fbpx

Processo de Danielle Winits contra teatro ganha novo capítulo

Em janeiro de 2012, Danielle Winits e Thiago Fragoso se acidentaram durante a apresentação do musical “Xanadu”, no Teatro Casagrande, no Leblon, bairro nobre da Zona Sul do Rio de Janeiro. Eles caíram de uma altura de mais de quatro metros durante uma cena de voo. Os cabos pelos quais os atores estavam suspensos se romperam. Dois anos depois, segundo seu advogado, “após amadurecer a ideia”, a atriz resolveu processar o teatro.

Agora a ação está a cargo do juízo da 2ª Vara Cível do Rio. Além da artista e a Sociedade Teatral Casa Grande, a Set Cavalheiro Efeitos Especiais e Produções Cinematográficas também está na ação judicial.

Por causa do acidente, Danielle – que era a protagonista – sofreu diversas lesões na face, na coxa e no joelho.  A atriz de 47 anos pede indenização por danos morais, além de reembolso de despesas realizadas em função do ocorrido. A defesa de Danielle acusa os réus de usarem artifícios para atrasar o processo. Já o teatro alega que não foi sua responsabilidade e que o caso prescreveu.

Fragoso quebrou cinco costelas

Danielle se machucou bastante, mas Thiago Fragoso foi o mais prejudicado. O ator quebrou cinco costelas, sofreu uma perfuração do diafragma e passou 17 dias internado, após uma cirurgia. Thiago se machucou mais porque, na queda, projetou seu corpo de forma para amortecer o impacto de Danielle. Durante o acidente, o público presente chegou a pensar que o ocorrido fazia parte do espetáculo.

Três pessoas da plateia foram atingidas. A aposentada Marina Beckman fraturou uma vértebra. A investigação policial foi conduzida pela 14ª DP (Leblon), que indiciou por lesão corporal culposa (quando não há intenção) o empresário Heitor Cavalheiro, dono da Set Cavalheiro FX, e Cora Cavalheiro Prazeres, técnica que operava os cabos usados no voo cênico.

Fonte: O Fuxico

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais