fbpx

Pandemia do coronavírus faz ao menos 50 mil brasileiros deixarem de ser diagnosticados com câncer

Desde o início da pandemia de covid-19 no País, ao menos 50 mil brasileiros deixaram de ser diagnosticados com câncer. Outros milhares de pacientes, já com o tumor detectado, tiveram os tratamentos suspensos. Só em abril, cerca de 70% das cirurgias de câncer foram adiadas.

As estimativas são das Sociedades Brasileiras de Patologia e de Cirurgia Oncológica e refletem dois fenômenos: os cancelamentos de procedimentos não urgentes, como exames, consultas e cirurgias; e a recusa de pacientes com outras doenças ou sintomas em procurar um hospital ou clínica por medo de pegarem o coronavírus.

Números levantados pela Sociedade Brasileira de Patologia com alguns serviços de referência do País mostram a queda expressiva no número de biópsias realizadas. Desde meados de março até hoje, foram 5.940 exames do tipo realizados na rede pública de São Paulo, ante 22.680 biópsias no mesmo período do ano passado. Em um centro de referência que atende o Ceará, o número caiu de 18.419 para 4.993 no mesmo intervalo. “Há serviços que ficaram uma semana inteira sem receber um único material para análise. O nosso medo é que tenhamos, daqui a alguns meses, uma epidemia de câncer em estágio avançado, inoperáveis, com baixa chance de cura”, alerta Clóvis Klock, presidente do Conselho Consultivo da Sociedade Brasileira de Patologia.

A sociedade estimou que houve queda de ao menos 50% no número de diagnósticos de câncer no País nos últimos dois meses – o que leva à estimativa de 50 mil casos que continuam desconhecidos pelos pacientes. No Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), o número de pacientes novos que chegam para iniciar tratamento no local despencou 30%, segundo Paulo Hoff, diretor da unidade e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). “Além do risco de muitos desses tumores não diagnosticados evoluírem e ficarem mais graves, temos um segundo problema, que é o represamento desses casos por vários meses. Nosso sistema de saúde não tem uma capacidade infinita de atendimento. Se já tínhamos problema de acesso e demora antes da pandemia, imagine acumular diagnósticos de quatro ou cinco meses e eles aparecerem todos de uma vez mais para frente. Teremos dificuldades para dar conta dessa demanda”, ressalta Hoff.

Somados aos casos novos estarão ainda os milhares de pacientes que tiveram de postergar seus tratamentos. “Desde o início da pandemia, suspendemos muitas cirurgias e mantivemos só as dos tumores mais agressivos. No começo não sabíamos quanto a fase mais crítica da pandemia iria durar. Com a expectativa de que teremos de três a quatro meses até passar o pico e começar um declínio de casos, teremos de adaptar os serviços de saúde para retomar esses atendimentos suspensos”, destaca Heber Salvador, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica.

A fisioterapeuta Dulce de Jesus Gonçalves, de 61 anos, vive o drama da espera pela cirurgia oncológica da mãe, de 90 anos. Diagnosticada no ano passado com um câncer no ovário, a idosa tinha uma operação agendada para março, que foi adiada. “Nós, da família, e a equipe médica tomamos a decisão de adiar. Nós ficamos assustados com a situação dos hospitais. Ela já é idosa. Seria uma cirurgia difícil. Imagine nesse cenário. Mas é um dilema horrível. É a escolha entre o tratamento do câncer com risco de pegar covid-19 ou a segurança de ficar em casa e o risco do tumor crescer”, diz Dulce.

Para reduzir as chances de agravamento da doença enquanto espera pela cirurgia, a idosa passou a tomar uma medicação via oral em casa, com o objetivo de manter o tumor sob controle. “Ela vai monitorar por exames para ver se está fazendo efeito, mas a angústia é que não sabemos quando tudo isso vai passar”, lamenta a filha.

Fluxos separados

Para que os atendimentos possam voltar à normalidade dentro do possível, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica elaborou um documento em que faz uma série de recomendações aos hospitais para que separem as áreas de atendimento para pacientes com suspeita de covid dos demais.

No Icesp, foi criada uma área específica de pronto-atendimento para pacientes com suspeita de doença respiratória. Os pacientes oncológicos internados com quadro de covid-19 são encaminhados para o Hospital das Clínicas para não ficarem no mesmo prédio dos demais doentes.

No Hospital Albert Einstein, o pronto-socorro para doentes com suspeita de covid-19 também foi segregado, até com elevadores separados (mais informações abaixo). O centro de oncologia tem uma entrada exclusiva. Assim como os outros acessos do hospital, ele conta com medidor de temperatura e distribuição de máscaras.

“Nem sempre temos tempo de postergar por alguns meses um tratamento de câncer. Por isso é importante os pacientes entenderem que dentro do hospital há alas separadas e segurança para fazerem os procedimentos quando necessário”, ressalta Sérgio Araújo, diretor médico do Centro de Oncologia e Hematologia do Einstein.

Veja também:

De andador, veterano de guerra de 99 anos arrecada milhões para saúde pública britânica

  • separator

Fonte: Terra

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!