Oposição apoia reforma tributária com unificação de impostos, mas pede inclusão de outros temas

(Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

SÃO PAULO – Donos de uma bancada de 132 assentos na Câmara dos Deputados, os 6 partidos da oposição (PT, PSB, PDT, PSOL, PCdoB e Rede) decidiram apoiar a fusão de 5 impostos para a criação de um IBS (Imposto sobre Bens e Serviços), tal qual proposto pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP) na PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 45/2019, em tramitação em comissão especial da casa legislativa.

Conforme noticia o jornal Valor Econômico, as siglas devem finalizar os pontos finais do texto e o anúncio deve ocorrer na próxima terça-feira (3), em Brasília. Como condição para o avanço da matéria, os parlamentares deste grupo querem que se discuta a taxação da renda e algumas mudanças no IBS, como a garantia de desoneração de produtos da cesta básica e remédios.

Os 6 partidos somam 132 votos na Câmara dos Deputados, o equivalente a 43% dos votos necessários para a aprovação de PECs.

Os parlamentares também defendem autonomia aos Estados e municípios na decisão da gestão do imposto e na arrecadação, o que acompanha exigência feita por governadores e prefeitos. Outro ponto considerado pelos opositores é a criação de um fundo de compensação de perdas, em função das mudanças na forma de cobrança dos impostos.

O texto em discussão na casa legislativa prevê a unificação de PIS, Cofins e IPI (federais), ICMS (estadual) e ISS (municipal). Já o governo ainda estuda encaminhar uma proposta que também institui uma tributação sobre transações financeiras – frequentemente comparada com a extinta CPMF.

Quer saber o que esperar da política nos próximos meses? Insira seu e-mail abaixo e receba, com exclusividade, o Barômetro do Poder – um resumo das projeções dos principais analistas políticos do país:

Fonte: INFOMONEY

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: