fbpx

Porque proibir canudos de plástico não é a solução

No Brasil, duas das cidades mais populosas, Rio de Janeiro (6.718.903 habitantes) e São Paulo (12.252.023 habitantes), as quais costumam marcar tendências culturais, possuem leis que proíbem a venda de canudos plásticos. Particularmente em São Paulo, que sancionou a lei recentemente, o projeto municipal diz que, no lugar dos canudos, devem ser fornecidos canudos de papel reciclável ou material comestível ou biodegradável. Quem não cumprir a lei pagará multa de R$ 1.000 para o estabelecimento que usar canudinho plástico.

Porém o vídeo “Why plastic straw bans aren’t the answer” (Porque proibir canudos de plástico não é a solução) do canal “Our Changing Climate” joga luz em torno das proibições a respeito dos canudos plásticos. O canal se dedica a fazer vídeos educativos, abordando problemas a respeito do meio ambiente de maneira mais ampla, para quem assista ao vídeo possa refletir a respeito do problema. Com pouco mais de 172.000 inscritos, o canal abordou esta semana o tema da proibição dos canudos de plástico.

No vídeo é analisada a controvérsia e o debate por trás das proibições de canudos de plástico. Especificamente, o vídeo analisa o impacto mínimo dos canudos de plástico no lixo oceânico, em comparação com outras formas de lixo. O vídeo também discute como a proibição do canudo de plástico é uma forma de ecocapacitação, mas a eliminação dos canudos de plástico também torna a vida das pessoas com deficiência muito mais complicada. Como resultado da ecocapacitação inerente às proibições de palha de plástico, livrar-se de cidades inteiras de canudos de plástico pode ser problemático ou não?.

O canudo é um problema, ou na verdade é justamente o plástico de uso único que é um problema que estamos evitando discutir e culpamos o canudo por isso?

De onde vem o uso de canudo?

Apesar de muitos “analistas superficiais”, os quais sempre utilizam poucos elementos na metodologia, o uso de canudo não é uma exclusividade da vida moderna, nem sequer nasceu na Revolução Industrial. O uso mais antigo registrado de um canudo remonta aos sumérios e babilônios. Supõe-se que o uso de canudos para beber seja ainda mais antigo, mas as verdadeiras origens são desconhecidas.

Datado de 3.000 aC, o mais antigo canudo conhecido foi encontrado no túmulo de Pu-abi, a rainha suméria de Ur, no Iraque moderno. Era um canudo feito de ouro, media mais de um metro de comprimento, possuía a ponta de prata e era ornamentada pedras azuis.

No entanto, para os sumérios, e que não eram da classe real, mas ainda queriam desfrutar de cerveja sem ingerir todo o excesso de resíduos produzidos no processo de fermentação, o canudo típico era feita de junco oco, ou seja, palha.

Na cultura ocidental, a popularização do canudo não surgiu até o século XIX. O agora infame canudo de plástico só entrou em produção regular na década de 1960 e na década de 1980 havia se tornado o padrão.

Atualmente, os canudos de plástico são o sétimo item mais comum coletado durante as limpezas de plásticos nas prais e oceanos. Recentemente, eles se tornaram alvo de vários governos e organizações da indústria de alimentos que buscam abordar a questão da poluição à base de plástico. Talvez o movimento mais conhecido para proibir plásticos de uso único tenha sido o das sacolas plásticas.

Ilustração: Lily Padula | https://www.nbcnews.com

Algumas críticas apontam para o fato de que os canudos de plástico, se medidos por item, representam apenas 4% dos resíduos oceânicos. Tais críticas sugerem que os ambientalistas deveriam concentrar seus esforços em questões maiores. Outras críticas são de alguns ativistas dos direitos da deficiência que se opõem a proibições em larga escala.

Para entender a magnitude do dilema ambiental que a Terra enfrenta, considere a explosão no uso de garrafas plásticas. As empresas de bebidas produziram 239 bilhões de garrafas plásticas em 2004. Esse total mais que dobrou em 2017 para 494 bilhões, e a tendência continua, com a produção de garrafas plásticas prevista para atingir 594 bilhões em 2022.

Mesmo que os canudos possam ser proibidos e eleitos como vilões, eles representam apenas uma pequena fração do plástico que acaba nos oceanos do mundo. Um estudo publicado em 2017 constatou que 46% dos resíduos de plástico em um estado norte-americano eram provenientes de redes de pesca. . Os filtros de cigarro contendo fibra plástica têm sido o item mais onipresente (em número, não em peso) em mais de três décadas de limpeza de praias pela Ocean Conservancy.

O grupo ambiental Break Free From Plastic disse que os maiores contribuidores para a poluição por plásticos foram a Coca-Cola, a Pepsi e a Nestlé: todos grandes produtores de bebidas engarrafadas.

É muito interessante começar com os canudos plásticos, ou mesmo com as sacolas plásticas, a dminuição. Mas é importante também pensarmos em mudar de verdade os hábitos de consumo de plásticos, não somente eleger os “vilões da vez”.

Argentina de nascimento e brasileira de coração, é apaixonada pela Patagônia e Serra da Mantiqueira.
Entusiasta de escalada, trekking e camping.
Tem como formação e profissão designer de produto e desenvolve produtos para esportes de natureza.

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “http://connect.facebook.net/en_US/all.js#xfbml=1”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));
window.fbAsyncInit = function() {
FB.init( {
appId : 1443946719181573,
autoLogAppEvents : true,
xfbml : true,
version : ‘v3.2’
});
};

( function( d, s, id ){
var js, fjs = d.getElementsByTagName( s )[0];
if ( d.getElementById( id ) ) {return;}
js = d.createElement( s ); js.id = id;
js.src = “https://connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js”;
fjs.parentNode.insertBefore( js, fjs );
}( document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’ ) );

Fonte: R7

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!