fbpx

Por que as mãos ficam negras ao usar as cordas de escalada?

A resposta ao título a esta pergunta é relativamente simples: da sujeira que a sua corda acumula ao longo do tempo. Por mais asseado, limpinho e ordenado é um escalador, uma coisa é inevitável: o acúmulo de sujeira em seus equipamentos.

O escalador mais atento irá reparar que algumas cordas ficam extremamente sujas e deixam uma mancha negra quando roçam por roupas e mãos. As cordas mais antigas, em particular, são geralmente muito mais limpas. Mas nem todas as novas cordas ficam pretas.

É surpreendente que muitas vezes apenas um lado da corda esteja escuro, como se a sujeira viesse do freio. Além disso, nas academias, onde o volume de poeira tende a ser menor que na rocha, também aparece estas manchas negras.

Mas há um argumento contra o fato de que nem todas as cordas que se usa ficam pretas. A mancha negra que você vê em algumas cordas após manusear as cordas é a abrasão de alumínio dos mosquetões e dos dispositivos de segurança.

Sim, a abrasão com o alumínio é quem produz esta sujeira que poucos sabem explicar de onde vem, mesmo que seja dentro de uma academia de escalada. É por isso, inclusive, que geralmente apenas um lado é preto. Isso porque ambos os lados da corda não passam sobre a superfície do mosquetão, mesmo que a corda sempre fique passando de jeito diferente.

A razão pela qual algumas cordas ficam pretas e outras não também depende do acabamento ou do tratamento das cordas e do grau de desgaste dos mosquetões e freios de segurança.

Além disso, caso o escalador desça mais rápido ou mais devagar também faz diferença. Tudo é uma questão de física. Cordas volumosas e peludas são menos propensas deixar as mãos negras do que as de superfícies mãos macias. Provavelmente o “pêlo” impede o escalador de obter mãos negras.

Nos dispositivos de segurança nos quais a corda não corre diretamente sobre a superfície de alumínio de um mosquetão (GriGri, Revo etc.), você notará menos abrasão de alumínio na corda. Mas é claro que também há uma parte do travamento nestes aparelhos, mas eles geralmente são feitos de aço (não de alumínio), menos suscetíveis à abrasão.

Como boa prática em tempos de COVID-19, procure sempre lavar as mãos, utilizar magnésio líquido e usar a máscara.

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha, México e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias. Em 2018 foi o único latino-americano a cobrir a estreia da escalada nos Jogos Olímpicos da Juventude e tornou-se o primeiro cronista esportivo sobre escalada do Jornal esportivo Lance! e Rádio Poliesportiva.

!function(f,b,e,v,n,t,s){if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod?
n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};if(!f._fbq)f._fbq=n;
n.push=n;n.loaded=!0;n.version=’2.0′;n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window,
document,’script’,’https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js’);
(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “https://connect.facebook.net/en_US/all.js#xfbml=1”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Fonte: R7

Deixe uma resposta

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!