Reintegração de posse acontece na favela Funchal, em São Paulo – Brasil



arrow-options
Arquivo iG / Carolina Garcia

Ana Cecília Vieira, de 29 anos, professora na comunidade Favela Funchal

O terreno onde ficava a favela do Coliseu, conhecida como favela  Funchal
, na Vila Olímpia, bairro nobre de São Paulo
, passou por uma reintegração de posse
na manhã desta terça-feira  (28).

Leia mais: ‘Não vi nada de errado por parte do Fabio’, diz Bolsonaro sobre chefe da Secom

O terreno será utilizado para moradias populares de famílias que viviam no local. Os moradores que foram despejados pela Prefeitura de São Paulo vão receber um auxílio-aluguel de R$ 500 até que os apartamentos estejam prontos para a entrega. A região concentra arranha-céus e um número significativo de multinacionais. 

Cerca de 270 famílias
viviam na área antes do início da desocupação, de acordo com a Folha de São Paulo. A construção dos prédios na região está prevista há 25 anos. 

Serão construídas 272 unidades habitacionais
e sete pontos de comércio. As obras estão previstas para março de 2020 e devem custar R$ 20,3 milhões. A expectativa é que as moradias sejam entregues em dois anos.

A desocupação
foi acompanhada pela Polícia Militar e aconteceu de forma pacífica. Das 160 famílias que ainda moravam na região, apenas cinco recolhiam os pertences na manhã desta terça (28). 

Favela Funchal

Os primeiros moradores passaram a ocupar a região nos anos 1950. As casas do bairro passaram a se transformar em arranha-céus com as décadas, tenho um grande registro em 1990. O prefeito Paulo Maluf (PP) criou em 1995 a Operação Urbana Faria Lima.

Leia também: MPF pede que chefe da Secom seja investigado por corrupção e peculato

Tempos depois, em 2012, durante a gestão de Gilberto Kassab (PSD), a construção de moradias populares foi prevista para ser concretizada em até três anos.

Na gestão de Haddad, R$ 40 milhões foram liberados para a construção de prédios, enquanto em 2017, na gestão Doria (PSDB), um novo projeto de habitação foi apresentado. O prazo para a remoção de famílias foi maio de 2018, junto com o começo das obras, que tinham como prazo de conclusão novembro de 2019.

A reintegração de posse, no entanto, aconteceu em janeiro deste ano, com previsão do início das obras em março. A conclusão deve acontecer em 24 meses.

Fonte: Ultimo Segundo – IG

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: