fbpx

os sinais que podem ser dados por Powell em Jackson Hole

(Bloomberg) — O Federal Reserve parece inclinado a manter as taxas de juros de curto prazo próximas de zero por cinco anos ou, possivelmente, por um período ainda mais longo, após adotar uma nova estratégia na condução de sua política monetária.

A nova abordagem, que pode ser anunciada já no mês que vem, provavelmente levará os membros do BC norte-americano a adotarem uma visão mais relaxada em relação à inflação, a ponto de tolerar um aumento modesto e temporário acima de sua meta de 2% para compensar resultados passados abaixo desse nível.

O presidente do Fed, Jerome Powell, pode prover uma atualização sobre a revisão do arcabouço das políticas e práticas monetárias na quinta-feira durante evento do BC em Jackson Hole, que está sendo realizado virtualmente este ano por causa da pandemia de coronavírus.

“Eu não ficaria surpreso se as taxas de juros ainda fossem zero daqui a cinco anos”, disse Jason Furman, ex-economista-chefe da Casa Branca e agora professor da Universidade de Harvard.

Isso seria uma boa notícia para alguns investidores. Graças em grande parte à política monetária ultra-acomodatícia do Fed, o índice S&P 500 está sendo negociado em alta recorde, embora a economia dos Estados Unidos ainda não tenha recuperado muito do terreno perdido na maior recessão desde a Grande Depressão.

Previsões FOMC

“Não estamos nem pensando em aumentar as taxas”, disse Powell a repórteres após a reunião de junho.

Os futuros do eurodólar não estão cobrando nenhum prêmio para os aumentos das taxas do Fed até o início de 2023 e contemplam um ajuste de 0,25pp até fim de 2023. Alguns operadores, porém, consideraram isso dovish e há sinais de demanda por hedge para um rumo mais íngreme do que o estimado atualmente para 2023 e 2024.

O Fed manteve as taxas perto de zero por sete anos durante e após a crise financeira antes de aumentá-las em dezembro de 2015. Ex-vice-presidente do Fed Alan Blinder duvida que demore tanto tempo desta vez.

“É perfeitamente concebível que leve sete anos” antes que as taxas sejam aumentadas, dada a dificuldade para o Fed gerar uma inflação mais rápida, disse o ex-funcionário do banco central dos EUA, Roberto Perli, que agora é sócio da Cornerstone Macro LLC.

Na última década, levou mais de três anos para que o produto interno bruto ajustado pela inflação voltasse ao nível que prevalecia antes da crise financeira de 2007-09. Espera-se que a recuperação seja mais rápida desta vez.

Sob o novo regime, o Fed deve buscar uma taxa de inflação de aproximadamente 2% na média ao longo do tempo. Portanto, um aumento modesto da inflação acima da meta seria bem-vindo, não temido, após um período prolongado em que não atingiu esse patamar.

O Fed também deve codificar uma mudança em sua abordagem para alcançar o pleno emprego. No passado, as autoridades evitavam empurrar o desemprego para abaixo do que era considerado sua taxa natural de longo prazo, por preocupação que levaria a uma inflação muito rápida. Agora, a ênfase deve ser nos benefícios do mercado de trabalho robusto para a economia e sociedade.

Regra dos 10 tiros: aprenda a fazer operações simples que podem multiplicar por até 10 vezes o capital investido. Inscreva-se!

Fonte: Infomoney

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!