O que é a aventura? Um termo que definimos todos

Por Sofia Arredondo

A origem etimológica das palavras nos permite não apenas saber de onde vêm, mas também as possibilidades de usá-las adequadamente. No entanto, haverá poucos amantes de atividades outdoor que não sabem o que querem dizer quando usam a palavra “Aventura” e “Aventureiro”.

Mas se formos um pouco mais longe neste conceito, descobrimos aspectos interessantes que explicam a essência do montanhista e o amante de atividades outdoor.

Qual é a origem da palavra “Aventura”?

De acordo com o dicionário etimológico, a palavra “Adventure ” vem do latim adventura, neutro e plural forma particípio do verbo ativo futuro advenire (alcance), constituído por prefixos ad – (direção aproximação, a presença), venire (vir) e sufixo -urus/-ura, que indica que a ideia de agir se refere ao futuro. Não deve ser confundido com o sufixo de substantivos -ura/-tura, que indica atividade ou resultado.

Portanto, em latim, Adventura significa “as coisas que têm que vir” e essa combinação de prefixo e raiz se refere à aproximação (ad-) para os fatos incertos que estão por vir (ventura)“.

Foto: https://warnercnr.colostate.edu/

“Aventura” pode ser usado para falar sobre coisas diferentes, a partir de uma relação sentimental clandestina e passageira, um gênero de filme e até mesmo um evento excepcional em que se participa sem qualquer garantia de que seja executado com êxito.

No mundo do alpinismo, o “aventureiro” é aquele que empreende uma “aventura”. Espere! Não quero parecer dicionários tautológicos (aqueles que definem uma palavra usando a mesma palavra ou uma palavra similar). Lembremos de sua origem etimológica: “as coisas que têm que vir”. Isto é, o aventureiro é aquele que aborda os fatos incertos que estão por vir. Fatos incertos? Sim, experiências de natureza arriscada geralmente compostas de eventos inesperados, mesmo com algum tipo de perigo.

Por que alguém iria querer se aproximar de fatos incertos que estão chegando e que até o colocam em perigo?

Esta é geralmente a pergunta que é feita a todos os montanhistas, a qual geralmente é respondida: “Porque é precisamente onde saio da minha zona de conforto”. Então uma segunda questão nasce: Por que devemos deixar nossa zona de conforto? Para obter experiências que de outra forma não teríamos: desde o início, sabendo que podemos ficar melhores e mais longe daquilo a que chegamos. Ou seja, buscar aventura é uma maneira de superar-nos, apesar de sabermos que somos finitos e mortais.

As aventuras existem desde que existem os textos escritos. Mesmo antes, apesar de não serem chamados assim. Por exemplo, nos tempos clássicos (os gregos) os chamavam de odisseias (sim, a Odisseia de Homero, é um exemplo). Na Idade Média (476 a 1453), um grande exemplo é Marco Polo, viajante veneziano que visitou a Ásia Oriental.

As aventuras também são romances de cavalaria. Na Idade Moderna (1453 a 1789), época das grandes conquistas, os colonizadores viajaram para fins lucrativos, mas tudo isso estava mergulhado em uma aventura para o desconhecido. Na literária Don Quixote (o livro mais lido depois da Bíblia, escrito por Miguel de Cervantes) é um exemplo extraordinário que narra precisamente as aventuras de seus protagonistas, Don Quixote e Sancho Pança.

Na Idade Contemporânea (período atual da história ocidental que iniciou na Revolução Francesa em 1789), ocorreram as primeiras viagens que não buscavam propósitos monetários, ou científicos, e em que o objetivo era abordar fatos incertos a serem superados com habilidade e ingenuidade. O exemplo que permanece mais próximo de nós: o montanhismo.

Hoje, no mundo das atividades outdoor a palavra “aventura” tem novas e inúmeras ​​conotações. Para muitos, já é um clichê, uma palavra desperdiçada e bastante atraente para as agências de viagens que, paradoxalmente, lhe vendem um “tudo incluso”. No entanto, para alguns outros, ainda define bem as expedições individuais para lugares remotos em países distantes, onde a autossuficiência, a experiência e a bravura encontram o melhor espaço para se desenvolver.

Finalmente, a vida em si é uma soma de fatos incertos que ainda estão por vir. Mas isso nos torna aventureiros por nascimento? O aventureiro é aquele que não aceita ter apenas quinze dias de aventura por ano? Para o jornalista espanhol Sebastián Álvaro (que fez mais de 60 expedições para montanhas de oito mil metros), a aventura “é o único lugar, o único momento, a única maneira de roubar a hora da morte”.

Para você caro leitor, o que significa começar uma aventura? Poderia ser, talvez, algo semelhante a uma viagem a Ítaca, conforme definido pelo seguinte poema de Constantine P. Cavafy (considerado o maior nome da poesia em idioma grego moderno)?

“Quando você começar sua viagem a Ithaca,
peça que a estrada seja longa,
cheia de aventuras, cheia de experiências.

Não tema os lestrígones ou os Ciclopes
e os irritados Poseidon
tais seres sempre encontrar o seu caminho,
você manter seus pensamentos erguida,
é a emoção toca seu espírito e seu corpo.

Nem os Lestrigons nem o Ciclope
nem o selvagem Poseidon descobrirão,
se você não os levar dentro de sua alma,
se sua alma não estiver diante de você.

Peça que a estrada seja longa.

Muitas manhãs de verão,
quando você chega – com o mesmo prazer e alegria! –
a portos nunca antes vistos.

Pare nos empórios fenícios
e obtenha belas mercadorias,
nácar e coral, âmbar e ébano
e todos os tipos de perfumes sensuais,
os perfumes sensuais mais abundantes que você puder.

Vá a muitas cidades egípcias
para aprender, aprender com seus sábios.

Sempre tenha Ithaca em sua mente.
Chegar lá é o seu destino.
Mas não se apresse a viagem.

Melhor que dure muitos anos
e ancore, velho agora, na ilha,
enriquecido pelo que você ganhou na estrada
sem suportá-lo para enriquecê-lo.

Ithaca deu-lhe uma viagem tão bonita.
Sem isso, você não teria tomado a estrada.
Mas ele não tem mais nada para lhe dar.

Mesmo se você encontrá-la pobre, Ithaca não te enganou.
Então, sábio como você se tornou, com tanta experiência, você
entenderá o que a Ithaca significa. “

Freeman é o mais importante site sobre escalada e esportes de montanha do México e organiza o mais assistido festival de filmes outdoor da América Latina

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “http://connect.facebook.net/en_US/all.js#xfbml=1”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));window.fbAsyncInit = function() {
FB.init( {
appId : 1443946719181573,
autoLogAppEvents : true,
xfbml : true,
version : ‘v3.2’
});
};

( function( d, s, id ){
var js, fjs = d.getElementsByTagName( s )[0];
if ( d.getElementById( id ) ) {return;}
js = d.createElement( s ); js.id = id;
js.src = “https://connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js”;
fjs.parentNode.insertBefore( js, fjs );
}( document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’ ) );

Fonte: R7

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: