Saiba como se recuperar fisicamente de um trekking

O trekking, como em qualquer atividade esportiva, promove diversos e incalculáveis benefícios para o corpo e mente. Poucos instrutores, guias e até mesmo veículos de comunicação, não abordam devidamente a recuperação muscular pós-trekking. Para o organismo absorver adequadamente o impacto causado pela atividade física, alguns métodos de recuperação muscular são importantes para uma contínua evolução.

Além da dedicação e comprometimento na rilha, outro fator importante para conquistar a evolução é a estratégia de recuperar-se fisicamente. Se na hora do exercício o praticante de trekking procura levar o corpo próximo do limite, quando acaba é hora de deixar o organismo assimilar todo aquele esforço. Essa absorção só é possível com uma boa recuperação, que vai muito além de se jogar na cama, ou ficar assistindo Netflix.

Alimentação

Após o trekking, a musculatura sofre “rupturas” e só é reconstituída pela alimentação. Para o praticante de trekking, dietas restritivas não são uma boa opção, já que cada um dos nutrientes tem uma função principal na recuperação do organismo. Os carboidratos, por exemplo, servem como reservatório energético, as proteínas na formação dos tecidos (reparando os músculos depois da atividade) e as gorduras oferecem energia para as células e auxiliam na produção de hormônios (os quais ajudam o organismo a se recuperar).

Logo após o trekking, procure consumir carboidratos de fácil absorção, como frutas, sucos naturais ou água de coco. Esse tipo de alimentação repõe os estoques de glicogênio e assegura o padrão anabólico, o que proporciona o reparo do tecido do músculo. Portanto, a alimentação é fundamental. Atletas de elite costumam fazer exames específicos para saber a quantidade dos elementos que cada um perde, para então realizar a suplementação personalizada. Para isso, procure consultar um profissional de nutrição. ele é quem irá saber com embasamento científico o que é melhor que coma para se recuperar adequadamente.

Você pode comer o que quiser? Sim pode! Mas ao adotar esta postura, estará comprometendo a sua recuperação. Se isso não importa a você, siga em frente. Mas para uma boa recuperação, procure controlar seus impulsos de devorador.

Ao acabar um trekking, procure também não chegar no primeiro lugar que venda comida e comprar o que tiver na frente. Da mesma maneira que é importante planejar o que levar a um trekking, também é saber o que deve comer e o que deve evitar.

Sono

De acordo com pesquisas científicas, o sono é um dos melhores aliados da recuperação física em qualquer esporte. Durante o período de sono indicado, que deve ser de pelo menos oito horas, o organismo tem um pico de produção do GH (hormônio do crescimento), que estimula também a recuperação muscular.

Portanto, quando fizer um trekking exigente, procure dormir bem no dia seguinte. Este sono irá garantir sua boa recuperação para outras atividades mais exigentes ainda. Por isso, aproveite para planejar o que vai fazer após o trekking, evitando programas que exijam ficar muito tempo em pé.

Alongamento e massagens

Pergunte a vários praticantes de trekking quantos tempo dedicam de sua recuperação a fazer alongamentos. Maioria dos praticantes de trekking experientes e que possui boa recuperação muscular entre as atividades praticam alongamento logo após e, se possível, no dia seguinte.

Alguns até procuram obter algum tipo de massagem. Para isso não é necessário ir a um massagista profissional. A própria pessoa pode fazer isso, utilizando objetos criados para isso. Uma das técnicas de auto massagem mais eficientes que existe é a liberação miofascial. A técnica é uma espécie de auto massagem que consiste na aplicação de pressão em alguns pontos do corpo, com o intuito de literalmente amassá-los, buscando uma maior liberdade entre o músculo e a fáscia (lâmina de tecido fibroso na qual se fixam alguns músculos).

Esta auto massagem pode ser feita com um rolo de espuma ou EVA (também conhecido como foam roller é encontrado em lojas de fisioterapia e fitness), bola de frescobol, latas de alimentos, e até mesmo com a mão.

Hidroterapia

Independentemente da temperatura, banhos são tratamentos eficazes contra dores musculares e lesões. A hidroterapia, ou seja, tratamentos que utilizam a água como principal ferramenta, é uma alternativa interessante para recuperação muscular além de relaxamento.

A imersão parcial do corpo em água fria é indicada aos praticantes de trekking pela ação preventiva anti-inflamatória. Denominada crioterapia (água à temperatura entre 5°C a 13°C) esta técnica também diminui a fadiga, espasmos musculares e auxilia no relaxamento.

A água quente é indicada para os praticantes de trekking que sofram com contraturas, fraquezas musculares, limitações de amplitude de movimento, dores incapacitantes e lesões. A água quente é mais indicada para relaxamento muscular, pois capacita as vias aéreas, melhorando a respiração. A utilização de saunas, banhos de imersão são indicados para os praticantes de trekking, mas não podem passar de 15 minutos.

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias. Em 2018 foi o único latino-americano a cobrir a estreia da escalada nos Jogos Olímpicos da Juventude e tornou-se o primeiro cronista esportivo sobre escalada do Jornal esportivo Lance!

(function(d, s, id) {
var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0];
if (d.getElementById(id)) return;
js = d.createElement(s); js.id = id;
js.src = “http://connect.facebook.net/en_US/all.js#xfbml=1”;
fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);
}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));window.fbAsyncInit = function() {
FB.init( {
appId : 1443946719181573,
autoLogAppEvents : true,
xfbml : true,
version : ‘v3.2’
});
};

( function( d, s, id ){
var js, fjs = d.getElementsByTagName( s )[0];
if ( d.getElementById( id ) ) {return;}
js = d.createElement( s ); js.id = id;
js.src = “https://connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js”;
fjs.parentNode.insertBefore( js, fjs );
}( document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’ ) );

Fonte: R7

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: