos motivos que conduziram a esse inesperado acontecimento.

A partir de então cientistas começaram a olhar mais de perto o estresse emocional que atletas, amadores ou profissionais, sentem na prática esportiva. A Síndrome de Burnout, a princípio, foi detectada como esgotamento experimentado por profissionais médicos, mas alguns sintomas específicos de esportes chamou a atenção de pesquisadores. Sua principal característica é o estado de tensão emocional e estresse crônico em exercícios que exigissem muito dos aspectos emocionais e psicológicos. A síndrome se manifesta especialmente em pessoas cujo esporte exige envolvimento interpessoal direto e intenso.

Existem quatro causas principais que provavelmente contribuirão para o Burnout do atleta: Incapacidade de lidar eficazmente com o estresse (chiliques frequentes), foco incontrolável somente na motivação externa (ganhar por ganhar), ambiente de alta pressão e compromisso (investiu muito em seu esporte e sente que não pode desistir). Este tipo de manifestação pode ser vista sobretudo em comportamentos em redes sociais, como, por exemplo, nos grupos de whatsapp.

Portanto, para combater este tipo de estresse que pode fazer qualquer um abandonar é necessário monitorar os sintomas. Para evitar este tipo de estresse, cabe ao atleta a necessidade constante de examinar as razões para se envolver no esporte em primeiro lugar e reforçar a força motriz inicial. Além disso, reavaliar os objetivos dentro do esporte e refletir se eles são alcançáveis ou não.

Por exemplo, muito da frustração está em querer igualar um feito esportivo de alguém muito mais preparado e motivado. Estabelecer metas de curto prazo é uma boa solução do que focar somente na perspectiva de grandes glórias. Se você está tendo uma combinação dos sintomas abaixo por mais de uma semana, deve consultar seu médico para obter ajuda:

  • Diminuição do desempenho ou fadiga crônica
  • Frequência cardíaca e pressão arterial em repouso acima do normal
  • Dificuldade de concentração ou esquecimento
  • Sistema imunológico enfraquecido
  • Desinteresse, mau humor e irritabilidade
  • Baixa autoestima ou aumento da ansiedade e depressão por falta de demanda esportiva

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “http://connect.facebook.net/en_US/all.js#xfbml=1”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));window.fbAsyncInit = function() {
FB.init( {
appId : 1443946719181573,
autoLogAppEvents : true,
xfbml : true,
version : ‘v3.2’
});
};

( function( d, s, id ){
var js, fjs = d.getElementsByTagName( s )[0];
if ( d.getElementById( id ) ) {return;}
js = d.createElement( s ); js.id = id;
js.src = “https://connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js”;
fjs.parentNode.insertBefore( js, fjs );
}( document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’ ) );

Fonte: R7

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: