fbpx

Ribamar Oliveira, o mestre das entrelinhas

BRASÍLIA – A mesa de Ribamar Oliveira, o Riba, ficava no fundo da redação do Valor, em Brasília. Riba tinha uma visão privilegiada dali. Via de toda a movimentação dos colegas, do entra-e-sai, das conversas. Dali mesmo, soltava sempre alguma piada em voz alta, ria com gosto e, assim, fazia rir. Muitas vezes, no entanto, Riba parecia não estar ali. Egresso das grandes publicações do País e do Estadão, onde venceu um Prêmio Esso de Economia em 1997, Riba entrava num mundo só dele. Com as mãos sobre a cabeça e os cotovelos sobre a mesa, metia os olhos sobre tabelas e textos indecifráveis sobre contas públicas. Passava horas assim, até que, de repente, saltava da cadeira e partia para a chefia de redação.

Com as portas abertas, travava horas de conversa em voz alta. Nós ouvíamos tudo sobre algum tema árido para a maior parte de quem acompanhava. No dia seguinte, estava lá, na capa do jornal, uma manchete que revirava o mercado financeiro, o mundo político e que mexia com a vida de cada cidadão.

Lembro de uma vez, quando Riba saiu de férias. No Banco Central, funcionários disseram que finalmente teriam um mês de alívio e que poderiam descansar. Rimos disso. Ribamar decifrava os dados como ninguém, via as notícias e os escândalos saltarem de páginas onde todos só enxergam números e letras.

Ribamar Oliveira estava internado há 50 dias por complicações com a covid-19reprodução

Foto: Twitter/Reprodução / Estadão

O mestre, porém, era também, menino. Entre as conversas infindáveis em reuniões de pauta, que muitas vezes faziam mergulhos técnicos, havia o espaço para imitações, brincadeiras, um jeito de falar quase caipira, que todos sabiam decodificar e cair na gargalhada. Riba era inteligência rara, alegria e generosidade.

Quando deixei o Valor e segui para o Estadão, lembro de entrar na sala de reunião de pauta do novo jornal com a insegurança natural de qualquer um que começa em um novo trabalho. Mas lá estava o nome de Ribamar Oliveira pendurado na parede, uma homenagem do Prêmio Esso de Economia que recebeu em 1997 pela reportagem “O escândalo dos precatórios”. Me senti mais acolhido.

O grande João Domingos, lembra que foi Ribamar que descobriu o escândalo do caixa 2. “Ele começou a publicar aquelas matérias em economia, juntando informações e revelando que os governos estaduais estavam fraudando os precatórios. Então, soube que eu ia fazer uma viagem para Alagoas e pediu que eu olhasse a situação por lá. Procurei o Collor e perguntei sobre o decreto. Collor disse que nunca tinha assinado aquilo na vida. A reportagem acabou descobrindo que tinha sido falsificado um ato do presidente da República. Toda imprensa entrou no assunto”, disse João.

Cético nas apurações, Riba dava espaço para a fé quando o assunto era seu time. Santista fanático, chegava a rezar quando o clube paulista ia entrar em campo. “Uma vez peguei ele rezando atrás da casa, quando o Santos ia enfrentar o meu Goiás”, conta João Domingos.

Nos últimos anos, além do tempo dedicado ao jornalismo, Riba dividia o tempo que tinha com uma chácara em Pirenópolis. Passava horas na casa que mandou erguer no interior de Goiás, regando suas plantas.

Ribamar se formou em jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB) e passou pelos principais jornais e revistas do país. Foi chefe de redação da sucursal de “O Globo” em Brasília, repórter do “Jornal do Brasil” e coordenador de economia, repórter especial e colunista do Estadão. Trabalhou ainda nas revistas “Veja” e “Isto é” e foi assessor de imprensa do Ministério do Planejamento em 1994 (ano de lançamento do Plano Real), além de assessor de imprensa do Banco Central.

Seu trabalho nas colunas do Valor foi interrompido há quase 50 dias, quando foi internado após contrair o vírus da covid-19. Não havia dúvidas de que sairia dessa. Riba ama a família e a vida como ninguém. Nestes quase dois meses, troquei muitas mensagens com Lilian, sua esposa e amiga. Generosa, mandava informações frequentes sobre o quadro de sua saúde. Riba estava na UTI, em uma série de altos e baixos. Em alguns dias, acordava melhor. Em outros, algo se agravava. Na semana passada, chegou a apresentar um quadro melhor, mas depois a situação piorou.

Aos 67 anos, vítima da covid-19, Ribamar se foi. A família, em respeito aos protocolos de segurança e de isolamento sempre defendidos por Riba durante toda a pandemia, decidiu que não haverá velório e que seu corpo será cremado, como era sua vontade. Riba deixa um legado incomensurável, fruto de seu profissionalismo e dedicação, paixão pelo jornalismo, amor pela vida, pelos amigos e, principalmente, por sua família, a esposa, Lílian, e os filhos Júlia, Valentina e Ricardo. Vai em paz, Ribão. Obrigado por tudo.

Veja notas de pesar:

Banco Central

O Banco Central expressa profundo pesar pelo falecimento do jornalista Ribamar Oliveira, cuja excelência e a seriedade do trabalho serviu como exemplo a todos nesta instituição em seu período como Assessor de Imprensa. Foi uma honra contar com o profissionalismo de Ribamar no trabalho de bem informar a sociedade sobre as atividades do Banco Central. No jornalismo, sua ausência será sentida por todos os colegas. Expressamos nossa solidariedade com a família e seus amigos neste momento de dor.

Henrique Meirelles, secretário de Fazenda de SP e ex-ministro da Fazenda

Ribamar foi um dos maiores jornalistas de economia do Brasil, grande conhecedor das contas públicas. É uma perda enorme para o jornalismo e para os que tiveram o privilégio de serem entrevistados por ele.

Marcelo Ramos (PL-AM), vice-presidente da Câmara dos Deputados

Quero registrar com pesar o falecimento do jornalista Ribamar Oliveira, do Valor Econômico, repórter especial de Economia e Política que em muitos momentos esteve aqui em convivência conosco, cobrindo vários momentos importantes desta Casa. Em nome do Congresso Nacional, do presidente Rodrigo Pacheco, em meu nome, quero registrar o pesar e minha solidariedade. Que Deus conforte o coração da família, amigos e de toda a equipe do Valor Econômico.

Ministério da Economia

O Ministério da Economia lamenta falecimento do jornalista Ribamar Oliveira.

O colunista do jornal Valor Econômico era conhecido pelo alto nível técnico, seriedade na apuração, ética e dedicação à cobertura econômica

O Ministério da Economia recebeu com muita tristeza a notícia da morte do jornalista Ribamar Oliveira. O colunista do jornal Valor Econômico era conhecido pelo alto nível técnico, seriedade na apuração, ética e bom humor. A trajetória premiada e o reconhecimento dos colegas e dos técnicos da equipe econômica refletem a carreira de sucesso dedicada à cobertura econômica. O Ministério lamenta a perda e se solidariza com a família e amigos.

Felipe Salto, diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente do Senado

No trabalho como especialista em contas públicas, ler tudo que o Ribamar escrevia era mandatório. Na IFI, recebemos seu apoio desde o primeiro dia, em 2016. Lembro-me de que ele prestigiou minha sabatina no Senado e sempre estava aberto a repercutir nossos estudos e análises. Passamos a conversar muito desde então. Ribamar colaborou em episódios centrais da vida nacional ao jogar luz sobre as contas públicas e o orçamento. Sua partida é triste e deixa uma lacuna no jornalismo econômico que dificilmente será preenchida. Além de tudo, um amigo leal.

Fonte: Terra

Deixe uma resposta

Jornais Virtuais